O GOVERNO SE DEDICOU AO CONGRESSO, ESQUECENDO A SOCIEDADE

1493413088_922705_1493421304_portada_normal

Pode-se ser favorável às reformas e, eventualmente, simpático ao governo, mas é necessário admitir o óbvio: nesta sexta-feira, o país parou. Por meio de sindicatos, os contrários às reformas acionaram os mecanismos que controlam e fizeram a paralisação que, de fato, teve feitio de Greve — que, se não foi Geral, tampouco foi localizada. Não há eufemismo possível: o país parou e mandou um recado claro: mudar o status quo não vai ser tão simples quanto o governo e o mercado querem crer.

A adesão dos trabalhadores dos meios de transporte coletivo viabiliza a greve; limita-se, no entanto, a greve a isto? Não. A paralisação do transporte é uma fundamental mão na roda: como percorrer as longas distâncias nas grandes cidades e chegar até o trabalho sem a condução? Mas, não foi apenas isso: professores, mesmo das escolas particulares, aderiram e já haviam antecipado a suspensão das aulas; em todo o país, bispos da Igreja Católica (CNBB) deram apoio; outras categorias também pararam.

Em várias cidades, a sexta-feira pareceu, então, um feriado chocho, vazios e sem festa. Em São Paulo, foi o início de um feriadão frio: casa, cobertor, TV e pipoca. Mas, também não foi só isso: em vários cantos do país — São Paulo, inclusive — os manifestantes se impuseram, a polícia reagiu: o pau comeu e a borracha cantou, revelando que não se fará reformas sem política ou sem conflito.

Verdade, não se saberá ao certo se as pessoas não foram ao trabalho exatamente porque aderiram ao protesto contra as reformas do governo ou simplesmente porque não tinham como ir. A opinião pública sobre as reformas seria mais bem percebida houvesse manifestações pelas ruas, daquelas que se contam pela quantidade de quarteirões da Av. Paulista, por exemplo.

Mas, de todo modo, pesquisas afiançam que ninguém tem muita simpatia pelas reformas. Quem, afinal, teria simpatia por quem propõe a extração de dentes? Em situações como esta, o máximo que se pode pretender é fazer compreender a inevitabilidade do processo.

Tanto faz se por desculpa, omissão ou adesão, o fato é que o país parou e em alguns lugares houve confronto com a polícia. O ambiente está mais quente: junte-se o descrédito resultante da Operação Lava Jato com um governo que tem o passivo do impeachment e reformas que ferem interesses e será muito difícil estabelecer harmonia. Parlamentares, desde sempre reticentes com as reformas, sabem que agora terão mais argumentos e desculpas: o medo da sociedade, a necessidade e abrandar as medidas. No mínimo, a negociação por parte do governo será muito mais custosa.

Naturalmente, o governo procura diminuir o impacto da paralisação; o discurso oficial, no entanto, não inova; é pura tergiversação. O presidente da República se esquiva; surge na tela da TV, no principal telejornal do país, apenas o ministro da Justiça: diz que a população manifestou seu apoio às reformas. Onde? Por nota oficial, Michel Temer afirma acreditar na força da unidade do país. Que unidade?

Na guerra das reformas, a comunicação parece batalha perdida: objetivamente, o governo não soube explicar sua necessidade. Menos ainda, convencer que o Congresso é — com todos seus problemas — o meio que se tem para conduzir o debate. Entre o descrédito político e a modificação do status quo de vários grupos de interesses não consegue esclarecer qual, afinal, é o “interesse geral”.

Fruto do Parlamento — de seus vícios e suas taras —, o governo olha, exclusivamente, para o Congresso. E se dedica aos mais que manjados mecanismos de “convencimento parlamentar”: a cooptação e o fisiologismo. Não bastam. Esquece-se da sociedade ou, antes, limita a sociedade aos ciclos, fóruns e reuniões empresariais. Acredita fazer sucesso, sem saber que, na verdade, prega a convertidos. Política de massas é ação mais ampla e complexa; requer comunicação, convencimento, atração de lideranças. O amassar barro, criar consensos; minimizar inimigos, jamais fortalece-los.

As manifestações desta sexta-feira, é evidente, não encerram o jogo, nem inviabilizam de vez as reformas; as desidratam, porém, talvez ainda um pouco mais. O processo será mesmo incremental, continuará no próximo e próximos governos — em qualquer canto do mundo é assim, porque seria diferente no Brasil?

A greve alerta para a necessidade de colocar o processo no campo do esclarecimento, do didatismo, da pedagogia política. Revelar os motivos das reformas, sua necessidade diante da transformação do mundo e da transformação demográfica do Brasil; os interesses feridos e direitos afetados, a inevitabilidade de extrair alguns dentes, em nome da saúde da boca e do corpo.

Não se trata de fazer propaganda na TV, que escapa no zapear alucinante dos controles remotos ou se perde na vertiginosa sucessão de imagens, ao longo da programação. Antes, reformar requer comunicação, coragem, disposição e liderança — virtudes da política definidas, pelo menos, desde Aristóteles. Talvez o país não disponha disto, neste momento — e, quem sabe, nem tão cedo.

CARLOS MELO ” BLOG DO CARLOS MELO” ( BRASIL)

Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s