SERÁ QUE O BRASIL TEM JEITO ?

1496664244_392148_1496666375_noticia_normal_recorte1

A esperança, nesta hora de noite escura, poderá vir não dos políticos, mas do impulso de vida de cada um

Volto da Itália depois de duas semanas, de onde acompanhei a subida da maré política no Brasil. De longe, a crise que se avulta a cada dia parece mais brutal. O Brasil continua sendo visto, da Europa, como um país feliz, belo e alegre. E quando se comenta sobre a corrupção política, dizem que se trata de uma epidemia mundial.

Depois de aterrissar no Brasil, ao perguntar a meus amigos como estão as coisas, todos me repetem o mesmo mantra: que este país não tem conserto. Será verdade? O certo é que a política se apresenta a cada hora mais sem saída.

Em poucos dias tudo parece se precipitar no abismo. O presidente Temer se afunda a cada hora que passa e com ele seu governo e a esperança de uma melhora na economia que agonizava quando chegou ao poder. A ex-presidenta Dilma, que Temer substituiu depois que ela perdeu seu mandato devido a um polêmico impeachment, volta a ser objeto de investigação do TSE, que pode anular as eleições que lhe deram a vitória em 2014 e fazê-lo assim perder seus direitos políticos.

E se ainda fosse pouco, os procuradores de Curitiba pedem para seu antecessor, o mítico e popular presidente Lula, pena de prisão por corrupção. Três presidências da República desacreditadas, em alguns anos, parecem um desafio capaz de destruir todas as esperanças na política até nas democracias mais sólidas.

Resistirá o Brasil a esse terremoto político, ao qual, ao mesmo tempo, os analistas mais ponderados não veem saída, já que o vírus da corrupção parece ter infectado toda a classe política, com poucas exceções? Como no relato bíblico de Sodoma e Gomora, hoje parece impossível encontrar um só justo na cidade política brasileira.

Tudo perdido então? Me fazia esta pergunta voltando de Veneza, a milagrosa cidade que, segundo todos os especialistas, deveria estar já sepultada sob suas águas há séculos. Tudo nessa cidade de arte, única no mundo, onde a ausência de carros nos permite ouvir os passos das pessoas na rua, é precário, difícil, às vezes parece uma cidade impossível. E no entanto aí está, a cada dia mais cobiçada pelos turistas do mundo. Continua em pé, desafiando todos os pessimismos que continuam proclamando sua morte anunciada.

Veneza sempre foi vista como símbolo e desafio de um país como a Itália que, apesar de seus terremotos políticos, incluído o do escândalo da Mani Pulite, equivalente à Lava Jato brasileira, soube emergir graças sobretudo à pujança de uma sociedade empreendedora, rica em criatividade, que segue seu caminho e é capaz de promover novos renascimentos ainda em meio à mediocridade e, às vezes, sujeira de sua política.

Com esses pensamentos rondando minha chegada ao Brasil, país para o qual se diz que não há conserto, leio no jornal O Globo o artigo do psicanalista Paulo Sternick, intitulado Só um milagre salva o país. Citando a escritora e pensadora Hannah Arendt, o autor recorda que a emergência do novo, ainda em meio às crises políticas mais sombrias, se dá da forma mais inesperada e inexplicável para o raciocínio.

A isso Sternick chama de milagre possível, que não precisa ser religioso, mas que nasce da vontade da sociedade de querer resgatar a dignidade na política, já que a vida é sempre uma pulsão que reage diante do inimigo.

A esperança, também para o Brasil, nesta hora de noite escura, poderá vir não de seus políticos, que representam um mundo apagado e sem esperança, mas desse impulso de vida de cada um de nós que, como recordava Freud, acaba sendo mais forte que a morte.

Os políticos passam – inclusive os presidentes, maiores responsáveis pela vida pública –, e os brasileiros, como são vistos lá fora, serão capazes de alcançar esse milagre de saber fazer renascer, diante das adversidades, como está começando a fazer até em seu velho e eterno amor, o futebol.

Não deixa de ser significativo que o vergonhoso 7 a 1 da Copa do Mundo, de repente esteja se transformando em esperança de hexacampeonato, um milagre possível para um treinador como Tite, que chegou de surpresa, com sua alma simples, sem falatórios vazios nem fanfarronices, trabalhando com vontade, convencido de que o Brasil pode ser melhor. Alguém que acredita que sempre é possível se levantar e que o impensável, e hoje impossível, pode amanhã ser uma realidade.

 

JUAN ARIAS ” EL PAÌS” ( ESPANHA / BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s