A HORA E A VEZ DE UM POLÍTICO QUE NUNCA TEVE UM PROJETO NACIONAL PARA O PAÍS

 

images-cms-image-000539283

STF deve respeitar Legislativo para decretar prisão

O FIM QUE UM MAU POLÍTICO MERECE

Dedicar-me-ei ao caso Aécio Neves neste artigo, posto que dali sairá um desfecho parcial esta semana, e deixarei de lado por algum tempo Michel Temer. Afinal, a crise do Executivo viajará até Rússia e Noruega, e quando voltar estará maior e melhor nutrida.

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal julgará amanhã (20.jun.2017) o pedido de prisão do senador mineiro, presidente licenciado do PSDB. No prontuário policial em que se converteu o esboço de biografia política do neto de Tancredo Neves há inumeráveis e extensas razões para prendê-lo por longos anos e exigir dele reparações pecuniárias aos tantos desvios que causou ou liderou –mas após um julgamento justo, assegurado o direito de ampla defesa.

Não há nenhuma razão expressa, nem urgente, para que 5 ministros da Corte mais alta do Judiciário brasileiro atropele o Poder Legislativo, desconheça as prerrogativas do mandato de Aécio e decrete a prisão ao arrepio de uma decisão colegiada do Senado Federal. Ao dizer isso não defendo o presidente licenciado do PSDB, longe disso. Apelo, isso sim, para que a Justiça se distancie de justiçamentos.

Fosse julgado por sua trajetória política, Aécio Neves não merecia tamanha condescendência de alguém como eu –que ouso pedir o respeito estrito aos ritos processuais até o advento da condenação dele, que obviamente deve ser proporcional ao tamanho dos males causados.

Desnecessário lembrar que o senador mineiro sempre esteve na gênese da crise política que paralisa o Brasil há quase 3 anos –desde o dia seguinte à vitória de Dilma Rousseff no 2º turno de 2014.

Ele tinha mais que a expectativa da vitória. Teve, por algumas horas, a certeza dela. Decepcionado com o veredito das urnas, lançou-se a uma cruzada de inviabilização legislativa do 4º mandato do PT na Presidência da República. Para isso aliou-se ao presidiário Eduardo Cunha e à camarilha que cercou Michel Temer na tomada do Palácio do Planalto.

No dia da deposição de Dilma, quando ela deixou o Palácio, era Aécio quem ombreava Temer na nomeação dos ministros. Aplaudia nome a nome. Parecia se sentir co-autor daquele ato que em tudo soava farsesco.

Deputado de atuação medíocre, o neto de Tancredo Neves entrou para a política no dia seguinte ao enterro do avô. Recebeu de José Sarney uma sinecura: uma diretoria da Caixa Econômica Federal. Tinha 22 anos, ainda não havia colado grau na faculdade e mal aprendera a dimensão política das missões que o hábil Tancredo lhe havia confiado.

Conquistou o 1º mandato em 1986, embalado pela memória do homem que costurara o fim da ditadura militar fazendo um fino bordado de articulações e reunindo na mesma tela dissidentes do PDS e da ala militar, moderados e autênticos do PMDB e até alguns petistas desgarrados.

Se Tancredo Neves fazia política com o cérebro e com a alma, olhando para a frente, tratando de debater os problemas do país dali de onde estavam e mirando 10 anos à frente, o neto Aécio não se revelou herdeiro de nada daquele espólio político invejável.

Raso, intelectualmente desonesto e politicamente traiçoeiro, Aécio Neves traiu o próprio partido em 2002 e em 2006 elegendo-se em Minas Gerais e levando respectivamente José Serra e Geraldo Alckmin a colherem nas urnas mineiras duras derrotas eleitorais que pesaram sobremaneira a favor de Lula, do PT, nas duas vezes em que se elegeu presidente.

Em 2010, Aécio novamente fez corpo mole em Minas, e Dilma venceu José Serra no Estado, resultado decisivo para os contornos finais daquele pleito. Em 2014, a vingança do destino: Dilma o superou em seu próprio quintal eleitoral, sacramentando ali a destruição do ex-governador e senador por Minas Gerais, que ora se confirma.

Presidente nacional do maior partido de oposição ao PT, sigla que venceu legitimamente 4 eleições presidenciais e o fez depois de construir um projeto nacional ainda na oposição aos governos Sarney, Collor e Fernando Henrique Cardoso, o senador Aécio Neves jamais conseguiu compreender a dimensão que a liderança da oposição ao petismo lhe conferia.

Nunca se ouviu dele uma proposta nacional de poder, ou uma alternativa de redução das desigualdades regionais, ou ainda um projeto original de mecanismo de redistribuição de renda que se contrapusesse aos bem sucedidos programas de renda mínima e benefícios sociais implantados sobretudo por Lula.

Aécio, na oposição, alimentou-se da soberba da expectativa de poder e nutriu-se da disseminação do ódio. Apostou alto na divisão do país. De um lado havia, para ele, a “esquerda”, os “bolivarianos”, os “esquerdopatas” e os “lulopetistas”, como se referia àqueles que estavam do outro lado e aos que ousavam divergir de sua forma obtusa de enxergar o mundo.

Do outro lado era o “nós”, o “centro”, os “certos”, os “liberais”, a “resistência” para ele “sempre certa”. A partir daí, negou-se a fazer qualquer inflexão do centro à esquerda. Mas promoveu cornucópias com a direita escroque, do Bolsonaro, com os desmiolados de movimentos como MBL e VemPraRua e com legiões de corruptos e de corruptores.

Escapando do veredito de prisão imediata que o STF não lhe deve conceder amanhã, o maior castigo que Aécio Neves receberá será a resignação a assistir dentro do próprio corpo ao definhamento e aniquilamento de sua carreira política e ao enterro da trajetória dos Neves tão cuidadosamente honrada pelo avô.

Ao Senado não cabe outra coisa que não seja cassá-lo –e terá de fazê-lo com celeridade maior do que o calendário do Conselho de Ética pretende. Sem mandato, será julgado em 1ª instância e poderá escapar de uma ou outra imputação, mas não escapará de todas. Certamente cumprirá alguns anos de pena na cadeia. Esfacelou a família, núcleo que hoje se ressente da irmã Andréa e do primo Federico, presos.

Não se deve desejar vingança a Aécio Neves, apenas a imposição da Justiça. Ela virá. Crer que o Supremo possa antecipar uma condenação é coonestar o justiçamento –e a maturidade institucional do Brasil não merece isso. Aécio merece fechar os olhos e refletir sobre todo o mal que causou a si, aos seus e aos adversários que sempre enxergou com a pequenez dos inimigos e jamais com a altivez dos rivais.

LUIS COTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s