A INSATISFAÇÃO POPULAR É CONTRA TUDO E TODOS

3f9b650c-6062-4b22-b593-75662d9fefd8

 

Governo precisa das reformas, mas está sem apoio

Sucessão de 2018 está aberta; desfecho é imprevisível

A pesquisa realizada pelo DataPoder360 nos dias 31 de março a 1º de abril revela uma conjuntura de opinião pública difícil para 1 governo que se propõe a colocar reformas sensíveis na pauta política.

Brasileiros e brasileiras sentem de maneira clara a perda de bem-estar nos últimos anos. Ainda estão pessimistas sobre perspectivas para o futuro. A administração de Michel Temer é rejeitada pela maioria da população, que rejeita também, e de forma contundente, pontos específicos das reformas propostas, como a idade mínima para a aposentadoria e um possível aumento de impostos. A insatisfação é generalizada, o que resulta em um cristalino desejo de mudança que certamente terá impacto nas eleições do ano que vem.

Os números do estudo do DataPoder360 estão em sintonia com aqueles já divulgados pela Ipsos e pelo Ibope nos últimos dias. Apesar de contar com uma ampla base de apoio no Congresso Nacional, o governo Temer é mal avaliado pela população em geral: só 5% de avaliação positiva (ótimo + bom) e taxa de aprovação em 12%. A avaliação negativa (ruim + péssimo) chega a 64% e a desaprovação a 73%.

Esses números importam na medida em que a cada dia que passa a negociação das reformas se torna mais complicada para o governo. O instinto de sobrevivência dos parlamentares, preocupados com suas reeleições no ano que vem, passará a ter cada vez mais importância. Apoiar 1 governo impopular com uma agenda ainda menos popular não parece ser uma estratégia viável para os congressistas.

O otimismo do governo, e mais especificamente do Ministério da Fazenda, ainda não encontra eco junto à população. Brasileiras e brasileiros sentem que a vida piorou no último ano e estão pouco esperançosos sobre o futuro no curto-prazo. Apenas 17% dos entrevistados na pesquisa acreditam que o país estará melhor nos próximos meses. 58% acham que o Brasil estará pior do que hoje. Embora haja 1 reconhecimento de que as crises que o país enfrenta não são culpa exclusiva dos atuais ocupantes do Planalto, a falta de perspectiva de melhora dificulta a recuperação da popularidade do governo.

Esse quadro é agravado pela falta de respaldo popular às principais medidas propostas pelo governo Temer.

Dois terços dos entrevistados (66%) são contra a reforma da previdência. Há 1 percentual ainda maior, de 73%, contra a imposição da idade mínima de 65 anos para a aposentadoria.

Quase incríveis, porém não surpreendentes 86%, são contra o aumento de impostos para ajudar o governo federal a equilibrar as contas. Esses dados, em conjunto com a incerteza política gerada pela Lava Jato, com a economia ainda em processo de recuperação e a proximidade do ano eleitoral de 2018 (sim, está mais perto do que parece) são mau sinal para a aprovação das reformas propostas pelo governo Temer.

É clichê no mundo das pesquisas de opinião pública dizer que os principais problemas de qualquer lugar no Brasil são sempre saúde, segurança e educação, com a ordem exata variando entre esses itens. No entanto, o que se observa com base na pesquisa é que corrupção é o tema que mais preocupa os brasileiros hoje em dia.

Quase metade dos entrevistados (49%) afirmaram que corrupção é o principal problema do Brasil. Saúde apareceu em 2º lugar, com 13% das menções, seguido de desemprego com 11%. Provavelmente a grande responsável por esse quadro seja a Operação Lava Jato e sua cobertura incessante pela imprensa.

É importante notar, entretanto, que a mídia tradicional –sobretudo os telejornais das primeiras emissoras– tem oferecido espaços generosos à cobertura jornalística de escândalos como o da Operação Lava Jato. Em geral, o principal problema do país para os brasileiros é quase sempre o que mais aparece na TV. Se em breve o tema principal passe a ser os descalabros no sistema de saúde pública, certamente esse tema aparecerá de maneira mais saliente nas pesquisas de opinião.

De toda forma, o fato é que há 1 apoio maciço à Lava Jato entre os brasileiros: 75% se dizem a favor das investigações, 16% se colocam contra e 9% dos entrevistados não souberam ou não quiseram responder. O apoio à Lava Jato se verifica em todos os estratos sociais, sendo ainda mais intenso (90% de apoio) entre brasileiros e brasileiras com nível de instrução até o ensino superior.

Apesar do apoio maciço à Lava Jato, quando solicitados a fazer uma avaliação geral do poder Judiciário, é grande o nível de desconfiança dos entrevistados. Só 28% afirmaram ter opinião positiva sobre o Judiciário; 47% têm uma opinião negativa e 25% não souberam responder.

Essa percepção negativa sobre o Judiciário é sinal da existência de uma insatisfação profunda com as instituições da democracia no Brasil. A desilusão e a desconfiança não são apenas com figuras específicas ou só com o Executivo ou o Legislativo: permeia todo o sistema político.

Todas essas variáveis se combinam para criar 1 quadro no qual o desejo de mudança é praticamente unânime. Quando indagados se, pensando na eleição do ano que vem, preferem continuidade ou mudança, 87% dos entrevistados disseram querer mudança. Apenas 7% querem continuidade.

É nesse cenário de incerteza, insatisfação e desejo de mudança que o governo federal precisa se movimentar. É nesse caldo de cultura que se forma o cenário para a sucessão presidencial do ano que vem.

No momento, há mais dúvidas do que certezas a respeito da sucessão presidencial de 2018. As perguntas mais intrigantes são estas: que tipo de mudança exatamente os brasileiros e as brasileiras desejam? Que tipo de político conseguirá amalgamar em torno de si essa onda a favor da novidade? Ou, mais ainda: que tipo de candidato conseguirá propor e implementar mudanças sem promover algum tipo de ruptura traumática?

METODOLOGIA

A pesquisa DataPoder360 foi realizada na 6ª feira (31.mar) e no sábado (1º.abr). Foi utilizado 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem às perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular. Foram realizadas 1.684 entrevistas em 225 municípios brasileiros. A amostra é baseada na seleção aleatória do discador.

Aplica-se uma ponderação paramétrica aos resultados para compensar desproporcionalidades nas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região. A margem de erro estimada no levantamento foi de de 3,8 pontos percentuais, para mais ou para menos. Nos próximos levantamentos do DataPoder360, o número de entrevistados será ajustado para que o resultado tenha uma margem de erro de até 3 pontos percentuais.

RODOLFO COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Rodolfo Costa Pinto, 25, é cientista político pela UFPE com mestrado pela George Washington University e sócio-diretor da IFT.COM, empresa de pesquisa e consultoria política sediada em Brasília. Os estudos que coordena para o DataPoder360 são exclusivos para o site Poder360.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s