O ABC DA CORRUPÇÃO QUE OS INQUISITORES DE CURITIBA NUNCA PENSARAM EM CONSULTAR

protesto-corrupcao-antoniocruz-agenciabrasil

Resoluções de curto prazo impedem combate sistêmico

Culpar indivíduos sem trabalhar os contextos: erro comum

A CORRUPÇÃO É FRACTAL

O conhecido pesquisador Dan Ariely conta, no seu livro sobre desonestidade, a história de um chaveiro americano que, ao refletir sobre a necessidade de boas fechaduras nas portas das casas, fez uma interessante classificação social: 1% das pessoas, dizia ele, jamais entraria em casas alheias mesmo que a porta estivesse escancarada. Por sua vez, 1% sempre tentaria entrar, mesmo com a porta bem trancada. Porém as fechaduras e as portas bem fechadas ainda assim seriam um mal necessário para a vida em sociedade, pois, na sua ausência, os demais 98% poderiam se sentir tentados demais.

Grandes pesquisadores que se dedicaram a estudar empiricamente o lado sombrio da alma humana vêm trazendo uma má notícia para quem acredita que as pessoas são intrinsicamente boas ou más. Philip Zimbardo, famoso pelo experimento da prisão de Stanford, ao refletir sobre as evidências acumuladas sobre o tema, concluiu que o caráter de uma pessoa pode ser facilmente transformado por forças situacionais poderosas. Sua posição não é única. No campo da ética comportamental essa conclusão é bem estabelecida. Muitos leitores vão se lembrar também de Hannah Arendt e da ideia de banalidade do mal. Assim, pode ser uma ilusão reconfortante para a maioria das pessoas imaginar que é enorme a distância que separa a planície da honestidade do abismo onde prevalecem a corrupção e o comportamento antiético. O que as evidências científicas sugerem, por outro lado, é que a melhor metáfora é a existência de uma curta e frágil pinguela separando os dois campos. O mal está sempre à espreita.

A CORRUPÇÃO COMO FENÔMENO FRACTAL

Entranhada na sociedade brasileira, a corrupção se manifesta em diversas escalas do tecido social. Por isso, emprestando um termo da chamada ciência da complexidade, pode-se dizer que ela é fractal –isto é, se materializa como fenômeno da mesma forma, não importa se em pequenos atos do cotidiano, como motoristas abusando do acostamento em dias de engarrafamento, ou em grandes escândalos em obras estatais. Para ter o caráter de fractal, é preciso que os contornos do fenômeno sejam o mesmo independentemente da escala com que é analisado. Ao integrar as evidências de diversas linhas de pesquisa, é possível fazer a seguinte proposição: a corrupção vai ocorrer necessariamente no que eu chamo de bolsões de tentação de um sistema social ou organização. Homenageando o pai da psicologia social, Kurt Lewin, bolsões de tentação são como campos de força que atraem determinados comportamentos, enviesando o sistema. Existe bolsão de tentação na gestão de compras das organizações, no sistema de saúde privado (2 recibos, alguém?) e na interface entre um setor público permeável a influências (e cuspidor de normas sem fim) e o setor privado, para ficar em alguns exemplos. Um outro princípio que ajuda a definir a natureza do fenômeno, proposto pelo fundador da economia da complexidade (W. Brian Arthur) é o de que, primeiro, todos os sistemas sociais têm brechas e, segundo, essas brechas serão sempre descobertas e exploradas pelos agentes sociais.

NATUREZA HUMANA

Sistemas com brechas e bolsões de tentação se combinam com alguns elementos centrais da natureza humana para fomentar culturas de corrupção. Combinando teoria e evidências da literatura sobre o tema, eu costumo dizer que há 3 velocímetros ou indicadores que alimentam essas culturas: o sociômetro, o indicador da moral e o indicador de esgotamento do ego. O sociômetro é uma proposição do pesquisador Mark Leary e reflete, em resumo, a tendência de querer fazer parte e ser aceito em grupos sociais, o que favorece a conformidade com as normas desses grupos. O indicador da moral diz respeito à propensão dos indivíduos a ter uma autoimagem moral positiva, ainda que eventualmente cometam atos pouco lisonjeiros. Como a realidade social é geralmente ambígua, é sempre possível adotar um “recorte” favorável à nossa autoimagem, mantendo o velocímetro no campo positivo. Já o esgotamento do ego, conceito desenvolvido pelo pesquisador Roy Baumeister, é o fenômeno de diminuição do autocontrole ao longo do dia, que pode ser fatal para derrubar indivíduos da pinguela da nossa metáfora. Evidências mostram, por exemplo, que as pessoas cometem mais atos antiéticos quando seu autocontrole está em baixa e quando não conseguem recuperá-lo adequadamente, como após uma noite ruim de sono.

Ao nos imaginarmos livres da tentação de escorregar no abismo da corrupção, nós incorremos em dois vieses bastante conhecidos dos economistas comportamentais. O 1º deles é o chamado ponto cego do viés, ou a crença de que se é imune a vieses. O 2º é a incapacidade de imaginar como seria nosso comportamento de fato em uma situação de tentação (viés conhecido como hot-cold empathy gap). Isto é, em uma análise fria, a tendência é imaginar que agiríamos corretamente. Na prática, sob pressões da situação, não é isso que se verifica. A maioria das pessoas cede. Quantos resistem aos planos de dieta saudável quando confrontados com uma deliciosa sobremesa gratuita compartilhada por seus amigos em uma festa?

ONDE RESIDEM OS BOLSÕES DE TENTAÇÃO

A condição perfeita para a geração e propagação do incêndio da corrupção em um sistema acontece pela combinação dos fatores individuais –os 3 velocímetros

Bolsões de tentação existem onde há muitos recursos concentrados (notadamente dinheiro), mas também onde há muito poder e pouca transparência. O poder transforma as pessoas e pode favorecer a corrupção –e aqui novamente me valho da história contada por farto conjunto de evidências científicas. Há, de fato, contextos que são mais propícios para a ocorrência dos comportamentos antiéticos. Esses contextos são aqueles em que há grande possibilidade de racionalização das decisões imorais, conflitos de interesses, pressão de negócios, pressão para atendimento de indicadores organizacionais e, ainda, a percepção de que a corrupção (muitas vezes tratada por eufemismos) é o comportamento normal e esperado no grupo. Interesses econômicos costumam gerar o que se chama de cegueira motivada ou a extirpação da dimensão moral das decisões, que podem ser tratadas como meras decisões de negócios.

Uma vez criadas, culturas de corrupção desenvolvem fortes raízes, moldam a escolha de gestores, criando, assim, um contexto favorável à sua replicação. Nesse sentido, a corrupção se torna emergente em um sistema social complexo, exibindo propriedades que são mais do que a simples soma do comportamento individual dos agentes. Ela paira acima do sistema e o enviesa. Há muitos exemplos com consequências dramáticas. O médico dinamarquês Peter Gotzsche (entre outros) chocou o mundo recentemente ao expor práticas antiéticas da indústria farmacêutica mundo afora. Outros exemplos foram as fraudes com mensuração de poluentes na indústria automobilística e as decisões que levaram à explosão da nave espacial Challenger em 1986. Vou poupar o leitor de exemplos brasileiros. Poucos terão dificuldade de rapidamente se lembrar de muitos casos.

A CORRUPÇÃO VAI CONTINUAR

As intervenções para combater a corrupção em sistemas sociais geralmente falham porque não tratam dos bolsões de tentação existentes e nem da poderosa combinação entre fatores situacionais e necessidades humanas que se manifesta nos contextos mais críticos. Falham porque os modelos mentais sobre o fenômeno são incorretos. Gestores, agindo com base nesses modelos, cometem o chamado erro fundamental de atribuição, quando ignoram o acachapante peso das forças situacionais e culpam integralmente os indivíduos (as “laranjas podres”) pelo problema. Um exemplo ilustra a incorreção do modelo mental. Há pouco tempo um ex-prefeito de São Paulo teria dito que uma solução para acabar com fiscais corruptos na cidade seria ter um processo de seleção que verificasse antecipadamente o caráter dos concorrentes.

Sim, laranjas podres existem em qualquer sistema social e, diante de bolsões de tentação, elas tendem a contaminá-lo, fomentando o desenvolvimento de culturas de corrupção. Pesquisadores chamam de tríade sombria (dark triad) a combinação dos traços de personalidade conhecidos como narcisismo, maquiavelismo e psicopatia, que caracteriza uma percentagem pequena, mas relativamente estável, de indivíduos na sociedade. Os sistemas sociais, como as organizações e o sistema político, precisam estar preparados para a rapinagem ativada por esses indivíduos, desinflando bolsões de tentação e agindo proativamente sobre as brechas (que são dinâmicas), se o objetivo é evitar o leite derramado, como é padrão no Brasil.

Se, continuando na metáfora, uma reles pinguela impede as pessoas de caírem no abismo da imoralidade, como diminuir a chance de a corrupção acontecer? O enfrentamento do problema precisa ser sistêmico. E, como tal, ele tende a se valer de um repertório de ferramentas que é contraintuitivo. As organizações e sistemas raramente são geridas com o foco de prevenção adequado. Como diz o título de um famoso artigo de 2 professores do MIT, ninguém é recompensado em uma organização por prevenir problemas que nunca ocorreram. É um viés da natureza humana que se manifesta com toda a força na esfera coletiva. Um outro problema é que enfrentar o problema da corrupção (especialmente no setor público) demanda reestruturar redes de poder, competências e processos, reorientar e medir o impacto das organizações, além de aumentar a transparência. Isso, como o leitor pode imaginar, tende a gerar forte resistência dos agentes que se beneficiam do sistema como ele é.

CONSERTOS QUE FALHAM

Assim, em se tratando do enfrentamento de escândalos de corrupção, como o recente caso da fiscalização dos frigoríficos, o risco é cair no que é conhecido na literatura de dinâmica de sistemas como o arquétipo consertos que falham (“fixes that fail”). A figura abaixo resume a situação.

Captura-de-Tela-2017-03-29-às-09.01.32

 

A gravidade dos escândalos de corrupção leva a respostas imediatas e barulhentas, como a criação de forças-tarefas de investigação. Como a energia para enfrentamento do problema do momento tende a ser toda direcionada para a solução de curto prazo, a solução de longo prazo, que é complexa, tem riscos e exige muito mais tempo para ser desenvolvida, deixa de ser buscada ou é buscada de forma incompleta. Com o passar do tempo, os sintomas do problema reaparecem, alimentando novamente a busca por frágeis soluções de curto prazo.

Como todos sabemos, a corrupção no Brasil não é um problema localizado em um setor específico ou apenas no setor político. Ela é fractal e disseminada pela sociedade. Neste exato momento, há brechas e bolsões de tentação em diversos sistemas sociais sendo explorados, aguardando apenas que uma feliz combinação de fatores traga uma pequena porcentagem dos casos à tona. Até quando continuaremos a ser reativos?

HAMILTON CARVALHO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Hamilton Carvalho, 45 anos, estuda sistemas sociais complexos. É doutorando em Administração pela FEA-USP, mestre em Administração pela mesma instituição, conselheiro da International Social Marketing Association, membro da System Dynamics Society, e auditor tributário no estado de São Paulo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s