O TSUNAMI DA ODEBRECHT ATINGE GREGOS E TROIANOS

33076122341_d08da1aedd_z

Como se esperava, o tsunami chegou forte. Ainda não se sabe qual o tamanho do estrago. Tem muita coisa ainda inédita, como planilhas, movimentações bancárias aqui e no exterior, e-mails etc. Mas, pela revelação de quem está sendo investigado e pelo o que, os primeiros depoimentos parcialmente transcritos, alguns áudios e vídeos, é devastador.

Os principais partidos, as lideranças políticas mais destacadas, e o núcleo duro do governo Michel Temer foram para o sal. Como Helena Chagas já observou, a narrativa do Caixa 2 perdeu a serventia justamente para quem mais interessava – a elite política tucana, petista e peemedebista.

Quem teve cacife para disputar para valer o poder no país desde o fim da ditadura pulou da berlinda para a fogueira.

Lula, Aécio, Serra, Alckmin, Renan, Eunício, Collor, Rodrigo Maia, Eliseu Padilha, Jucá, Moreira Franco, Sérgio Cabral, Palocci, José Dirceu, entre muitos outros, não estão sendo investigados por terem recebido dinheiro sujo do Caixa 2, que também é crime.

Todos eles vão responder, também, por corrupção. Evidente que não devem ser condenados antes de serem julgados, embora os indícios contra boa parte deles são arrasadores.

O desgaste político, no entanto, é fatal. Com ou sem eles, o sistema político faliu. O problema é o que colocar no lugar. Não dá mais continuar, digamos a la Jucá, com essa suruba entre o público e o privado no país, às custas do contribuinte e de todas as mazelas nacionais.

A reforma política arquitetada no Congresso mais agrava do que resolve a questão. Não dá para esconder candidatos e nem continuar cobrando a conta da população concedendo mais dinheiro para partidos e políticos tão desacreditados.

Só a democracia resolve. A Justiça deve apurar e julgar todas as denúncias, sem que o Congresso meta o bedelho com anistias e acordões espúrios.

Só a democracia resolve. Todas as saídas têm de ser constitucionais.

Quem deve dar a última palavra é o eleitor.

Talvez seja o caso seriamente em uma Constituinte para a promoção de uma profunda reforma política. O problema é como convocá-la e com que regras elegê-la.

A conferir.

ANDREI MEIRELES ” BLOG OS DIVERGENTES” ( BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s