SAIBA POR QUE TEMER RECUA NA REFORMA DA PROVIDÊNCIA

Tmer-Meireles-Renan-Maia-Padilha-DIogoOliveira-pacotEconomico-FotoSergio Lima-15dez2016

Temer e Meirelles (Fazenda): o Planalto vai cobrar da equipe econômica 1 freio nas declarações contra alterações na reforma da Previdência

Base governista está desarticulada

Governo exagerou no discurso duro

Agora tem que convencer Meirelles

Ainda em fase inicial de negociação da reforma da Previdência com o Congresso, os articuladores políticos do governo já concluíram que o projeto terá que ser modificado. O presidente Michel Temer decidiu pressionar o ministro Henrique Meirelles (Fazenda).

O Planalto vai cobrar da equipe econômica 1 freio nas declarações radicais contra qualquer alteração. A questão é o timing e o ritmo na inflexão.

Temer concedeu entrevista na manhã desta 5ª feira (6.abr.2017) à Rádio Bandeirantes. Afirmou que o relator da Reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), foi autorizado a negociar alterações na proposta desde que seja mantida a idade mínima.

“Eu tenho ouvido muitos membros do Legislativo e eles fazem ponderações do tipo: a aposentadoria do trabalhador rural, a questão dos deficientes, do chamado Benefício de Prestação Continuada. Eu acabei de autorizar o relator a fazer os acordos necessários nesses tópicos desde que se mantenha a idade mínima, que é o que aconteceu em várias países”, disse o presidente.

Antes o governo dizia:

Michel Temer: “Chega de pequenas reformas. Ou enfrentamos de frente o problema ou iremos condenar os aposentados a baterem nas portas do poder público e nada receberem”.
Henrique Meirelles (Fazenda): “Se não for para fazer uma reforma completa, é melhor não fazer nada”.
Eliseu Padilha (Casa Civil) : “A reforma terá que ser dura, dados os padrões em que nos encontramos”.
PMDB: “Se a reforma da Previdência não sair, tchau Bolsa Família. Adeus Fies. Sem novas estradas. Acabam os programas sociais”.

PROJETO É DESOSSADO, MAS PASSA

Nesta 5ª feira (6.abr) pela manhã o relator da reforma na Câmara, Arthur Maia (PPS-BA), apresentou ao presidente 1 primeiro levantamento de suas negociações. A avaliação: há resistências generalizadas. Isso levará a mudanças no texto original do governo. Mas o projeto tende a ser aprovado.

O Poder360/Drive compilou algumas mudanças que já são consensuais na base de apoio ao governo no Congresso:

Exceções para algumas categorias, como professores e policiais;
flexibilização nas regras de transição;
acumulação de aposentadorias no limite do teto da Previdência;
a idade mínima de 65 anos pode passar, mas o tempo de contribuição não será fixado em 49 anos;
outra opção será adotar a idade mínima igual para homens e mulheres ao longo do tempo. Ou seja, seria mais suave neste momento inicial e no futuro não haveria mais diferença de gênero na definição da idade mínima para aposentadoria;
não há clima para grandes alterações nas regras atuais da aposentadoria rural, como propõe o projeto do governo;
o BPC (Benefício de Prestação Continuada) pago a deficientes também deve sofrer modificações no projeto do governo.

OS MOTIVOS: DERROTAS, PESQUISAS E CRÍTICAS NO SENADO

Nesta 4ª feira (5.abr), o governo não conseguiu votar o projeto de recuperação fiscal dos Estados. Foi a 5ª derrota em duas semanas. Também acenderam as luzes de alerta no Planalto: 1) as pesquisas sobre resistências ao projeto; 2) os protestos da bancada do PMDB no Senado.

Eis os tropeços anteriores da chamada base governista no Congresso:

dívidas dos Estados: governo já havia sido obrigado a adiar votação, na 4ª (29.abr), por falta de apoio;
educação: governo não conseguiu aprovar na Câmara, por apenas 4 votos, emenda constitucional que autorizava universidades públicas a cobrar por cursos de MBA;
MP do Cartão Reforma: a oposição aprovou emenda à medida provisória que obriga o governo a destinar, no mínimo, 20% dos recursos para famílias que morem em zonas rurais;
MP 752 sobre concessões: não houve acordo nem quórum para ler nem votar a medida provisória, considerada vital para aumentar investimentos em infraestrutura.
Na entrevista, Temer demonstrou contrariedade com os ataques que tem sofrido do líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros: “Não posso a todo momento estar brigando com quem não é presidente da República”, disse.

E o site do jornal O Estado de S.Paulo publicou nesta 5ª feira (5.abr) 1 placar com os votos contrários e a favor da proposta de reforma previdenciária. Ao menos 256 deputados afirmaram ser contra. Desses, 60% integram a base aliada de Temer.

PODER360 ANALISA: PAÍS NÃO VAI IMPLODIR

A reforma da Previdência torna explícito 1 erro de estratégia do Planalto. A barbeiragem foi jogar todas as esperanças nessa votação. Como já está evidente que o projeto original será desossado, pode parecer agora que o Brasil está prestes a implodir. Isso não vai acontecer. O desafio de Michel Temer é fazer uma inflexão em seu discurso Que não evoque 1 tom de derrota. Terá de falar o que precisava ser dito desde o início: é necessário mudar o sistema de aposentadorias, isso será feito e haverá avanços, mesmo que o Congresso altere a proposta.

RECUPERAÇÃO FISCAL DOS ESTADOS: FALTA QUÓRUM, FALTA APOIO

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não conseguiu colocar o projeto nesta 5ª feira (6.abr) em votação. Ele já havia tentado nesta 5ª feira (5.abr) à noite. Mas os líderes governistas concluíram que o quórum estava baixo para a aprovação. Às 23h31, havia apenas 293 congressistas em plenário.

“Acho que dava para aprovar, mas tive que atender ao pedido dos líderes. Não vou assumir sozinho a responsabilidade”, disse o presidente da Câmara ao Poder360/Drive.

Os governadores do Rio, Luiz Fernando Pezão, e do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, acompanharam até o final a sessão desta 4ª (5.abr). Apesar da promessa de Rodrigo Maia, de que a votação ocorreria nesta 5ª, os mandatários peemedebistas já informavam ao Poder360/Drive que estavam de partida para seus Estados. Assista:

ANÁLISE PUBLICADA PELO “BLOG PODER 360” ( BRASIL)
__

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s