TEMER E O RISCO DA TRANSIÇÃO PARA O NADA

 

PoliciaisProtestam_CongressoNacional_PecPrevidencia-696x477

O episódio da tarde desta terça-feira (18), quando policiais quebraram os vidros da Chapelaria do Congresso numa tentativa de invasão do prédio, é mais um tapa da realidade na nossa cara. Os policiais de verdade cometeram crimes e foram contidos pela pseudopolícia Legislativa, que nada mais é que um grupo de segurança interna. Diriam os Titãs: “Polícia para quem precisa de polícia”…

Seguimos, assim, na mesma balada de falta de lógica institucional, de crise paralisante, que assola o país desde o primeiro dia do segundo governo Dilma Rousseff. Ao contrário do que pressupunha o vaticínio do senador Romero Jucá (PMDB-RR) na sua conversa com o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, o impeachment de Dilma não estancou a crise política. Não parou a Operação Lava-Jato. Não impediu que ela continuasse se ampliando e englobando novos líderes e partidos à lista de políticos investigados. Prossegue a esculhambação geral da Nação, ao ponto de a polícia ter de ser contida pela pseudopolícia neste novo capítulo do nosso espetáculo surrealista.

Impossível não lembrar dos momentos em que a agora ex-presidenta Dilma e seu então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tentavam aprovar no Congresso seu ajuste fiscal. Que tinha como uma das suas principais medidas justamente mudar a Previdência. Ou seja: vamos combinar que quem hoje está na oposição não tentou quando no governo nesse quesito caminho muito diferente.

Mas o que mais iguala as duas situações é a estupefação do governo atual diante da evolução da crise. Algo muito semelhante à estupefação que já se verificava com Dilma. E aí é preciso lembrar: PT e PMDB foram parceiros na construção do governo anterior. Difícil imaginar que um fosse capaz de escapar de algo que ajudou a formar com o outro. Ainda mais dentro da lógica do presidencialismo de coalizão que o Brasil adotou, especialmente a partir do governo Fernando Henrique Cardoso.

O que as investigações da Operação Lava-Jato e suas delações mostram são situações em que ora um dos partidos era protagonista no esquema ora outro. Ou situações em que os dois de alguma forma dividiam o protagonismo. Assim, depois que demoliu o PT, agora a investigação demole o PMDB. E outros, até fora do governo. Porque o que se verifica, como disse Emilio Odebrecht, é o desmoronamento de uma relação promíscua entre financiadores e financiados que vinha pelo menos desde a ditadura militar, ou antes.

Desmoronada essa situação, resta uma desconfiança generalizada nos partidos e nos seus políticos. Que torna os governos imensamente impopulares. E, impopulares, incapazes de ver aprovadas medidas igualmente impopulares. Que precisam passar por um Congresso igualmente perplexo, igualmente estupefato, igualmente enrolado, igualmente pressionado.

Assim, seguimos na balada do imobilismo que congela o país desde o início do governo Dilma. Refém dos mesmos problemas, Michel Temer não consegue escapar – pelo menos, não conseguiu ainda – de simplesmente conduzir uma transição para o nada…

RUDOLFO LAGO ” BLOG OS DIVERGENTES” ( BRASIL)

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s