CUNHA VAI REVELAR QUEM LEVOU GRANA PARA AFASTAR DILMA

michel-temer-precisa-manter-eduardo-cunha-em-silencio

Avançam as negociações para a delação premiada do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), que pretende atingir em cheio o presidente Michel Temer e sua cúpula de governo com ministros e aliados no Congresso. Para o jornalista Ricardo Noblat, o peemedebista revelará a lista dos que receberam propina para votar a favor do processo que derrubou a ex-presidente Dilma Rousseff.

Esta semana, advogados do ex-deputado estiveram na Procuradoria-Geral da República para negociar mais termos e anexos da proposta de acordo que delatará caciques do partido de Temer. As informações dão conta que os procuradores da República estão com nível de exigência alto sobre o que Cunha tem a entregar.

Por outro lado, Noblat ressalta que além dos nomes da então oposição e que hoje governam o país envolvidos na retirada proposital de Dilma do poder, como estratégia de barrar os avanços da Operação Lava Jato, Cunha citará as fontes pagadoras.

Parte da delação do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba desde outubro do ano passado, já foi aceita pelo Ministério Público Federal. E é nela que reside a revelação que mais assombra seus ex-colegas da Câmara: a lista dos que receberam dinheiro para votar a favor da abertura do processo de impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff.

Cunha não se limitou a dar os nomes – a maioria deles do PMDB. Citou as fontes pagadoras e implicou o presidente Michel Temer. Reconheceu que ele mesmo em alguns casos atuou para que os pagamentos fossem feitos. Contou o que viu e acompanhou de perto e o que ficou sabendo depois. Não poupou nem aqueles deputados considerados mais próximos dele. Teve uma razão especial para isso.

É o troco que dá aos que antes satisfizeram suas vontades e depois o abandonaram quando mais precisou da ajuda deles. Cunha foi do céu ao inferno num período de 17 meses. Eleito presidente da Câmara em primeiro turno no dia 1 de fevereiro de 2015 com 267 votos de um total de 513, acabou cassado no dia 12 de setembro do ano seguinte por 450 votos. Somente 10 deputados votaram por sua absolvição.

Tanto Cunha quanto o Ministério Público têm pressa em fechar acordo em torno do restante da delação. Se isso ocorrer, ela poderá servir de base para uma nova denúncia contra Temer. Ou, no mínimo, para provocar um terremoto na base de sustentação do governo no Congresso, fragilizando-o ainda mais. Temer já foi informado a respeito e reagiu com tranquilidade.

RICARDO NOBLAT ” O GLOBO” ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s