NO QUADRO POLÍTICO QUE TEMOS,SÓ FHC E LULA PODEM NOS SALVAR

NOSlula_fhc

Lula e FHC são as melhores biografias que ainda temos a expor ao mundo

Fim político de Aécio pavimenta diálogo entre Lula e FHC

Senador mineiro deveria pedir fim do sigilo de delações

Lula Costa Pinto escreve: Aécio não sabe erguer pontes

A capa da revista “Veja” neste último fim de semana (“A Vez de Aécio”), reportagem sobre a delação de Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht, que teria dito ao Ministério Público ter mandado depositar até R$ 30 milhões fruto de desvios de contratos públicos em uma conta em Nova York mantida pela irmã do senador mineiro e presidente do PSDB) é um divisor de águas na escalada da crônica política brasileira.

Até então bastante preservado pela mídia tradicional, Aécio Neves se viu pela primeira vez exposto em situação vexatória, protagonizando o papel de suspeito de corrupção que sempre reivindicou para os adversários do PT, num veículo que cria controlar.

Até esta segunda-feira, 3 de abril, a repercussão da reportagem de capa de Veja foi envergonhada, represada, pontual.

Como gostava de dizer Fernando Collor em sua breve e conturbada passagem pela Presidência da República (1990-92), o tempo será o senhor da razão.

Ainda esta semana a íntegra do depoimento de Benedicto Jr. será divulgada. É pouco provável que o caminho das pedras desnudado no texto de capa da revista esteja integralmente errado. Contudo, é possível que as palavras do ex-executivo da outrora maior empreiteira brasileira não levem tão facilmente a uma conta bancária no exterior em que a família Neves acumularia propina. Se assim fosse, dificilmente Aécio e sua irmã e mentora, Andréa, teriam gravado e divulgado vídeos em redes sociais nos quais se dizem indignados e pessoalmente insultados com as acusações do delator. A irmã do senador chegou a forçar uma situação de choro diante das câmeras.

O chão parece ter fugido sob os pés dos que habitam o Lar dos Neves. No roteiro imaginado para a esteira da deposição de Dilma Rousseff, a essa altura do avanço do calendário Aécio estaria a traçar um plano de governo destinado a ser apresentado ao país no pleito de 2018 (se o calendário eleitoral for mantido).

Ao menos era isso o que depreendia do discurso que pronunciou em 4 de julho de 2015, quando foi reeleito presidente do PSDB e fez a previsão da interrupção do mandato da presidente que o derrotara e fora reeleita apenas sete meses antes (um relato daquele dia e do projeto dos tucanos pode ser lido nesse link).

Aécio, entretanto, viu-se obrigado a restringir sua vida social, antes intensa. Assessores do senador tucano se esgueiram pelos corredores do Congresso a fim de passarem despercebidos onde antes gostavam de ser recebidos como arautos de uma nova era.

Ao apostar todas as fichas na estratégia do empate político – na acepção que Chico Mendes dava à palavra em sua luta ambiental contra os grileiros da Amazônia: empate no sentido de empatar, de evitar o avanço do outro lado, de inviabilizar o andamento da agenda do adversário mesmo que as ações se convertessem em paralisação geral da cena e prejuízo para todos os lados – Aécio tornou menos nobre o exercício da política.

Quem não fechava com ele, estava contra ele. Quem não criminalizasse aqueles que não eram os dele, era banido por ele. Quem ousasse discordar das suas ideias era desonrado pelos seus. Foi assim que o PSDB virou trampolim para a ascensão de Eduardo Cunha, o hoje presidiário, viabilizando todas as chantagens do ex-presidente da Câmara.

Não à toa, Aécio Neves dividiu a cena com Michel Temer na posse dos ministros do atual governo logo depois do impeachment de Dilma – desfilava diante das câmeras como se o começo do governo interino fosse a véspera de seu próprio mandato presidencial. As cenas podem ser reavivadas nesse link aqui.

Tancredo Neves, avô de Aécio, notabilizou-se em Brasília e entrou para a História como um dos mais hábeis construtores de pontes da política brasileira. O neto de Tancredo não sabe erguê-las, não conseguiu se cercar de quem soubesse e, pior que isso, imprimiu ao seu partido uma forma de agir que as dinamita todas.

Acusado, acuado, desmoralizado, o presidente nacional do PSDB só tem uma saída honrosa hoje: licenciar-se do cargo partidário, peticionar até ao Papa a fim de que se tornem públicas as delações de Benedicto Júnior e as investigações decorrentes dela e abrir dentro da cena partidária uma janela de negociação para o impasse que ele próprio ajudou a criar com sua atuação raivosa e belicosa.

Olhando por sobre a cena partidária há duas instituições que podem cumprir esse papel de Divisão de Engenharia no teatro de operações de guerra em que se converteu a política: o Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC) e o Instituto Lula. Os dois ex-presidentes são as melhores biografias que ainda temos a expor ao mundo para tentar provar lá fora e convencermo-nos aqui dentro de que vale a pena dialogar e que é possível suspender o empate para avançar.
Fernando Henrique e Lula legaram-nos um Brasil melhor do que aquele que receberam para governar. Ambos chegaram à presidência pelo voto, respeitaram os ritos e sabem o preço que pagamos para repor o país nos trilhos da Democracia atravessando pinguelas, túneis, charcos e pontes.

Ante o estrondoso fracasso da troca de gerações no comando da cena política é fundamental considerar a possibilidade de dar um passo atrás hoje, valendo-nos da benção que é ter ainda vivos e lúcidos Lula e Fernando Henrique, e pedir que dialoguem por meio de seus institutos políticos.

Ali eles reúnem o que sobrou de melhor dos dias em que comandaram o país com a vantagem inigualável de conservarem uma memória crítica de erros e acertos. Não há razoabilidade para crer que os partidos dominantes no cenário institucional sejam capazes de traçar um roteiro de debate com rumos para que procedam avanços. Os institutos dos ex-presidentes podem e devem ocupar o vácuo.

O que falta para tal? Um catalisador? Ora, a dinâmica da crise que traga o país é o melhor reagente motivador dessa união. É hora, agora.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s