O “NERO” DA POLÍTICA BRASILEIRA PROMETE POR FOGO NO PAÍS

cunha18abr2016_sl.jpg

Peemedebista já solapou país no impeachment de Dilma FOTO: SÉRGIO LIMA

MEMÓRIAS DO CÁRCERE
A primeira vez que o vi pessoalmente, no longínquo ano de 1999, não tive dúvidas em julgá-lo e condená-lo à primeira vista. Tinha ares de réu. Andava, já, como quem flanava por sobre os demais. Gostava de atalhar perguntas e respondia com ameaças veladas. Era Eduardo Cunha, àquela época presidente da Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro no governo de Anthony Garotinho.

Minha missão, naquele momento, era editar uma reportagem dando conta dos desmandos na Cehab. Texto publicado, processo aberto por ele no Tribunal de Justiça fluminense. A querela foi vencida por mim, pelos repórteres e pela assessoria jurídica da Editora Globo. Eleito deputado federal em 2002, logo no primeiro mandato Cunha se envolveu numa denúncia explosiva contra o também deputado carioca André Luiz: acusado de tentar extorquir o bicheiro Carlinhos Cachoeira, o colega de bancada de Eduardo Cunha fora gravado e delatado por alguém próximo. O delator prestara serviço precioso para Cachoeira e segue oculto até hoje. Quem era ele? Alcovas brasilienses o sabem.

Frio como os assassinos de aluguel da Máfia construídos por Sérgio Leone em “Era Uma Vez na América”, astuto e amoral como o personagem de Kevin Spacey em “House of Cards” e ambicioso como o Cardeal Richelieu, homem que construiu as bases do absolutismo francês e reinou na França sem ter nascido rei, Eduardo Cunha quis adaptar Brasília às suas vontades e vergar o Brasil às suas chantagens.

Notabilizou-se, como presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e depois como líder partidário, por ações ousadas de pilhagem institucional ao transformar as tramitações de medidas provisórias em verdadeiros balcões de negócios legislativos. A partir daí, construiu e consolidou vasta base de apoio no Parlamento – dentro e fora de sua sigla. Vendia favores e cobrava sua tarifa impondo uma espécie de taxa de juro que se configura impagável ao longo do tempo: lealdade e fidelidade a si, mesmo que os atos cometidos fossem crimes flagrantes.

Dizia-se que Eduardo Cunha era um deputado com muitos amigos no Congresso e fora dele. Não era. Jamais foi. Eduardo Cunha, encarcerado em Curitiba já há um ano, nunca prezou as amizades. No lugar delas, sempre cultivou reféns. Sequestrou-lhes a ação política, a honra, a dignidade, a vergonha. Agora, na semana em que o país começa a decidir o afastamento de Michel Temer do cargo que passou a ocupar com a deposição de Dilma Rousseff, em 2016, Cunha ameaça incendiar a República com uma delação premiada contendo uma centena de anexos.

É necessário enfrentar com transparência e de cabeça erguida a enxurrada de fatos, meias-verdades e mentiras que Eduardo Cunha vomitará a partir do cartapácio que negocia com o Ministério Público e com a Polícia Federal. Ardiloso, tem agenda própria e saberá lançar flechas contra ex-amigos, inimigos declarados e desafetos dos quais algum dia imaginou ter lealdade sem jamais ter conseguido consumar gestos que os converteria em reféns.

Desnecessário lembrar que Michel Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco, assim como Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima de fato eram interlocutores contumazes do ex-presidente da Câmara, hoje presidiário em Curitiba. Sobre o que conversavam, talvez, Cunha possa trazer à luz revelações bombásticas ou ameaças constrangedoras. O quão verdadeiras são, só saberemos após apurações e o necessário exercício do amplo direito de defesa. Mesmo que o vil encarcerado curitibano lhes tenha confiscado a alma e a honra, e saiba o preço de ambas, esses acusados merecerão espaço e ouvidos para o contraditório – e que sobre eles decida a Justiça.

Acerca de figuras ainda mais desairosas do baixo clero parlamentar Eduardo Cunha também pode falar. Sobre empresários e executivos que se vergavam às suas chantagens, idem. Sobre intermediários dessa força gravitacional que seu gênio magnético pervertido para a consumação do mal – ou de uma imensa gama de males – também. Mas que se tenha consciência da má qualidade das aleivosias que virão. E da missão dada por ele a cada uma delas. Cada flecha terá um alvo particular.

O Brasil ainda é uma democracia, em que pese a lambança constrangedora a que submeteram a Constituição quando dois dos três poderes da República distorceram leis e verdades a fim de consumar o golpe legislativo do ano passado. Posto tentarmos perseverar sendo uma Nação democrática, não se mostrará aceitável escutar o bombardeio moral de Cunha às nossas instituições e a seus representantes como verdades absolutas e provas consumadas.

A queda de Temer parece, nesse momento, iminente dentro da Câmara dos Deputados e precificada no mercado financeiro. No horizonte político é vista como fenômeno capaz de trazer mais benesses do que encadeamentos nefastos. A transição foi traçada, os rumos da economia foram esboçados. Não devemos dar a Cunha, que está onde deve ficar, o direito de imaginar que seguirá solapando o futuro do país. Já o fez de forma exagerada ao se tornar o artífice da deposição de Dilma Rousseff. Não podemos conceber que siga desempenhando esse mesmo papel depois da necessária remoção do entulho que deixou na Praça dos Três Poderes.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s