A SAÍDA PARA A CRISE DEVE SER POLÍTICA: ANTECIPAR ELEIÇÕES, POR EXEMPLO

SLIM-4422.jpg

Votar propostas do governo no cenário atual será suicídio

Tragédia do impeachment nos trouxe a essa encruzilhada

OSSOS DO OFÍCIO POLÍTICO

Na igreja de São Francisco em Évora, Portugal, situa-se a exótica e interessante Capela dos Ossos. Em seu pórtico a saudação é zombeteiramente aterradora, mas logicamente premonitória: “Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”.

Desde o século 17, às custas das cerca de 5.000 vidas que em algum momento embalaram os esqueletos usados para erguer o pitoresco sítio português, reunidos nos cemitérios do Alentejo, está pronta e acabada a metáfora que descreve o momento político brasileiro.

Não estamos, ainda, em um beco sem saída. Encontramo-nos, isto sim, numa encruzilhada. Há despachos em todas as direções. É hora de ser pragmático, assumir o sincretismo, agarrar-se aos poderes de uma ou outra divindade, exorcizar os maus espíritos das galinhas pretas, tomar um trago de sangue, limpar a alma com 2 dedos de cachaça, celebrar com santos e anjos, trincar os dentes, erguer a espada (de São Jorge, ou de Ogum, ou de algum arcanjo) e seguir em frente observando premissas:

Não há saída fora da política. Necessário agarrar-se a isso de forma inarredável.
Todo o poder emana do povo e em seu nome será exercido. Logo, eleições regulares. No calendário, as próximas eleições devem ocorrer em outubro de 2018. É recomendável mantê-las no horizonte –ou antecipá-las.
Todos aqueles que estiverem em condições de se candidatar podem e devem competir. O resultado eleitoral tem de ser respeitado. Depois das eleições assegura-se à minoria derrotada seus direitos, posto que estes são premissas do Estado democrático. Mas conceder-se-á à maioria condições de governabilidade.
Pronunciar alto e bom som, com todas as letras, a última premissa não é chover no molhado. Chegamos até aqui porque o veredito das urnas de 2014 foi desrespeitado.

Já em novembro daquele ano, na esteira da vitória de Dilma Rousseff, começou o jogo destinado a desestabilizar o 2º mandato da primeira mulher eleita para a Presidência da República. Dilma cometeu erros políticos. Muitos, aliás:

Aloizio Mercadante era o chefe da Casa Civil. Até os quero-queros aninhados às margens do Lago Paranoá sabiam que Mercadante é um político solitário. Nunca aprendeu a costurar e desfaz cerzidos que lhe são entregues em mãos.
Demitiu Guido Mantega pelos jornais no curso da campanha à reeleição. Mas o manteve no cargo e resistiu à indicação de Henrique Meirelles para a Fazenda. Sondado por Lula, Meirelles aceitaria o desígnio desde que Dilma não exercesse seu poder sobre os negócios da Fazenda. Isso era aceitável.
Não houve firmeza, antes da posse para o 2º mandato, no convite para que Lula assumisse a Casa Civil já em janeiro de 2015. Essa carta esteve na mesa e voltou a ela em abril de 2016, mas Sérgio Moro embaralhou os naipes de forma indevida e já não havia tempo para comprar baralho novo.
Permitiu e apoiou a candidatura de Arlindo Chinaglia à presidência da Câmara contra Eduardo Cunha. Agora presidiário, Eduardo Cunha, sempre foi intragável e intratável, mas Chinaglia lançou uma candidatura natimorta e levou a base governista a uma aventura de plenário. Era melhor, e a história mostraria isso se o relógio corresse para trás, ter feito um acordo em torno de Júlio Delgado, do PSB mineiro.
Esse conjunto de erros foi a gênese do desastre e abriu o flanco para a tragédia do impeachment. Teimosia, arrogância, falta de foco político e ausência total de preparo para o exercício do poder levaram Dilma à deposição. Reconhecer tais fatos não significa compactuar com o que ocorreu. Depô-la foi um erro grotesco cometido com desfaçatez por políticos desprovidos de um projeto nacional e apoiados pelo que há de pior na sociedade brasileira.

Acuados no canto da parede pelas delações dos executivos e acionistas da Odebrecht que ecoam nas TVs, rádios e redes sociais, o establishment político brasileiro não pode errar de novo. Não há margem para isso. Também não há razão para levá-los a uma composição com o mercado financeiro nacional ou com a mídia tradicional –que emparedou a todos e embala-os num manto sujo, deixando-os prontos para o despacho.

A agenda reformista que o governo impôs tem de ser paralisada. Antes de desembaraçá-la é necessário desatar os nós da política. Aprovadas as reformas, sobretudo a da Previdência e a trabalhista, os 594 parlamentares, Michel Temer e sua equipe (exceto a turma do Ministério da Fazenda) torna-se material descartável. Já se busca pacto numa Constituinte exclusiva, com acesso fechado aos atuais detentores de mandato. O que é isso? Interdição no exercício da política?

Proclama-se aos 4 ventos que a política está podre e obriga-se essa corja (como dizem muitos) de feios, sujos e malvados a votar um pacote de retrocessos sociais? Em nome de quem ou de quê? De um status quo que os rejeita com aversão e repulsa? Com asco? Por quê? A serviço de quem? Se a Câmara e o Senado pararem por mais uma semana, recusando-se a tocar a “agenda de reformas” que não é deles –e é contra a natureza deles– é provável que a cena mude. Ou não? É possível que se compreenda que só há saída na política. Ou não?

É necessário repactuar a política, construir uma agenda para o país legitimada no debate e nas urnas. Reformar a Previdência, as leis trabalhistas e qualquer outro ponto da Constituição antes de assegurar à nação que o direito ao voto e o respeito à vontade expressa por meio dele, nas urnas, é cláusula pétrea da sociedade significa pôr o carro adiante dos bois. Quem carrega as ideias, na política, é o detentor do mandato. Se ele não vale nada, como se depreende da audição das delações até aqui, como aceitar e legitimar as leis e as alterações de leis que venham a fazer no curso desse processo? Sempre há saída na política: antecipar eleições gerais, por exemplo.

Enquanto os protagonistas da cena brasiliense não conseguirem responder às perguntas aqui elencadas a paz não lhes invadirá os espíritos. Ao contrário, estarão condenados a ouvir o convite do pórtico da Capela dos Ossos de Évora –“nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”– e a sonhar que a voz que os agonia e perturba é a dos predecessores que ora expiam os pecados em Curitiba, em Bangu, na Papuda.

LUIS COSTA PINTO ” ( BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s