DISCURSO ARROGANTE DO PLANALTO, EXCLUIU QUEM DEVERIA INCLUIR NA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Temer-7620.jpg

Recuos recentes são bons sinais de fim de festa para o governo

Políticos deveriam abrir mão de seus benefícios como exemplo

EXCLUÍRAM QUEM DEVIAM INCLUIR, E VICE-VERSA

É necessário reformar a Previdência e adaptar todo o nosso sistema de seguridade e de benefícios sociais para os tempos que vivemos e sobretudo para os dias duros que virão: aqueles de um país mais maduro, com uma pirâmide etária mais larga no miolo e delgada na base. Isso é ponto pacífico e devia ter sido, desde sempre, o coração da estratégia de comunicação do governo.

A partir daí viria o eixo central, que foi diluído nas peças até agora apresentadas e perdeu importância no estilo arrogante e pouco eficaz dos principais porta-vozes palacianos: a idade mínima para aposentadoria; a isonomia para todos os trabalhadores brasileiros, dos setores público e privado, civis e militares e a igualdade entre homens e mulheres.

No lugar dessa receita, desde a origem trabalharam para divulgar a retirada das exceções do espectro da reforma, com medo de ferirem suscetibilidades de categorias dispersas pela sociedade –cada uma delas com arsenais específicos de pressão. Logo, saíram:

* Os militares, cujo sistema previdenciário é escandalosamente deficitário e que possuem esquisitices bem específicas como as pensões vitalícias às filhas que não se casam formalmente: verdadeiro manancial de fraudes por meio das quais casamentos “de fato” nunca se tornam casamentos “de direito” a fim de seguirem penduradas em sinecuras do erário velhas senhoras que reivindicam respeito para si, mas não o merecem.

* Os funcionários de Estados e municípios, retirados de forma atabalhoada por ordem presidencial, para facilitar a cabala de votos no Congresso, sem a anuência dos governadores.

*Os funcionários públicos federais, dos 3 Poderes, resistentes a entrar num regime único de aposentadoria.

Ao fim e ao cabo, quem terminou por por ficar dentro da panela de pressão da reforma da Previdência foi um único, sofrido e amplo grupo: o cidadão brasileiro que paga impostos, contribui para o INSS com descontos compulsórios em folha ou por meio de alíquotas escorchantes sobre o pro-labore de suas micro, pequenas e médias empresas tocadas no dia a dia Deus sabe como, a partir de energia empreendedora que de quando em vez parece querer se esvair na espiral de tributos, taxas e impostos os mais diversos.

Tendo permitido tantas exceções na largada da reforma previdenciária, no lugar de fazê-la universal e inclusiva, o governo precisou ir endurecendo paulatinamente o discurso sobre a irredutibilidade de sua proposta.

Na primeira hora anunciou-se a necessidade de uma economia de R$ 678 bilhões em 10 anos –ontem (06.abr.2017), ante os mais recentes recuos, essa cifra de “economia decenal” viu subtraírem-lhe cerca de R$ 115 bilhões.

Números imaginários: a mesma equipe econômica que fez esses cálculos cabalísticos para daqui a uma década errou em R$ 58,2 bilhões o cálculo do déficit publico de 2017. Em razão disso, pegos de calças curtas e com planilhas erradas nas mãos, os economistas estatais trocaram as calculadoras financeiras por tesoura e gilete e estão a cortar os investimentos públicos e a deprimir o orçamento da União de forma tão dura que alimentam crises pontuais em velocidade exponencial.

Os recuos, bem vindos porque se dão na direção da construção de uma proposta menos desestruturante para a economia popular e para a esperança do brasileiro médio, que é a de contar com algum benefício do INSS nos últimos anos de vida, deviam ser acompanhados de atitudes necessárias e corajosas da equipe de governo:

1 – Quem, dentre eles, possuir dupla aposentadoria pública abre mão de todos os vencimentos superpostos e escolhe apenas um para remuneração pessoal.

2 – Quem, dentre eles, tiver se aposentado em idade inferior à idade minima ora proposta, lança mão desse beneficio até o fim do atual período de governo.

3 – Retomada do princípio de regime único de aposentadoria para cidadãos dos sistemas publico e privado, para civis e militares, para funcionários da União, de estados e municípios.

Se for transparente, inclusiva e isonômica a proposta de reforma da Previdência pode ser dura, mas talvez passe.

Se for “esperta”, tergiversante, desigual e se tratar com maldade despropositada os atuais contribuintes do tão maltratado INSS a reforma não só se converterá em uma imensa bala de festim como também será o palanque providencial para o fortalecimento do discurso de viés popular que tanto assusta o establishment encastelado na Esplanada desde a deposição de Dilma Rousseff.

A ausência de clareza e de firmeza nas teses propostas pelo governo para a reforma da Previdência traduz a falta de um projeto de longo prazo. Os recuos sucessivos dos negociadores políticos, e a condução atabalhoada da comunicação, são sintomas de uma desagregação perigosa da equipe palaciana e podem estar começando a revelar uma notícia aterradora: não há mais coelhos na cartola. Quando isso ocorre nos espetáculos dos magos de quintal é porque o fim da festa se aproxima.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s