O PREFEITO QUE AGE COMO REPRESENTANTE COMERCIAL

capcareca-1491102474

 

Alguns dos colunistas mais prestigiados (Elio Gaspari, Eliane Cantanhêde) estão muito preocupados com a possibilidade do mandato de Temer ser cassado no TSE. Os donos do Estadão também estão. Isso paralisaria o país e traria instabilidade política. Para quem vive no mundo encantado do chapabranquismo, não estamos paralisados e nadamos de braçada em estabilidade política. De fato, o Brasil não está paralisado, mas andando para trás em alta velocidade e atropelando em poucos meses os direitos sociais e trabalhistas conquistados através de décadas.

Pelo histórico recente de decisões judiciais favoráveis ao grupo político que tomou o poder, as chances de Temer ser derrubado do cargo que usurpou são remotíssimas. Quem tem Gilmar Mendes tem tudo. Há quem acredite na possibilidade do golpe dentro do golpe, com o PSDB articulando para derrubar o presidente. Duvido. Nem FHC conseguiu implantar o plano de governo tucano com tanta agilidade e maestria como Temer, não há motivos para desfazer esse casamento agora.

Independente do imbróglio no TSE, a corrida eleitoral de 2018 já começou. Depois de ficar meses à espreita, Marina da Silva saiu de uma longa hibernação e ressurgiu no horário político vendendo sua usual ladainha messiânica. Como sempre, ela diz não ter nada a ver com PSDB, PMDB e PT – mas se juntou a Aécio no segundo turno das últimas eleições e apoiou o impeachment capitaneado por Cunha e sua gangue.

Luciano Huck, o apresentador que vez ou outra tem sua candidatura ventilada, apareceu essa semana dizendo que não descarta a possibilidade de se candidatar. Numa entrevista para a Folha enfileirou uma série de bobagens que devem soar como música para seus fãs. Em uma delas, apontou João Doria Junior como inspiração:

“A hora em que aparecer uma liderança que faça as pessoas acreditarem que vai ter um novo capítulo de ética, de altruísmo, junta todo mundo. São Paulo é um bom exemplo.(…) João não é político tradicional, não tem os vícios nem coisas debaixo do tapete que a velha política teve. Isso faz diferença.”

Em tempos de negação da política e pós-verdades, não há nenhum nome mais sintonizado com o zeitgeist do que João Doria Jr, o prefeito que mal completou 3 meses de gestão e já se apresenta como presidenciável. Ao rebater as críticas de FHC sobre uma possível candidatura sua em 2018, o prefeito ficou bravo e disse que o ex-presidente costuma errar seus prognósticos. Difícil não enxergar nessa reação um anúncio da sua pré-candidatura.

O que temos aqui? Um político com os mesmos “vícios e coisas debaixo do tapete da velha política” que Huck tanto despreza. Me ajuda, Luciano!

Ao contrário do que Huck diz, Doria é, sim, um político tradicional no mais desqualificado sentido do adjetivo. Sua estreia no faroeste político brasileiro foi proporcionada pelo ex-presidente José Sarney, talvez o maior símbolo vivo da “velha política” do país.
No comando da Embratur nos anos 80, a atuação de Doria no comando da estatal não poderia ser mais viciada. Segundo a Agência Lupa, especializada em checagem de fatos e dados, à época, ele foi investigado por uma estranha contabilização de um repasse de verbas, pelo pagamento de diárias de hotel e passagens aéreas feitos por uma empresa privada a servidores do órgão que já haviam recebido por elas, e outros “negócios ruinosos” – palavras do TCU. O que temos aqui? Um político com os mesmos “vícios e coisas debaixo do tapete da velha política” que Huck tanto despreza. Me ajuda, Luciano!

O auto-intitulado João Trabalhador já encarnou diversas profissões por alguns minutos para “dar o exemplo”, mas não consegue desencarnar da figura nada exemplar do playboy brigão. Ele bem que tenta se apresentar como um gestor sóbrio e corretinho, mas não é de hoje que tem exibido um destempero que não se encaixa no personagem. Como um garotinho mimado, Doria não aceita ser contrariado. Brigou nas prévias do PSDB, com folião no carnaval, com FHC, com Lula, com Ciro Gomes e briga com qualquer paulistano que se manifeste de alguma forma que o contrarie. É o nosso Trumpzinho mesmo! Essa semana ele brigou com a Amazon por causa de uma propaganda da empresa em que há uma crítica indireta à prefeitura, que pintou muros grafitados de cinza.

Mas brigar com empresas não é do feitio de Junior, pelo contrário. Sua influência no mundo dos negócios tem trazido várias empresas para ajudar a prefeitura com doações sem, claro, nenhuma contrapartida declarada. O prefeito teria tocado o coração desses empresários e subvertido aquela máxima capitalista: “não existe almoço grátis”.

Segundo a Agência Lupa, das 21 doações recebidas, apenas 9 disponibilizavam os valores arrecadados no Portal da Transparência. Algumas são muito curiosas. A parceria com a Microsoft, que doou R$ 15 milhões em softwares e serviços, aparentemente é uma coisa muito bonita. Mas quem decidiu que os programas usados pelo sistema de ensino público paulistano devem continuar amarrados à empresa? Houve debate? Por que não trocar por Linux? A escolha do tipo de licença que será usada é essencialmente política, mas Doria pinta como doação e, como se sabe, cavalo dado não se olha os dentes. Não se sabe se essa é a melhor decisão para o ensino público, mas é certo que a Microsoft se beneficiou muito de ter seu nome ligado ao altruísmo nas manchetes dos jornais.

E a propaganda do programa Cidade Linda durante jogo da seleção? Por que Sidney Oliveira, dono da Ultrafarma, pagaria (um valor não divulgado) para promover nacionalmente um programa municipal?

Sidney e o prefeito são amigos próximos. Certa vez, antes de começar uma reunião na prefeitura, Doria gravou um vídeo apresentando as vitaminas da marca. É possível ver sacolas estampadas com o logo da empresa em cima da mesa. Até o vice-prefeito aparece sorrindo e segurando um frasco de vitamina e fazendo jóinha. É claro que o Sidney compartilhou o vídeo em seu Facebook agradecendo o prefeito. Parece que o João Trabalhador e seu secretariado perderam um tempinho do trabalho para serem garotos-propaganda da empresa de um amigo do prefeito. Doria ainda não se livrou do Show Business – o programa sobre negócios que apresentava na Band.

Nessa semana, o prefeito reuniu presidentes dos principais bancos do país e pediu doações para o financiamento de creches. O objetivo é levantar R$ 120 milhões. Tudo muito lindo e fofo, não fosse o fato de que esses bancos têm dívidas bilionárias com a prefeitura. Dos 10 maiores devedores da prefeitura, 7 são bancos. Só Santander e Itaú devem quase R$ 7 bilhões. O prefeito deveria reunir as empresas para cobrar dívidas, que são infinitamente maiores que as doações. O problema é que isso não teria o mesmo efeito publicitário para os bancos. É muito mais bonito sair na foto fazendo doação do que pagando o calote, não é mesmo?

Capturar-1491100736-1000x554

Bruno Covas (PSDB), vice-prefeito de São Paulo, apresenta vitamina da marca do amigo do prefeito Reprodução/Youtube

Todo mundo tem direito de ser ingênuo e acreditar nessa solidariedade toda, mas não dá pra cair nesse barulho. A Lide, empresa de lobby do prefeito, fazia a ponte entre governos e empresas. Parece que agora Doria só mudou de lado no tabuleiro.
A falta de transparência não se resume às doações. A tara privatizadora de Doria está tão agressiva que ele se recusa dar mais satisfações sobre a venda do patrimônio público. A Folha convidou a prefeitura e especialistas para debater o assunto, mas Doria optou por não enviar nenhum representante. A opinião unânime dos debatedores é a de que o projeto de privatização “vem sendo tocado de maneira pouco transparente e aparenta ter pressa pouco condizente com a realidade.”

Doria saiu da Lide, mas a Lide não saiu de Doria. Imaginem o que ele não vai negociar se chegar ao Planalto.

JOÃO FILHO ” THE INTERCEPT” (EUA / BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s