OS DESFECHOS POSSÍVEIS PARA O PAÍS E SUAS FIGURAS PÚBLICAS DEPOIS DO FRIBOIGATE

FOTOMichelTemer-bySergioLima-5jun2017

FOTO: SÉRGIO LIMA

Cenário inclui acelerar reformas no Congresso

Oposição conta com denúncia de Rodrigo Janot

O Palácio do Planalto colocou para trabalhar todos os seus spin doctors nos últimos dias. Vale tudo. Ocupam-se todos os espaços disponíveis. Nesta 2ª feira (5.jun), o ministro Moreira Franco (Secretaria Geral) postou no Twitter que estava gravando 1 programa para a Rede TV!, cujo horário de exibição é meia-noite.

Com essa Blitzkreig governista, o Planalto quer transformar em fato consumado algo que por enquanto está no campo das probabilidades. O discurso geral é “se o presidente Michel Temer vencer no TSE, acaba a crise”. O Poder360 ouviu essa interpretação diversas vezes nos últimos dias.

No caso, “vencer no TSE” significa a absolvição do presidente no julgamento da chapa Dilma-Temer, cujo início está marcado para esta 3ª feira (6.jun.2017).

Para registro, o Poder360 descreve a seguir o que é o “cenário dos sonhos” do Planalto:

TSE – Michel Temer se livra do processo no julgamento que começa em 6 de junho.

reformas – a trabalhista é aprovada no Senado até o início de julho. A da Previdência é retomada na Câmara também no mesmo prazo.

Rodrigo Rocha Loures – o ex-deputado está orientado pelo pai (integrante do Conselhão de Michel Temer). Não falará nada constrangedor sobre o presidente nos próximos dias e semanas.

denúncia de Rodrigo Janot – o Planalto acha que o STF vai demorar 1 pouco analisando a peça antes de enviá-la à Câmara. Quando chegar ao Legislativo, também haverá 1 processo burocrático que pode durar 1 ou 2 meses até a Comissão de Constituição e Justiça deliberar. Nesse tempo, o Planalto acha que terá recuperado tração para aprovar reformas e impedir que 2/3 da Câmara concordem com a abertura do processo.

Lava Jato – Michel Temer repete sempre que nada vai aparecer contra ele nas investigações em curso.

OPOSIÇÃO VÊ DESFECHO DIFERENTE

Para os partidos anti-Planalto, o que vai se passar é o seguinte:

TSE – chance real de Temer se salvar (aí todos concordam que haverá a absolvição, desqualificação do processo ou, no mínimo, 1 pedido de vista atrasando o julgamento).

reformas – embora alguma coisa possa passar em comissões, nada será aprovado em plenário. Nesta 3ª feira (6.jun.2017), aliás, a oposição está se armando para tentar embananar a aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos. Não é fácil (o Planalto tem maioria), mas não é impossível.

Rodrigo Rocha Loures – o mínimo que o ex-deputado do PMDB pelo Paraná falar já será comprometedor para o presidente da República. Se delatar, inviabiliza Michel Temer no Planalto. Há informações sólidas dando conta de que o político paranaense pensa em revisar sua estratégia. Em princípio, a ideia era não fazer delação e dizer que o crime nunca foi consumado (não houve decisão do Cade favorável à JBS e os R$ 500 mil foram devolvidos). Nesse cenário, a expectativa era de uma pena somente de prisão domiciliar. Mas, agora, está claro que o Ministério Público jogará duro. Colocará na denúncia vários crimes. Sem 1 acordo para confessar o que sabe, o ex-deputado deve passar alguns anos preso em regime fechado.

denúncia de Rodrigo Janot – o processo pode se arrastar por 1 ou 2 meses até ser analisado pelo plenário da Câmara. Mas o tempo é inimigo do Planalto. A economia seguirá estagnada. A rejeição ao governo não vai ceder. Na hora da votação, será difícil encontrar 172 deputados dispostos a dizer, em rede nacional: “Pela minha família, pelo Brasil, voto a favor do presidente Michel Temer”.

Lava Jato – a investigação sobre o FriboiGate ainda tem muita munição desconhecida. A possibilidade de Michel Temer ser implicado por vários dos citados é real. Neste momento, as atenções estão voltadas para o coronel aposentado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, amigo de Temer –e que teve material apreendido comprometendo o presidente.

UMA ANÁLISE DO PODER360

O Palácio do Planalto mostra resiliência. Hoje (5.jun.2017), completam-se 20 dias desde a divulgação da conversa gravada entre Joesley Batista e Michel Temer. Mas está em curso 1 processo de desequilíbrio termodinâmico. As microvitórias do governo derretem por causa do calor da crise.

A narrativa positiva não tem aderência em todas as camadas da sociedade. Por enquanto, o establishment parece convencido de que o melhor seria consertar a pinguela que o governo Temer representa. Mas não parece ser esse o desejo dos políticos do médio e do baixo clero, cujas chances de vitória eleitoral em 2018 são diretamente proporcional à distância do atual presidente da República e tudo o que ele representa.

Na economia, o PIB cresceu 1% de janeiro a março. Mas reformas estão em risco no Congresso. A chance de haver 1 “double dip” na recessão é real.

Michel Temer nomeou 1 novo ministro da Justiça para “dar 1 jeito na PF”. Ato contínuo, Rodrigo Rocha Loures foi preso. Em seguida, detalhes da investigação vazaram para a mídia, minando as energias do presidente.

É claro que existe a ofensiva do Planalto contra parte do Judiciário e do Ministério Público. O ministro Edson Fachin (STF) está na berlinda. Mas se existe 1 organismo com espírito de corpo no Brasil esse organismo é o Supremo Tribunal Federal.

O cenário está totalmente desordenado. O grau de entropia que resultará dessa condição de desequilíbrio ainda é incerto. A chamada “base de apoio ao Planalto” às vezes se assemelha a uma pedra de gelo retirada da geladeira e exposta ao calor da Lava Jato e do FriboiGate. Siglas pequenas já começam a pular fora do barco. O PSDB finge que está tudo bem, mas nos bastidores tem 31 de seus 46 deputados pensando em abandonar Michel Temer.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso oscila entre apoiar e abandonar o governo. No domingo (4.jun.2017), escreveu artigo para jornais. Tucano mais do que nunca, o texto termina assim (com viés pessimista): “E se as bases institucionais e morais da pinguela ruírem? Então caberá dizer: até aqui cheguei. Daqui não passo. Torçamos para que não sejamos obrigados a tal. Se o formos, e o tempo corre, assumamos nossas responsabilidades históricas com clareza diante do povo e das instituições”.

Tudo considerado, é nítido que o governo continua muito frágil. O viés ainda é negativo para a recuperação da governabilidade como Michel Temer desejaria. O presidente pode sobreviver –é possível, para começar, que vença a parada no TSE. Mas os obstáculos à frente são grandes. O mais provável é que siga desidratando nas próximas semanas.

A eventual vitória na Justiça Eleitoral nesta semana (uma possibilidade) será apenas uma miragem de tranquilidade. A guerra definitiva será com a apresentação da denúncia de Rodrigo Janot. E, sobretudo, se o movimento pela troca de governo realmente ganhar apelo popular.

O QUE PESA CONTRA E A FAVOR DE TEMER

A seguir, 1 infográfico do Poder360 com os fatos que jogam a favor e contra a permanência do presidente da República na cadeira:

 

infografico_Temer_5.mai_

FERNANDO RODRIGUES ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Fernando Rodrigues é o criador do Poder360. Repórter, cobriu todas as eleições presidenciais diretas pós-democratização. Acha que o bom jornalismo é essencial e não morre nunca.

f

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s