AS DOAÇÕES PREMIADAS DA GESTÃO JOÃO DÓRIA

angora-1497750590

 

Em maio, o prefeito paulistano foi às redes sociais anunciar mais uma iniciativa que teria poupado dinheiro dos cofres públicos:

Capturar-1497748656

Parecia mais uma ação de gênio que contrariava a máxima capitalista de que “não existe almoço grátis”. Porém, ah porém, o caso é diferente. A rádio CBN, do Grupo Globo, publicou, no Dia dos Namorados, um namorico proibido entre a Ambev e a gestão Doria em São Paulo. Segundo a reportagem, Julio Semeghini (secretário de Governo), André Sturm (secretário de Cultura) e Bruno Covas (vice-prefeito) participaram de um esquema para favorecer a Ambev em uma licitação milionária de patrocínio do carnaval paulistano.

A denúncia está baseada em documentos e um áudio de uma reunião em que os envolvidos combinam a fraude. A prefeitura negou por meio de nota as irregularidades e o assunto morreu no dia seguinte. Todos os grandes veículos parecem ter aceitado o desmentido da prefeitura, e o que era para ser o escândalo da semana caiu no buraco negro do noticiário.

Parece que a suspeita de que a prefeitura mais rica do país direcionou uma licitação para favorecer uma das maiores financiadoras de campanhas eleitorais – e uma das maiores anunciantes de propaganda – não é um assunto de interesse público. A próxima segunda-feira será o dia da missa de sétimo dia de uma notícia natimorta.

Esse não escândalo vem na esteira de um outro que também desapareceu da mídia como um ator que vai fazer novela na TV Record. A CBN, que estranhamente vem fazendo uma cobertura bastante crítica à gestão Doria, revelou a monumental falácia que são as doações de remédios que o prefeito adora cantar aos quatro cantos.

Desde fevereiro, doze fabricantes doaram R$ 35 milhões em medicamentos. Mas não foi uma doação qualquer. Foi uma doação premiada! Graças a um acordo entre Doria e Alckmin, as empresas doadoras foram agraciadas com isenção de ICMS durante três meses e deixaram de pagar R$ 66 milhões. Ou seja, as empresas doaram R$ 35 milhões, e o povo de São Paulo retribuiu a generosidade com R$66 milhões.

Só nesse episódio, a nova ferramenta de gestão implantada por Doria criou um rombo de R$ 31 milhões nos cofres públicos. Pensa que o feirão de ofertas municipal acabou? Claro que não! Os medicamentos doados estavam perto do fim da validade e não poderiam mais ser vendidos para farmácias e hospitais privados.

“A reportagem da CBN percorreu UBSs em todas as regiões da cidade e encontrou medicamentos de uso contínuo com prazo de validade em cima, principalmente os controlados. O Clonazepam, para pacientes que sofrem de epilepsia, estava sendo distribuído a dois meses do vencimento. Já o Omeoprazol, para o estômago, a Amtriptilina, antidepressivo, e a Espironolactona, que trata a hipertensão, além do antifúngico Fluconazol, vencem em julho. E tem até mesmo remédio que nem vai ser usado até o fim, porque tem 30 comprimidos com prazo para junho, a exemplo da Claritromicina, um antibiótico.”

O descaso com os contribuintes paulistanos ganha requintes de crueldade quando descobrimos que os custos do descarte dos medicamentos também ficam nas costas da prefeitura. A coisa piora quando lembramos que Doria congelou R$ 1,8 bilhão da Saúde nos quatro primeiros meses do ano. É um negócio da China para os empresários, uma excelente ação de marketing para o presidenciável tucano e uma tragédia para os paulistanos que dependem dos hospitais públicos.

A Prefeitura de São Paulo parece ser hoje uma extensão do Lide, a empresa de lobby do prefeito que, após sua posse, passou a ser a comandada por seu filho. O lobby interno para favorecer a Ambev – empresa filiada ao Lide – em licitação milionária deixa isso bem evidente.

Por trás da aparência de solidariedade das doações, há abertura de uma enorme brecha para aumentar ainda mais a promiscuidade entre o interesse público e o privado. Hoje, não faltam empresas querendo doar buscando visibilidade de suas marcas na imprensa e, quem sabe, almejar alguma contrapartida da prefeitura. Algumas doações listadas no Portal da Transparência são altamente suspeitas. Listei algumas que devemos ficar de olho:

Aché – doou cerca R$ 325 mil em medicamentos e ganhou isenção de ICMS durante três meses. Em 2016, Doria premiou a empresa com o Prêmio Lide de Empreendedorismo 2016. O presidente da empresa, Paulo Nigro, tem fortes relações pessoais com Doria e é presidente do Lide Esporte.

Ultrafarma – pagou propaganda do programa Cidade Linda em painéis de led veiculados no jogo Brasil X Uruguai, ocorrido em março em Montevideo. Amigo de Doria, o dono da empresa bancou propaganda de um programa municipal em um jogo transmitido para todo o país – nada mal para um presidenciável Em uma reunião na prefeitura, Doria gravou vídeo ao lado de seus secretários e do vice-prefeito fazendo propaganda das vitaminas da marca Sidney Oliveira, da Ultrafarma, e divulgou em suas redes sociais.

Cyrela – aqui temos uma história interessante: a construtora, que já foi premiada pelo Lide como líder na área da construção civil, doou a reforma dos banheiros do Parque do Ibirapuera no valor de quase meio milhão de reais. Um pouco antes da doação, Doria criou a Secretaria Especial de Investimento Social e deu para um ex-vice-presidente da Cyrela chefiar.

Após 12 anos na construtora e quase 30 na iniciativa privada (ocupou cargos de chefia na Redevco do Brasil, no Unibanco, Multicanal e JTS Engenharia), Cláudio Carvalho decidiu diminuir drasticamente seu salário para se dedicar ao povo paulistano. A família dona da Cyrela é amiga íntima da família de Doria. A construtora chegou a realizar neste ano uma exposição para homenagear a estonteante carreira de artista plástica Bia Doria, esposa do prefeito.

A gestão Doria agora quer rever a Lei de Zoneamento, que foi aprovada no ano passado pela Câmara dos Vereadores depois de um intenso debate de quase dois anos. A lei determina o que pode e o que não pode ser construído na cidade e é uma pedra no sapato das construtoras. Bom, vocês já devem imaginar quem vai sair ganhando com essa revisão.

E nessa onda de solidariedade e amor à coisa pública, não podemos esquecer que Doria virou hoje um grande aliado de Michel Temer dentro do PSDB. O gestor, que não cansa de repetir que não é um político, mostra-se igualmente incansável na hora de demonstrar seu apoio a um governo cuja grande marca é a corrupção.

João tem um coração que não cabe dentro dele. Além de ter doado um ar condicionado e dois quadros do Romero Britto para a prefeitura, doou também R$50 mil reais para seu grande amigo Rodrigo Rocha Loures (PMDB), o Homem da Mala. Esse é o novo jeito de fazer política do novo prefeito de São Paulo.

JOÃO FILHO ” THE INTERCEPT” ( EUA / BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s