COMO NO VELHO OESTE: O DUELO ENTRE RODRIGO JANOT E TEMER

Temer_Janot1-696x477

A cada capítulo da interminável novela da crise brasileira, vai se tornando mais violenta a disputa entre o presidente Michel Temer e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A essa altura, Temer e Janot já não brigam sozinhos. Vão arregimentando cada um os seus exércitos. Enquanto isso, nós, brasileiros, seguimos sofrendo.

É como se vivêssemos debaixo de um quadro de cerração absoluta, daquelas em que é impossível enxergar o que está a apenas alguns centímetros à frente. Longe de saber qual será o desfecho dessa crise, vamos ficando incapazes de perceber sequer quais serão os próximos passos.

No parecer que deu para manter a prisão do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, Janot deixa claro que vai pegar pesado na denúncia que fará contra o presidente da República. Deixa claro que o acusará do crime de corrupção passiva. Deixa claro que indicará que Loures era o seu homem da mala, a pessoa que, a mando de Temer, agia na negociação do pagamento de propina feito pelo dono da Friboi, Joesley Batista.

“Rodrigo Loures representa os interesses de Michel em todas as ocasiões em que esteve com representantes do Grupo J&F. Através dele, Temer operacionaliza o recebimento de vantagens indevidas em troca de favores com a coisa pública”, escreve Janot.

“Note-se que, em vários momentos dos diálogos travados com Rodrigo Loures, este deixa clara sua relação com Michel Temer, a quem submete as demandas que lhe são feitas por Joesley Batista e Ricardo Saud (o outro delator ligado ao Grupo J&F), não havendo ressaibo de dúvida na autoria de Temer no crime de corrupção passiva”, conclui.

Da sua parte, Temer reage com a mesma intensidade. “Nada nos destruirá”, responde. “Não há plano B”, completa, no que parece uma resposta a apelos como o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no sentido de que reflita sobre a crise e construa uma saída negociada para abreviar o seu mandato.

Em outra ponta, insinua que Janot acena, diz a jornalista Andreia Sadi em seu em seu blog no G1, para uma negociação com os deputados para aceitar a denúncia contra Temer, quando propõe distinguir caixa dois dos crimes de corrupção. Para que o presidente venha a ser processado, a denúncia contra ele precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados.

Os exércitos de Temer e Janot já têm altos oficiais no Supremo Tribunal Federal. Gilmar Mendes, ao lado de Temer, condena os “abusos” do Ministério Público. Roberto Barroso alinha-se a Janot e diz que não há abuso, mas o Estado Democrático de Direito funcionando “contra uma república de bananas que sempre varreu a corrupção para baixo do tapete”.

A verdade é que vai ficando cada vez mais clara a inexistência de um acerto político para estancar no PT e na ex-presidente Dilma Rousseff a sangria da crise político. O tal acerto estava meio que consubstanciado naqueles famosos diálogos gravados entre o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Tira a Dilma, põe o Temer, e tudo se resolve, era o resumo da conversa. A partir do momento em que o próprio Sergio Machado procurou o Ministério Público e a Justiça para um acordo de delação premiada que incluía o tal diálogo, já ficava claro que o acerto não aconteceria. De lá para cá, isso só foi ganhando contornos mais evidentes.

O problema é que tal situação forma também uma zona de alto perigo. Ao contrário de crises do passado, nessa crise não há bombeiro nem solução aparente. Ela tem como centro a forma como se relacionam financiadores e financiados na política brasileira, em todos os partidos.

Assim, há culpados em todas as legendas e interesses contrariados em todas elas. Acirrar os enfrentamentos, como fazem Temer e Janot, não ajudará a arrefecer a crise. Mas não há qualquer sinal de que acontecerá algo diferente. Só nos restará assistir e esperar por quem piscará primeiro.

RUDOLFO LAGO ” BLOG OS DIVERGENTES” ( BRASIL)

OS DIÁLOGOS SÓRDIDOS DE MICHEL TEMER

denunciatemer.jpg

Embora todos já estivessem cientes do óbvio – a ligação entre Michel Temer e a mala de dinheiro recebida da JBS por Rodrigo Rocha Loures, nada impressiona mais na denúncia apresentada por Rodrigo Janot do que os diálogos do ocupante do palácio do Planalto com o empresário-bandido Joesley Batista.

São avassaladoramente chocantes e inadmissíveis para um vereador de cidadezinha do interior, que dirá ao presidente de uma das maiores nações do mundo.. E olha que foi só a “cota”, uma espécie de resumo, da denúncia, porque o documento completo só amanhã será levado so Supremo Tribunal Federal.

Tudo é sórdido, a começar da combinação de encontros clandestinos entre ambos:

JOESLEY: Eu gostei desse jeito aqui.

TEMER: Desse jeito aqui

JOESLEY: Eu vim dirigindo, nem vim com motorista.(…)

TEMER: ah, você veio sozinho?

JOESLEY: Eu vim sozinho, mas aí eu liguei pra ele (Rodrigo Rocha Loures) era 10h30, então, por isso que eu atrasei uns cinco minutinhos. Aí, deu 9h50 eu mandei mensagem pra ele. Eu falei. Aí ele não respondeu. Deu 10h05 e eu liguei para ele falei, ô RODRIGO, cadê? Puta, eu tô num compromisso. Vai lá. Fala… Eu passei a placa do carro.

TEMER: (sim, sim)

JOESLEY: Eles. Fui chegando, eles abriram, nem dei meu nome.

TEMER: ah você não deu nome? Ótimo.

JOESLEY: Não, fui chegando, eles viram a placa do carro, abriram, entrei. Entrei aqui na garagem.

TEMER: Melhor, então.

JOESLEY: Funcionou super bem,

E mais:

TEMER: Aí você

JOESLEY: É…

TEMER: Pela garagem

JOESLEY: …pela garagem

TEMER: Sempre pela garagem, viu?

JOESLEY: Funcionou super bem à noite

TEMER: É JOESLEY: Onze hora (sic) da noite, meia noite, dez e meia, vem aqui

TEMER: Não tem imprensa

JOESLEY: A gente conversa uns dez minutinhos, uma meia horinha, vou embora.

Fica evidente, portanto, que não foi um encontro isolado, mas da combinação de um canal constante de negócios escusos. Janot observa que se nota ainda “que os encontros futuros não seriam apenas com Rodrigo Loures, , pois o próprio Presidente aventou a possibilidade de novos encontros no Palácio do Jaburu” . E fica claro, nas palavras de Temer, que Rodrigo foi nomeado como “mala”:

JOESLEY: (…) Eu queria falar sobre, falar sobre isso e falar como é que é que… pra mim falar contigo, qual é a melhor maneira, porque eu vinha falando através do GEDDEL, através … Eu não vou lhe incomodar, evidente se não for algo assim.

TEMER: (…) as pessoas ficam, sabe como é…

JOESLEY: Eu sei disso. Por isso é que…

TEMER: (…) um pouco TEMER: … é o RODRIGO.

JOESLEY: É o RODRIGO? TEMER: o RODRIGO. JOESLEY: Ah, então ótimo.

TEMER: pode passar por meio dele, viu? (…) da minha mais estrita confiança (…)

JOESLEY: Tá

TEMER: Vamos dizer que você não possa…

JOESLEY: Eu prefiro combinar assim, ó, se for alguma coisa que eu precisar, tal e tal, eu falo com o RODRIGO. E se for algum assunto desse tipo aí…

Foi só o início.

Na próxima semana, será apresentada a denúncia sobre obstrução da Justiça, também explicitada numa gravação.

As histórias de corrupção sempre pode ser negada ou deixada na desgraça do emissário filmado com a mala de dinheiro.

Mas os diálogos, pessoais e intransferíveis, que logo estarão sendo reproduzidos por toda parte, é que são demolidores para Temer.

Não tem desculpas nem explicações.

HERNANBO BRITO” BLOG TIJOLAÇO” ( BRASIL)

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s