OS INDICADORES ECONÔMICOS DEPOIS DE UM ANO DE GOVERNO TEMER

 Brazil's President Michel Temer reacts during launch ceremony of the "New School" (Novo Ensino Medio) at the Presidential Palace in Brasilia, Brazil

Governo Central continuou tendo deficits

Dívida federal chegou a R$ 3,23 trilhões

Inflação e juros caíram com peemedebista

Nessa altura do ano passado, Dilma Rousseff vivia suas últimas horas como presidente da República. A vulnerabilidade política da petista estava fortemente atrelada a sua baixa popularidade, em grande parte causada pela crise econômica. Em 12 de maio, o Senado abriu o processo de impeachment, e Dilma deixou o Palácio do Planalto.

Assumiu, interina e depois definitivamente, o peemedebista Michel Temer, até então vice-presidente. O novo governante prometia organizar as contas públicas, em contraste com as acusações de administração inconsequente sofridas pela antecessora –a baliza legal para a deposição de Dilma Rousseff havia sido a Lei de Responsabilidade Fiscal. Essas medidas, aliadas a reformas, fariam o país voltar a crescer, de acordo com o novo governo e seus apoiadores.

À véspera do aniversário de 1 ano da chegada de Temer ao comando do Planalto, o Poder360 traz 1 levantamento comparativo de indicadores econômicos das duas gestões.

O gráfico dos resultados primários do Governo Central mostra apenas 3 meses de Michel Temer melhores que os de Dilma Rousseff. Resultado primário é o saldo calculado sem contar os juros, e Governo Central é o conjunto de Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central.

resultados_governo_central

 

Em dezembro de 2016, na gestão Temer, o Governo Central teve deficit de R$ 60,1 bilhões de reais. Em 2015, ainda nos anos Dilma, o número havia sido ligeiramente pior: R$ 60,6 bilhões negativos. Em janeiro de 2017, houve superávit de R$ 19 bilhões. No mesmo mês do ano anterior, no governo da petista, o número havia sido R$ 14,8 bilhões.

A maior diferença foi, disparada, a de outubro de 2016. Enquanto no mesmo mês do ano anterior, com Dilma no Planalto, o Governo Central havia tido deficit primário de R$ 12,1 bilhões, o 1º outubro com Temer no poder foi de superavit de R$ 40,8 bilhões. Naquele mês, R$ 45,1 bilhões haviam entrado nos cofres públicos por causa do 1º programa de repatriação de recursos enviados ilegalmente para o exterior.

OUTROS INDICADORES

No dia 10 de maio de 2016, o risco-país estava em 387 pontos. Esse indicador mede o risco que corre 1 investidor estrangeiro ao colocar seu dinheiro em determinado país. Em 10 de maio deste ano, praticamente 12 meses após a subida de Michel Temer ao poder, eram 257 pontos.

Em abril de 2017, a inflação acumulada dos 12 meses anteriores fechou em 4,08%. Bem menor que os 9,28% registados no mesmo período do ano anterior, último mês antes da troca dos mandatários. O arrefecimento da inflação favoreceu o corte dos juros pelo Banco Central: a Selic estava em 14,25% ao ano em abril de 2016, e passou a 11,25% 12 meses mais tarde.

Uma das explicações para a desaceleração no aumento dos preços é o desemprego, que faz diminuir o ritmo de consumo. Ao final do 1º trimestre deste ano, sob o comando de Temer, a taxa de desocupação era de 13,7%. O número é 2,8 pontos percentuais maior que os 10,9% registrados no final da era Dilma.

Por outro lado, a diminuição absoluta no número de postos de trabalho com carteira assinada em março, dado mais recente do Ministério do Trabalho, foi menor sob Temer do que no fim da era petista. No mês, em 2017, foram fechadas cerca de 63,62 mil vagas. No mesmo período do ano anterior, foram 118,78 mil postos de trabalho a menos.

Sob Temer, a dívida pública federal continuou crescendo. Em março, cerca de 1 mês e meio antes do atual presidente assumir, o débito era de R$ 2,88 trilhões. No mesmo período do ano seguinte, a cifra era negativa em R$ 3,23 trilhões.

O quadro abaixo tem esses indicadores e outros reunidos pelo Poder360. Em cada comparação, foi pintado de azul o melhor resultado e de vermelho o pior. Como trata-se de uma comparação, haverá números negativos pintados de azul –como a queda nas vendas do comércio em fevereiro de 2017– e positivos pintados de vermelho –como a balança comercial do 1º quadrimestre de 2016.

tabela_indicadores_3

 

 PUBLICADO PELO “BLOG PODER 360″( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s