A RETALIAÇÃO RETÓRICA DE TEMER AOS INFIÉIS DEMONSTRA SUA MEDIOCRIDADE

images-cms-image-000528060

 

Demissões pontuais podem ter sido para ‘dar exemplo’

Média de servidores demitidos ficou estável na semana

No começo da semana passada (de 1º.mai.2017 a 5.mai.2017) o Palácio do Planalto disse que puniria deputados de partidos governistas que o “traíram” na votação da reforma trabalhista, aprovada em 26 de abr de 2017 pela Câmara.

Uma análise do Diário Oficial da União feita pelo Poder360 mostra que a leva de demissões prometida por Michel Temer pode ter ficado abaixo do que foi comentado por assessores palacianos e divulgado na imprensa.

É que o número de demissões (o termo técnico é “exonerações”) no Poder Executivo permaneceu praticamente estável na semana da “tesourada”, em relação à semana anterior (24.abr.2017 a 28.abr.2017).

O governo pode ter decidido restringir as exonerações aos casos considerados irrecuperáveis: deputados que já não votariam à favor da reforma previdenciária de jeito nenhum.

tabela_exoneracoes

 

Na semana passada, foram exonerados de seus cargos e funções 232 servidores do Executivo federal, ou 58 por dia. Na semana que a antecedeu, a última de abril, foram 285: 57 por dia.

Alguns meios de comunicação mencionaram até 30 exonerados na vendetta palaciana contra os deputados infiéis, baseados em fontes no Planalto. Se fosse este o caso, teria se refletido nos números acima.

A “tesourada” seria uma forma de pressionar os deputados e garantir os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência no plenário da Câmara.

Há ainda outro fato a reforçar a possibilidade de não ter havido expurgo generalizado. Alguns casos tratados como retaliação tiveram causas diversas, que não a suposta vendetta.

A reportagem foi informada de pelo menos 2 deles: na CGU, dia 3 de maio (aposentou-se voluntariamente, após atingir o tempo de contribuição) e no Ministério da Justiça, em 2 de maio (uma pessoa da área de política de drogas foi demitida para dar lugar a outra, mais próxima ideologicamente do ministro da pasta).

“PARA DAR EXEMPLO”

Um deputado que perde cargos dificilmente voltará para o lado do governo. Eis o que disse 1 dos punidos, Ronaldo Fonseca (Pros-DF): “Fiz a opção de ser fiel aos trabalhadores. Se isso significa ser infiel ao presidente Temer, paciência”.

Faz sentido, como se observa, restringir o número de deputados efetivamente castigados. A punição pode ter sido reservada àqueles considerados irrecuperáveis para a votação da reforma da Previdência, de forma a não provocar mais danos.

A imprensa noticiou pelo menos 3 casos de punições diretamente relacionadas à votação da reforma trabalhista, indicando inclusive qual deputado apadrinhava o demitido. Além de Fonseca, teriam sido punidos os deputados Deley (PTB-RJ) e Expedito Neto (PSD-RO).

Dos 385 deputados pertencentes a partidos governistas, 72 votaram contra o Planalto na reforma trabalhista, como mostram as tabelas abaixo:

sintese_reformatrabalhista_26abr-1024x408

26abrtabela_partido_reformatrabalhista-1024x963

COMO É O RITO

Demissões de servidores públicos, sejam eles indicados por políticos (no jargão, fala-se em “comissionados”) ou concursados, precisam ser publicadas no Diário Oficial para terem validade legal.

A maioria das demissões listadas pelo levantamento do Poder360 é de servidores concursados e longe de funções de chefia. São pessoas que dificilmente devem seus postos a indicações políticas.

ANDRÉ SHALDERS E PALOMA RODRIGUES ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)
André Shalders
Jornalista formado pela Universidade de Brasília. Atuou na cobertura política do “Correio Braziliense” de 2013 a 2015. Interessado em política, corrupção e qualquer assunto com uma boa história.

Paloma Rodrigues
Jornalista formada pela Universidade de São Paulo (USP). Já colaborou com Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e CartaCapital.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s