EM TERRAS DE TIO SAM, DILMA AFIRMA ENXERGAR O TOPETE DE TRUMP NO FUTURO DO BRASIL

Dilma Rousseff, presidente afastada. Foto Orlando Brito

Em entrevista publicada hoje no jornal americano Washington Post, a ex-presidenta Dilma Rousseff diz enxergar no horizonte brasileiro o topete meio laranja meio dourado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Para Dilma, há por aqui ambiente semelhante que também pode levar à eleição de alguém com perfil parecido com o do ex-apresentador americano do reality show O Aprendiz.

“Há alguns poucos anos, eu diria que isso era impossível”, diz Dilma ao Washington Post. “Agora, eu posso dizer que é muito possível. De fato, é possível apontar alguns perfis parecidos com o de Trump”. E ela menciona ao jornal dos Estados Unidos o prefeito de São Paulo João Dória (PSDB) e o deputado de extrema-direita Jair Bolsonaro (PP-RJ). Na avaliação de Dilma, o Brasil também está passando pela mesma tendência de crescimento das posições de direita, conservadoras, que se observou nos Estados Unidos na troca de Barak Obama por Trump e que acontece também em boa parte da Europa.

A pesquisa do Ibope divulgada nesta quinta-feira (20) corrobora em muito a impressão passada por Dilma ao jornal americano que tem como lema “A Democracia morre na escuridão”. Se a pesquisa mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, como sendo hoje o político com maior potencial para vencer as eleições de 2018, ela mostra também que todos os nomes mais conhecidos do espectro político – aí, Lula, inclusive – têm hoje índices muito altos de rejeição.

Segundo a pesquisa, 47% dos entrevistados dizem que votariam em Lula “com certeza”. Mas 51% dizem que não votariam em Lula “de jeito nenhum”. A favor de Lula, é preciso dizer que houve melhora expressiva nesses índices com relação à rodada anterior, onde 31% disseram que votariam “com certeza” e 66% disseram que não votariam “de jeito nenhum”. Com relação aos demais candidatos conhecidos, quem vem em segundo é Marina Silva, da Rede (33% votariam nela “com certeza” e 50% não votariam “de jeito nenhum”). O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, do PSDB (31% “com certeza” e 54% “de jeito nenhum”). Depois, José Serra, do PSDB (25% “com certeza” e 58% “de jeito nenhum”). Aécio Neves, também do PSDB (22% “com certeza” e 62% “de jeito nenhum”). E Ciro Gomes (18% “com certeza” e 49% “de jeito nenhum”).

No caso dos potenciais candidatos a Trump, os percentuais de rejeição são menores. O que há com relação a eles é que a maioria dos entrevistados diz não conhecê-los, diz não ter elementos sobre eles para responder à questão. O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa aparece com 24% de entrevistados que dizem que votariam nele “com certeza”. E 32% que afirmam que não votariam “de jeito nenhum”. Mas 44% disseram não conhecê-lo o suficiente para responder. João Dória, segundo a pesquisa, receberia “com certeza” o voto de 18%, enquanto 38% não votariam nele “de jeito nenhum”. Mas é desconhecido de 48%. E Bolsonaro ganharia o voto certo de 17%, enquanto 42% não votariam nele “de jeito nenhum”. Mas 40% o desconhecem.

Apenas para registro, o índice dos que disseram desconhecer Lula foi de apenas 2%. O de Marina, 17%. Alckmin, 24%. Serra, 18%. Aécio, também 18%. Mesmo índice também de Ciro Gomes.

Ou seja: os candidatos a Trump ainda têm um caminho a percorrer para se tornarem conhecidos. Registre-se que nos casos de Joaquim Barbosa e João Dória, não há rodada anterior para comparar. No caso de Bolsonaro, aumentaram tanto seus índices de rejeição quanto de aprovação (na rodada anterior, 11% votariam “com certeza” e 34% “de jeito nenhum) e caiu seu grau de desconhecimento (era de 55%).

Há hoje um ambiente que leva a população a desconfiar dos políticos tradicionais de um modo geral. Daquela relação de potenciais candidatos mais conhecidos, Lula, Serra e Aécio habitam a lista do ministro do Supremo Edson Fachin e as delações premiadas da turma da Odebrecht e companhia limitada. Na Itália, depois da Operação Mãos Limpas, isso gerou a ascensão de um Trump: o empresário do setor de comunicações Silvio Berlusconi. Por aqui, Dilma avaliou ao jornal americano, talvez sigamos no mesmo caminho.

RUDOLFO LAGO ” BLOG OS DIVERGENTES” ( BRASIL)

MAIS DE SESSENTA POR CENTO DOS BRASILEIROS

VOTARIAM EM QUEM NUNCA FOI POLÍTICO

Para 62%, ‘honestidade’ é atributo principal

Acusados de receber propina são rejeitados

78% não querem votar em quem foi delatado

A onda antipolítica que tomou conta do Brasil nos últimos anos aparece em números na última pesquisa do DataPoder360 realizada nesta semana: 65% dos brasileiros dizem que votariam com certeza ou poderiam votar em quem “nunca foi político” na disputa para presidente em 2018.

tabela_politico-450x316

Este é o primeiro levantamento sobre a conjuntura política com abrangência nacional após a divulgação, na semana passada, dos vídeos de delações premiadas relacionadas à Odebrecht. Para ler a pesquisa do DataPoder360 na íntegra, clique aqui.

O estudo foi realizado nos dias 16 e 17 de abril. Foram entrevistados 2.058 brasileiros e brasileiras com 16 anos de idade ou mais, em 217 municípios. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Além de fazer a sondagem sobre a sucessão presidencial de 2018, o DataPoder360 indagou também aos entrevistados sobre o que vai influir no voto do ano que vem.

Apesar de faltar muito tempo para a disputa (em 7 outubro de 2018), já há 1 interesse além do usual a respeito de quem poderá comandar o país depois de Michel Temer. A pesquisa indica que 42% dos brasileiros já têm “muito interesse” pelas eleições e 27%, “pouco interesse”.

grau-de-interesse-nas-eleicoes-450x384

 

Para 62% dos eleitores, a principal qualidade para um candidato a presidente é a “honestidade”. O resultado supera a soma de todas as outras respostas. Apenas 4% acham que ter experiência é mais importante. O 2º predicado mais relevante, segundo a pesquisa DataPoder360 é o “compromisso” do político com as suas propostas e com o país.

quadro_pesquisa_1-450x483

O IMPACTO LAVA JATO

A operação Lava Jato, em curso há mais de 3 anos, está presente na vida cotidiana dos brasileiros. Segundo a pesquisa, 87% dos entrevistados responderam que tomaram conhecimento das delações premiadas relacionadas à empreiteira Odebrecht.

Embora o processo judicial possa demorar meses ou anos para muitos dos políticos citados, os brasileiros parecem (pelo menos neste momento) já ter feito 1 juízo de valor a respeito do episódio.

Para 78% dos entrevistados, quem foi acusado de receber propina já não merece mais o voto nas eleições de 2018 para governador ou presidente. Ou seja, o impacto das delações da Odebrecht praticamente inviabiliza quase uma geração inteira de políticos –se as eleições fossem hoje.

corrupcao_tabela-450x511.png

CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o site Poder360 lançou neste mês de abril de 2017 uma divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais serão periódicas. Temas de interesse político, econômico e social serão investigados. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

A aplicação da pesquisa é realizada pelo cientista político Rodolfo Costa Pinto, que tem uma parceria para fazer os levantamentos com exclusividade para o DataPoder360.

FERNANDO RODRIGUES E RODRIGO ZUQUIM ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)
__

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s