QUANDO O IMPONDERÁVEL PODE TRANSFORMAR UM MANDATO

Planalto-fachada.jpg

 

Para consultor, presidente pode ser um novo Sarney

‘Temos remédios institucionais da alopatia política’

Tudo bem: se as manchetes estiverem certas, o governo acabou, o caos é inevitável, o sistema político implodiu, a crise vai atingir um patamar de octanagem inédita. Mas…e se? E se houver outras possibilidades de desfecho não tão previsíveis?

E se Sua Excelência, o Imponderável, decidir lançar seus dados e fazer seu jogo? Este artigo explora uma dessas impossibilidades possíveis, alias, bem possíveis, se levarmos em conta a tradição e a história recente do país.

Durante algumas décadas, jovens idealistas colocaram suas vidas em risco e muitos foram as ruas pedindo a redemocratização do país, durante o regime militar iniciado nos anos 1960 do século passado. O que eles não podiam imaginar, nem ninguém, é que o fiador da transição viria a ser justamente o ex-presidente do PDS, sucessor da Arena, o asquerosamente odiado partido oficial do regime dos generais. Pois isso aconteceu pelas trapaças do destino e da política.

As complicações intestinais que primeiro levaram Tancredo Neves para o hospital e depois para o velório guindaram José Sarney, o ex-presidente do partido dos generais, à Presidência da República. Hoje, vemos o ex-presidente cortejado como um sábio conselheiro de presidentes de todos os matizes. Virou uma espécie de vaso chinês de audiências palacianas, para ser exibido como uma peca rara e digna de admiração.

Mas o governo de José Sarney não foi nada fácil. Era um Michel Temer, um Temer nordestino, maranhense, com toda a carga de preconceito que isso carrega. Atacado por todos os lados. Seu governo acusado de forma inclemente pela imprensa. A hiperinflação corroía a popularidade de sua gestão. A Constituinte tentava cassar o seu mandato. Até pedrada seu ônibus presidencial levou numa visita ao Rio de Janeiro. Teve medo de ser preso pelo sucessor Fernando Collor. Hesitou em deixar o Palácio do Planalto pela rampa. E o que ficou de tudo isso?

Sarney é hoje retratado como o político tolerante que foi capaz de conduzir com habilidade e extremo equilíbrio a transição do regime militar para a democracia plena. Foi um avalista para o poder que estava se exaurindo –o das casernas– de que não haveria caça as bruxas e que as radicalizações não prosperariam. Os civis sabiam que os militares dariam integral apoio a Sarney em qualquer hipótese de açodamento.

E por isso mesmo se autocontrolavam em seus delírios e arroubos. E assim a transição foi feita. Os fuxicos e fofocas tão estridentes daqueles dias viraram poeira. O que ficou foi a obra política da transição improvável feita por um prócer do antigo regime e o crédito de Sarney de tê-la conduzido.

Por que algo parecido com isso não pode acontecer com Michel Temer? Por que não imaginar que ele pode ser o fiador da transição moral do país? Esqueça o asco que isso possa lhe causar. A muitos também ver Sarney, e não Ulysses Guimaraes, na cadeira presidencial, causava náuseas incuráveis. Mas Presidência da República é destino, sabemos. E a grandeza de um governo não nasce feita. Vai se fazendo, ou não, conforme ele transcorre.

O governo de Bush, filho, começou focado na realidade interna dos Estados Unidos. Até que… veio o ataque às Torres Gêmeas e o seu legado passou a ser o combate ao terrorismo e seu maior protagonismo o de ator no cenário internacional. O governo Temer talvez pudesse ter nascido para deixar uma marca na economia, como um reativador das engrenagens econômicas após o colapso da crise internacional que abateu o segundo governo Dilma. Mas quem sabe seu legado histórico possa ser de muito maior alcance?

É natural que, diante do maior escândalo de corrupção política e empresarial da história do país, haja momentaneamente uma hipertrofia de outras instituições republicanas, notadamente o Ministério Publico, o Judiciário e a Polícia Federal. Afinal, elas estão trabalhando em regime de carga máxima para fazer frente à enxurrada de investigações e revelações espantosas e vergonhosas.

Nesse contexto, também é natural a tentação para excessos, exageros, desequilíbrios pontuais, que podem descambar para um problema sistêmico senão debelados. A beleza da democracia, sobretudo as democracias sólidas, está na capacidade de colocar em prática seus sistemas de pesos e contrapesos, compensando os excessos daqui com as contenções de acolá.

Há muitos pontos de contato entre Temer e Sarney. Nada mais improvável do que a epítome das contradições do sistema político corrompido e embolorado brasileiro, o líder do maior partido, o símbolo que é o PMDB, ter seu mais eminente representante conduzindo a transição que leve o país a um novo patamar de moralidade na política. Já não tivemos o precedente de Sarney? Por que não Temer?

O atual presidente, assim como Sarney em seu tempo, é inegavelmente um avalista de um poder abalado, o da velha política, sobretudo o do Congresso. “Mexeu com ele, mexeu comigo”, pensam muitos dos parlamentares, em relação ao presidente. Sabem, ou temem, que se a primeira cabeça rolar na guilhotina, a lâmina passará a funcionar sem descanso na Esplanada.

Ora, se há um presidente que representa como nenhum outro político um retrato da política, é natural que as forças políticas possam querer mantê-lo até por um exercício de autopreservação. Ao fazê-lo, indiretamente, estarão limitando os poderes dos outros Poderes. E, com isso, promovendo um reequilíbrio das forças do sistema democrático.

Nesse sentido e quase à sua revelia, Temer pode representar um importante fator de teste de stress para a democracia brasileira, sobretudo sua manutenção, dentro das regras constitucionais. Ascos à parte deste ou daquele, o fato é que nada melhor para um país do que ter instituições capazes de prover previsibilidade. Já fomos capazes, como sociedade, de retirar um presidente eleito pelo voto logo no despertar de nossa redemocratização. Superamos esse trauma sem grandes pavores. A hiperinflação foi vencida dentro de um arcabouço legal.

Agora, no momento que deparamos com a maior crise moral de todos os tempos, superá-la sem cair na tentação de quebras constitucionais ou na sedução de salvadores da pátria circunstanciais seria mais uma prova de maturidade institucional notável. E Temer, mesmo sendo moído e corroído durante esse processo nas manchetes e no noticiário, se sobreviver a esse calvário, deixaria uma democracia mais forte e um legado importante, assim como um dia o deixou Sarney.

E ainda assim, se todas essas elucubrações não funcionarem, temos na prateleira um jovem e puro presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pronto para agregar em torno de si o dia seguinte a qualquer colapso imprevisível. Um rosto novo, com uma agenda econômica favorável ao livre mercado e com profundo conhecimento do Congresso. O que isso tudo quer dizer? Apenas que a histeria da crise política no noticiário é maior do que a real. Temos remédios institucionais da mais tradicional alopatia política. Não precisamos temer nem recorrer a bruxarias nem curandeiros.

MARCOS ROSA ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Mario Rosa, 52 anos, é 1 dos mais renomados consultores de crise do Brasil. Pede que em sua biografia seja incluído o fato de ter sido jurado de miss Brasil e ter beijado o manto verde-rosa da Estação Primeira de Mangueira. Foi o autor do prefácio do primeiro plano de gerenciamento de crises do Exército Brasileiro. Atuou como jornalista, consultor e escreveu vários livros. O mais recente, “Entre a Glória e a Vergonha” (pela Geração Editorial), foi lançando também em formato digital pelo Poder360 e pelo UOL.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s