COM O GOVERNO ZONZO, FLECHAS DE BAMBU PODE PENETRAR NO JARDIM

michelmoita1

Caiu a tese de que seria prejudicial nova troca no Planalto

GAME OVER?

Começa nesta semana a fase de playoffs na República brasileira. As arenas em que se decidirão o futuro imediato do país serão a Câmara dos Deputados e o Supremo Tribunal Federal. Este último ginásio só será usado a partir de agosto, se for o caso.

O resultado dos embates não se contará em pontos, mas em votos. Ao contrário da regra no esporte, nesta série de decisivas partidas políticas se houver WO será favorecido o lado capaz de retirar o maior número possível de contendores das cenas de combate. No caso, isso interessa ao governo.

Levantamentos publicados pelos jornais O Globo e Folha de S. Paulo no último domingo, dando conta de não mais do que 45 deputados declarando-se hoje abertamente favoráveis à rejeição da denúncia do Ministério Público contra Michel Temer, fez algo além de acender sinais de alerta no Palácio do Planalto: deprimiu o departamento “técnico” do time de lá.

Momentaneamente passarão a adotar o discurso de que é bom esconder o voto, como quem esconde a estratégia de jogo, mas o fato é o clima interno da equipe governista se revela mais tenso que vestiário do São Paulo na sequência de cada nova derrota em campo.

Contabilizava-se, no mínimo, o dobro de apoios à rejeição da denúncia do MP, por corrupção passiva, contra Temer. Não seria número capaz de projetar vitória na votação decisiva em plenário, quando serão necessários 172 votos para tal ou a não obtenção de 308 votos do outro lado, mas daria moral e manteria a tropa em ordem unida.

E qual seria a ordem unida? Ora, a de que vencida a etapa de derrota dos procuradores, personificando-a numa derrota de Rodrigo Janot, o governo voltaria a projetar expectativas de poder e estaria forte o suficiente para entregar no varejo cada um dos compromissos empenhados.

A tática de povoar o meio de campo e reter a bola trocando passes curtos, como quem dá um carguinho a um aliado aqui, tira um carguinho de um desafeto acolá, deixou descobertos os flancos do campo de jogo. À direita e à esquerda há espaço para lançamentos fatais na área palaciana.

O técnico do time do governo está suspenso porque recebeu visita imprópria numa certa madrugada. Seu capitão está fora de jogo, machucado, e cuida das feridas no microcosmo da Casa Civil. O goleiro, uma espécie de secretário-geral da turma e designado para se comunicar bem com todos, perdeu a confiança da maioria e anda catatônico sob as traves.

Na noite de domingo 2 de julho, numa reunião de emergência entre a diretoria, departamento técnico e alguns atletas, estimou-se até a possibilidade de derrota do Planalto na votação da Comissão de Constituição e Justiça.

Michel Temer já não projeta mais futuro para seus aliados na Câmara e isso sequestra votos na planilha governista. Recordista de impopularidade, desacreditado, denunciado e deprimido, o que poderá oferecer em troca de almas dispostas a imolar as próprias perspectivas eleitorais? Nada.

Falhou a tentativa de cansar os adversários e fazer a torcida se convencer de que o melhor era decretar a série de embates vencida pelo lado que havia posto a bola em jogo, ou seja, o governo atual. Já não há mais aderência à tese de que “o Brasil não suportaria nova troca de poder”.

Levantamentos internos do Palácio do Planalto, cruzados com relatos de aliados, dão conta da ânsia por mudar algo central – no caso, o governo – para só então levar a sociedade a adotar o discurso de chegar às urnas de 2018 e eleger novo projeto.

Vendeu-se nas sessões de treinamento dos governistas a ideia de fechar acordo com as centrais sindicais e selar compromisso em torno da edição de uma Medida Provisória restaurando o imposto sindical depois da extinção deste na Reforma Trabalhista.

Aos que olharam até aqui a todas as partidas lá de cima, do camarote, soou como a substituição de Fred por Jô na disputa do terceiro lugar, contra a Holanda, na Copa de 2014: jogo perdido, resultado humilhante, nem a honra por salvar e alguém propõe algo capaz de piorar o que já era péssimo.

O imposto sindical foi derrotado na Câmara, pelos deputados que irão votar a admissão da denúncia do MP e por maioria esmagadora. Se for restaurado para agradar a não mais do que 25 parlamentares, desagradaria a uma centena e daria a dezenas o argumento fatal para o desembarque.

O mês de julho não será tedioso em Brasília, em que pese o já patente esvaziamento da cidade. Ipês apressados começaram a florescer, mas a temporada deles se dá entre agosto e setembro, quando colorem a cidade seca de uma beleza contagiante. E somente quando florescerem os brancos, rosas, amarelos e roxos dos ipês brasilienses poderemos dizer que o jogo acabou.

Por enquanto, mesmo com um time estropiado, com o técnico suspenso, o capitão fora de jogo e o goleiro inseguro, o time governista está em campo. Trôpego, sim. Derrotado, ainda não. Mas sem estratégia, usando táticas manjadas e com os flancos abertos. Flechas de bambu podem passar por ali e atingir o alvo.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ (BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s