RODRIGO MAIA É O NOME DE CONSENSO ENTRE OPOSIÇÃO E SITUAÇÃO

RODRIGO-MAIA-SENADO-RENAN-CALHEIROS-STFDeputado tem boa relação com oposição / Operação depende de renúncia de Temer

Começa a se desenhar 1 ponto de convergência no horizonte nacional: Rodrigo Maia. É para o perfil do presidente da Câmara, por motivos distintos, que começam a apontar as setas e as esperanças de quem opera os poderes econômico, jurídico e político do país quando o assunto é a sucessão presidencial.

Tema restrito a futurólogos que teimavam em falar de 2018 no calor dos fatos de 2017, desde ontem o Brasil se pergunta quem pode suceder a Michel Temer já nos próximos dias. Ou horas. “Rodrigo Maia” tem sido o nome e o sobrenome das apostas mais bem informadas, e também das mais ansiosas.

Aliado leal de Temer e primeiro na linha sucessória da ordem constitucional, Maia percorreu em poucos meses uma trajetória singular que o tirou do ostracismo no Congresso Nacional e o converteu num liberal com rara capacidade de diálogo em todos as correntes ideológicas.

O presidente da Câmara construiu uma sólida relação de confiança com o presidente do Senado, Eunício Oliveira. Desde a última Páscoa, quando almoçaram juntos no sábado de Aleluia, consultam-se mutuamente nos momentos de dúvidas legislativas.

Pouco antes do feriado de 1º de Maio foi a Rodrigo Maia que a família de Eunício Oliveira recorreu quando o senador precisou de 1 atendimento médico de urgência. A presteza e solicitude do deputado amalgamaram a relação.

Quando foi eleito para o mandato-tampão na Câmara, na sucessão aberta com a prisão de Eduardo Cunha, 1 dos primeiros telefonemas de congratulações recebidos por Maia foi dado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ao entregar a relatoria da reforma política para o deputado Vicente Cândido (PT-SP), sob protestos da base de apoio ao governo e do seu DEM, o presidente da Câmara mostrou à oposição ser fiel ao compromisso de não deixar os petistas sucumbirem no Legislativo relatando apenas matérias irrelevantes.

Na última semana, tendo por pretexto essa reforma política, pôs à mesa de sua casa os presidentes do PMDB, PSDB, PT, DEM, PSD, PP, PSOL, PSB, Solidariedade, entre outros, e o presidente do TSE, Gilmar Mendes. Não à toa, ficou feliz ao ouvir o dublê de ministro e presidente do PSD, Gilberto Kassab, elogiar a amplitude do espectro de quem atendera ao convite.

Há 1 conjunto de regras básicas seguida por Rodrigo Maia para ter cativado tão rapidamente o amplo diapasão em que circula ultimamente: lealdade à palavra empenhada, irrestrito respeito ao direito de manifestação das minorias parlamentares, cumprimento fiel de uma agenda reformista e invejável capacidade de dizer “não” olhando no olho dos interlocutores e explicando os porquês de suas negativas.

Esse comportamento transformou o jovem deputado fluminense, de 46 anos, em contumaz “adviser” de ministros do Supremo Tribunal Federal como Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Edson Fachin, por exemplo. A relação dele com Luiz Fux e com Alexandre de Moraes já era boa antes de ascensão de todos a seus atuais postos.

Todo o conjunto de predicados que convertem Rodrigo Maia no homem de perfil mais amplo de Brasília, no momento, vale também para chancelá-lo e referendá-lo junto a empresários e executivos de multinacionais e do sistema financeiro. Líder e piloto do rolo compressor ligado no Congresso Nacional com o objetivo de aprovar as reformas liberalizantes da legislação trabalhista e do sistema previdenciário, e apontando para a corajosa mexida no nó tributário nacional, o presidente da Câmara tornou-se o dealer de opinião dessa entidade nem sempre honesta, e nem sempre bem-intencionada, chamada “mercado”.

Com essas atitudes, reaproximou-se de Henrique Meirelles: os dois tiveram sérias divergências no fim de 2016. Maia chegou a ensaiar criticas ácidas ao ministro da Fazenda. Nos últimos meses, entretanto, os 2 formam 1 dueto inquebrantável e afiado na Esplanada e na Praça dos Três Poderes a favor de reformas como a da Previdência e a trabalhista.

Na formação original do ministério de Temer foi Maia quem indicou Mendonça Filho para a Educação, Fernando Bezerra Filho para Minas e Energia e Mauricio Quintella para Transportes. Logo, não só esses, mas boa parte dos atuais ministros seguiria em seus cargos com uma transição suave do poder migrando para o presidente da Câmara.

Esse vaticínio sobre manutenção de quase toda a Esplanada intacta só não vale, por certo, para o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, deputado pelo PMDB do Paraná. Maia o considera fraco. Sabe que precisaria de alguém melhor apetrechado politicamente e tecnicamente para o cargo.

Sucessor natural de Michel Temer, caberia inicialmente ao presidente da Câmara ocupar a vaga presidencial e convocar eleições indiretas em 30 dias –caso o atual ocupante do Planalto renuncie. Como sabemos, nesta 5ª feira (18.abr.2017), o presidente da República parece estar na fase que os psicanalistas classificam como “viver em negação”. Foi por essa razão que declarou peremptoriamente “não renunciarei”.

Nos próximos dias, a ingovernabilidade vai se instalar. Vários partidos já começaram a abandonar o governo. Sozinho, Temer será compelido a sair. Até porque as forças que ainda estão ao seu lado preferem uma solução rápida, pela via indireta, sem correr o risco de permitir 1 aumento de manifestações de rua exigindo “diretas-já”.

Nessa equação há 1 tópico quase insolúvel: como o establishment poderá garantir a Temer que ele não será preso ao renunciar ao cargo de presidente? Isso ninguém tem como resolver.

Com o rio da política correndo o seu rumo, o Colégio Eleitoral que elegerá o sucessor de Temer é formado pelos 594 deputados e senadores. Detentor da confiança de parte relevante do Congresso e capaz de liderar a agenda liberal do momento, transformando-a em programa de governo de longo prazo em 2018, é por isso que as setas apontam com firmeza para a careca precoce do filho de Cesar Maia.

Existe, é verdade, a acusação de ter “vendido” sua atuação congressual pela aprovação de uma medida provisória, formulada por 1 dos delatores da Odebrecht. É 1 óbice que ainda precisa dirimido pela Justiça, mas Rodrigo Maia sempre negou ter cometido irregularidade. Tem contra si apenas a palavra de 1 delator –algo que hoje parece ser pequeno diante de tantas provas materiais apresentadas contra outros acusados.

Na época da aprovação dessa MP, de número 613, Rodrigo Maia integrava a oposição. A denúncia não se fez acompanhar de provas. Há indícios fortes de que o delator que fez a acusação, Claudio Melo Filho, faltou com a verdade em casos semelhantes. Ante a dimensão da crise e a janela de oportunidade que Maia e sua capacidade de diálogo representam no momento, poucos serão capazes de inviabilizar os caminhos que os rios estão tomando rumo ao mar.

Outra pergunta que surge agora é: por que não trazer 1 político experiente que esteja agora fora do cotidiano tóxico de Brasília? Por exemplo, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, prestes a completar 86 anos (em 18 de junho), ou o ex-ministro Nelson Jobim, 71.

É inegável que tanto FHC como Jobim têm habilidade suficiente para comandar o país até o final de 2018, numa transição negociada. O problema é a exiguidade de tempo para amarrar todas as pontas dessa teia de interesses que é Brasília.

FHC e Jobim teriam de acampar na capital da República a partir de já para reconstruir laços com a maioria dos 513 deputados e 81 senadores. Seria necessário garantir a reedição da ampla aliança que sustenta(va) Temer. Não parece tarefa exequível em cerca de 30 dias. Mas para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a tarefa seria muito mais suave –e ele tem ferramental para fazer 1 retrofit na atual coalizão governista.

A “saída Maia” é a mais evidente e plausível até aqui, em Brasília. Pode não se concretizar, claro. A cena política abriga incertezas absolutas e surpreendentes. Mas, vingando, Maia será a prova da assertiva do escritor Tommaso di Lampedusa em O Leopardo: tudo deve mudar, para que nada mude.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s