O LIBERALISMO À BRASILEIRA NA VISÃO DA ESQUERDA E DA DIREITA

JoaoDoria-divulgacao

Convicções impedem boa análise de pesquisa

Afirmou Nietzsche que o inimigo da verdade não é a mentira, mas a convicção. É a convicção que resulta na pós-verdade, é também a convicção que polui a avaliação de resultados de pesquisas.

A Fundação Perseu Abramo, do PT, divulgou recentemente uma pesquisa que foi interpretada pelas pessoas com convicção de centro direita como sendo a prova de que o pobre, ao menos na periferia da cidade de São Paulo, tem pensamento liberal. Por outro lado, as pessoas de centro-esquerda avaliaram as conclusões com um relativismo maior, afirmaram que, apesar da rejeição ao PT, os pesquisados mantêm a sua crença na busca por maior igualdade de renda, um item importante da agenda da esquerda.
É um chavão do mundo da pesquisa afirmar que as respostas que você obtém depende das perguntas que você faz. No debate ocorrido até agora sobre a pesquisa nada se falou da metodologia, que pode ser encontrada nos slides 7 a 9 da íntegra do trabalho.

Lá é possível ver que se tratou de uma pesquisa qualitativa na qual foram feitas 63 entrevistas em profundidade e 5 grupos focais. Se cada grupo focal teve 10 participantes, foram entrevistadas 113 pessoas. Todas elas, segundo a metodologia, tinham que ser ex eleitores do PT, ou seja, pessoas que tinham votado no PT entre 2000 e 2012, mas que não votaram na Dilma em 2014 nem no Haddad em 2016. É interessante ver que há muitas pessoas analisando a pesquisa falando em percentuais, como se isso pudesse ser feito quando se trata de uma pesquisa qualitativa. Outra coisa importante é ter em mente que 113 pessoas entrevistadas em uma pesquisa desta natureza não representam, em absoluto, uma população de milhões de pessoas tal como é a que habita a periferia de São Paulo.

Uma das conclusões da pesquisa é a de que os ex-eleitores do PT valorizam aspectos da ideologia liberal. Nas análises feitas até agora muitos afirmaram que a direção da causalidade é simples: como estas pessoas se tornaram liberais, elas deixaram de votar no PT. Assim, para os direitistas, na próxima eleição aqueles que defenderem o ideário liberal terão mais chances. Por outro lado, para os esquerdistas, o PT precisa aprender a lidar com esta nova realidade. Vale lançar uma dúvida, será que a causalidade é realmente esta?

É possível que a causalidade seja a inversa: porque deixaram de votar no PT, em função de avaliarem mal os governos Haddad e Dilma, tais pessoas passaram a justificara seu voto anti-PT em aspectos da ideologia liberal. A psicologia social conhece muito bem este fenômeno: primeiro é feita uma escolha, somente depois é que vem a justificativa. É verdade que a pesquisa não pergunta porque a pessoa deixou de votar no PT, ainda assim, o entrevistado precisa de uma justificativa para suas escolhas eleitorais, mesmo não estimuladas explicitamente na pesquisa. Dito de outra maneira, sendo esta a direção da causalidade, caso o governo Doria e o governo Temer sejam mal avaliados, pode ser que os mesmos entrevistados voltem para a agenda associada ao PT.

Mostrei no meu livro A Cabeça do Brasileiro que quanto mais escolarizada uma pessoa é, mais ela defende valores liberais. Isto está no fundamento do voto petista dos pobres nordestinos e do voto tucano dos não-pobres de São Paulo. Adicionalmente, na medida em que a escolaridade média da população for aumentando, aumentará a defesa de pontos de vista liberais. Porém, isto não significa que voto de esquerda acabará. Nos Estados Unidos o voto de esquerda é nos Democratas e o de direita nos Republicanos. As posições relativas que separam esquerda e direita se mantém, mas o que muda é o conjunto das forças políticas, como um todo. Elas têm que se tornar mais liberais para continuar tendo apoio eleitoral.

Não é possível saber se os entrevistados da pesquisa da Fundação Perseu Abramo aumentaram sua escolaridade nos últimos cinco ou 10 anos a ponto disto ter tido impacto relevante sobre seu conjunto de valores. Pode ser que sim, pode ser que não.

Ninguém muda de ideologia de um ano para o outro. Uma mudança desta natureza ocorre no decorrer de uma vida ou, com frequência, quando as gerações mais velhas vão embora e são substituídas pelas gerações mais jovens. Por outro lado, com o passar do tempo a população do Brasil, como um todo, inclusive os pobres nordestinos, se tornará mais liberal. As forças políticas à esquerda e à direita, por uma razão de sobrevivência, irão adaptar seus discursos e agendas para esta realidade.

ALBERTO CARLOS ALMEIDA ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

s

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s