O CONSTRAGIMENTO EM SER BRASILEIRO.SERÁ QUE HÁ SAÍDA NO HORIZONTE ?

 

Temer_Noruega.jpg

22/06/2017- Oslo- Noruega- Encontro com investidores noruegueses. Palavras do Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. Foto: Beto Barata/PR/FotosPúblicas

Há, porém, saídas para essa situação. Saiba quais são

HOJE, SER BRASILEIRO É CONSTRANGEDOR

A mais recente pesquisa DataPoder360 revela-nos que praticamente metade dos brasileiros não deseja votar para presidente da República em nenhuma das opções que lhes foi apresentada: Lula, Bolsonaro, Doria, Marina, Alckmin, Ciro.

Em todos os cenários, contudo, o petista é favorito com 27% das intenções remanescentes de voto. Mas 50% dos entrevistados rejeitariam votar em qualquer nome do PT e outros 47% recusam-se a votar em qualquer candidato do PSDB. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.

Ou seja, as duas legendas que se revezaram vencendo as eleições entre 1994 e 2014, com 2 vitórias para os tucanos e 4 para os petistas, são hoje francamente e fragorosamente rejeitadas pelos eleitores.

Antes de se aventurar pelos caminhos das expectativas de voto em 2018 o DataPoder360 perguntou aos entrevistados como viam o atual governo instituído com a deposição de Dilma Rousseff há 1 ano. E apenas 2% deles fizeram uma avaliação positiva respondendo “ótimo” ou “bom” à questão sobre o desempenho de Michel Temer. É um desastre. Nunca antes na história desse país, quiçá do mundo, houve uma gestão avaliada positivamente aquém da margem de erro.

Em paralelo à divulgação da pesquisa Temer desembarcou na Rússia e depois foi à Noruega em sua 1ª viagem para fora da América do Sul como representante da Presidência da República. Em Moscou foi recebido protocolarmente pelo presidente Vladimir Putin, sentou à mesa com executivos de 2ª linha de empresas russas, foi anfitrião de um jantar esvaziado destinado a captar investidores dispostos apostar no Brasil. O quórum do jantar foi pífio: compareceram 50% dos convidados esperados.

Na Noruega a comitiva brasileira foi recebida no aeroporto de Oslo pelo gerente encarregado de administrar o prédio e Temer deu uma entrevista coletiva peculiar: foi a 1ª coletiva exclusiva do jornalismo norueguês, pois só um repórter do país nórdico se fez presente –era um garoto recém-formado que cumpria a 3ª pauta externa da carreira. Quando a visita se encaminhou para as questões de fundo o trágico roteiro desse marketing reverso se consumou.

Ao retrucar e repreender o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, que apelou à vontade divina a fim de conter o avanço do desmatamento na Amazônia, o ministro norueguês do Meio Ambiente Vidar Helgesen sacou a tesoura e anunciou: o governo norueguês, que entre 2009 e 2016 contribuiu com R$ 2,8 bilhões para o Fundo da Amazônia, penalizará o Brasil pelo desleixo verificado nas ações de combate ao desmatamento no último ano e cortará à metade o financiamento a esse fundo crucial para a Floresta Amazônica.

Assim, de chofre, Michel Temer conseguiu sair do país em busca de novos investidores e regressou com um corte de investimentos na bagagem. Sempre fui uma alma ardorosamente refratária ao complexo de vira-latas que invade nossos espíritos de quando em vez, contudo não é necessário grande esforço para sentir vergonha da mancha de “Zé Ninguém Intercontinental” que cola como grude em nossa imagem externa.

Dói e apavora perceber que estamos no fundo do poço da autoestima republicana e quando o pé toca o rés-do-chão percebe-se que ali não há uma mola –o que há, em verdade, é um alçapão. Logo, a queda seguirá e são poucas as esperanças a abraçar e conter a jornada rumo ao desconhecido.

Uma das cordas de salvação que ora se apresenta nos é oferecida cheia de nós. Temos de nos agarrar a ela, contudo, e começar a escalar o caminho de volta à institucionalidade e à confiança na política. Mais uma vez advirto, mesmo sendo desnecessário fazê-lo: fora da política não há saída, só trevas. Eis os nós a enfrentar:

*Fora, Temer. Queiram ou não queiram uns ou outros, ao menos 1 denúncia do Ministério Público contra o chefe do Poder Executivo chegará ao plenário da Câmara dos Deputados. Os parlamentares terão de se debruçar sobre ela com o governo em clima de fim de festa e de catatonia absoluta. Estimo que isso se dará entre 25 de agosto e 15 de setembro.

*Admitindo que o plenário da Câmara não manterá Temer na cadeira herdada de Dilma Rousseff, uma vez que o clima nacional será anarquia geral até lá, o nó seguinte a ser galgado é fazer a maioria do país compreender a solução constitucional: o presidente da Câmara assume e convoca eleições indiretas porque assim determina a Constituição.

Se “fora, Temer” é uma solução, fora da Constituição é uma barbárie impensável. Logo, cumpra-se o texto constitucional (por mais que diretas, já, com abreviação de todos os mandatos e pacto nacional para antecipação de 2018 seja uma tentação plausível e legítima).

*O 3º nó a ser enfrentado na direção da luz que nos sacará dessa quadra de escuridão é o consenso em torno da Reforma Política que se engatilhou no Congresso esta semana: distritão em 2018, distrital misto em 2022, fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais, financiamento público das campanhas com teto nominal para financiamento privado e para o autofinanciamento, fim dos programas partidários em anos não eleitorais e cláusula de barreira.

*Caso consigamos chegar ao 4º nó –e tenho fé de que conseguiremos!– o passo seguinte é olhar de forma contemplativa para a selva de siglas partidárias. Feito isso, inescapável constatar que na pradaria não sobressai nenhum –nenhum– projeto nacional. É isso o que nos falta: um projeto nacional. Reunidos em blocos; de direita, de centro, de esquerda; grupos que consigam reunir mais identidades e afinidades do que rivalidades precisam extrair das convergências esses projetos nacionais e coloca-los à luz em 2018.

*Enfrentado o obstáculo anterior, o 5º nó será o mais simples a ser galgado: fazer a maioria do eleitorado identificar o nome que melhor liderará a execução do projeto nacional vencedor. Não é um projeto de poder. É um projeto de Brasil. Maioria e minorias têm de gravitar em torno dele e contra ou a favor de quem emergir capaz de tocá-lo.

O país que temos hoje nos constrange. Contudo, como não podemos desistir dele porque seria impensável fazê-lo, urge vencer o constrangimento e lutar para transformar esses 3 últimos anos num percalço da História e não em obstáculo intransponível para o avanço. O constrangimento vai passar –e o depois, dessa vez, será melhor.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Luís Costa Pinto, 48, é jornalista. Graduou-se na UFPE em 1990. Começou no jornalismo em 1988 no Jornal do Commercio do Recife. Trabalhou em redações de “Veja” (1990-96), “O Globo” (1997-98), “Folha de S.Paulo” (1997-98), “Época” (1998-2001) e “Correio Braziliense” (2001-02). Atuou como repórter especial, editor, chefe de sucursal no Recife e em Brasília e editor-executivo. Em 1992 recebeu os prêmios Líbero

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s