OS FATOS POLÍTICOS QUE VÃO PRODUZIR FORTES EMOÇÕES NO FUTURO PRÓXIMO

temer4_31mai.jpg

Se a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer fosse votada nesta 2ª feira (12.jun.2017) pelo plenário da Câmara, a vitória do Planalto seria líquida e certa.

Qual é o problema para o governo? A votação não é hoje. Pior. Ninguém sabe ao certo quando pode ser.

O Poder360 fez 1 cronograma possível das fases futuras da crise. É só 1 indicativo, pois há fatores intangíveis que podem alterar o andamento do processo.

Mas mesmo com toda a imprevisibilidade do atual cenário, é improvável que a eventual denúncia de Janot contra Temer seja votada pelo plenário da Câmara antes da última semana de agosto –daqui a 2 meses e meio, portanto.

Daqui a 60 dias, a conjuntura pode ser completamente diferente. Michel Temer sobreviverá se continuar a existir a percepção de que ele comanda o governo e continua a impulsionar no Congresso sua agenda de reformas. O oposto também é verdadeiro: se perder governabilidade, o presidente terá poucas chances de resistir à votação da denúncia na Câmara.

Eis 1 resumo (apenas provável, mas não seguro) do que vem por aí:

denuncia-Janot-12jun2017

 

Por razões óbvias, interessaria ao presidente da República que a Câmara pudesse votar imediatamente a denúncia de Rodrigo Janot. No vácuo da vitória no TSE da semana passada, seria relativamente fácil impedir a aprovação do pedido de abertura do processo.

Os spin doctors do governo foram eficazes no fim de semana. Plantaram na mídia que vão perseguir a estratégia de acelerar o processo para aproveitar a boa maré. Ocorre que esse cenário é inexequível. A Polícia Federal pediu mais prazo para finalizar o inquérito em curso a respeito do envolvimento do presidente da República em possíveis crimes de corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa (formação de quadrilha).

Rodrigo Janot deve apresentar sua primeira denúncia (outras podem surgir) só na semana que vem, a partir de 19 de junho. O roteiro que vai se seguir será longo e incerto.

Para quem deseja tentar antever o que vai acontecer é necessário observar alguns indicadores:

perícia do áudio – em uma semana (no máximo) deve sair o laudo técnico sobre a conversa entre Joesley Batista e Michel Temer. A Polícia Federal pode desqualificar parte do arquivo digital. Se isso ocorrer, será uma grande vitória do Planalto e uma demonstração de que o novo ministro da Justiça, Torquato Jardim, está dando novas diretrizes à PF.

reforma trabalhista no Senado – o cronograma indica votação em plenário na 1ª quinzena de julho.

reforma da Previdência na Câmara – a ideia do Planalto é tentar votar em plenário durante o mês de julho.

PSDB – partido deve manter sua aliança formal com Michel Temer. As votações no Congresso serão a métrica mais confiável desse apoio.

Lava Jato – há 1 punhado de acusados que podem optar por delação premiada. Puxam a fila Rodrigo Rocha Loures e Lúcio Bolonha Funaro.

economia – indicadores preliminares mostram a possibilidade de uma recaída e mais recessão à frente.

popularidade presidencial – continua baixíssima. Na Bahia, Temer é rejeitado por 77,5%, segundo pesquisa que acaba de ser divulgada.
articulação para haver 1 sucessor – já existem muitas conversas, mas nada ainda é orgânico e sustentável. O ministro Gilmar Mendes (STF) e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) despontam como os nomes mais bem posicionados.

FATOR PRINCIPAL: APOIO DO ESTABLISHMENT

Corre em paralelo a todos esses fatores listados acima 1 item principal: o apoio (ou não) que o presidente da República terá dos empresários de setores relevantes como indústria e finanças.

Michel Temer nunca foi visto como o presidente dos sonhos do establishment. O apoio que teve não foi para si, mas para sua agenda de reformas.

Neste momento, os empresários ainda acreditam que a relação “custo-benefício” de trocar Michel Temer é desfavorável. Haveria 1 desarranjo grande na Esplanada dos Ministérios. O atraso ainda maior nas votações no Congresso seria inevitável.

Por enquanto, apesar do alto risco de disrupção mais adiante, há uma crença forte no establishment de que se “é ruim com Michel Temer, seria ainda pior sem ele”.

Esse sentimento é difuso, mas real. Se vai durar, não se sabe. Por enquanto, é essa tênue percepção da realidade que sustenta o presidente da República na cadeira.
teriais iconográficos publicados no espaço “análise” não refletem necessariamente o pensamento do Poder360, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

FERNANDO RODRIGUES ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s