A LUTA DO MONOPÓLIO DE NOTÍCIAS CONTRA O GOOGLE E O FACEBOOK POR FORMAREM DUOPÓLIOS

boxe-868x611

Empresas de notícias estão entrando em conflito com Google e Facebook

Google e Facebook formaram um duopólio da era digital

 

Parece um segmento do John Oliver, não é? Como todos sabemos, ao checar nossos aplicativos de notícias favoritos, a linha tênue entre sátira e notícias quase desapareceu.

[John Oliver é 1 comediante britânico que tem 1 programa semanal de sátira política transmitido pela HBO].

Na semana passada, nos amigáveis confins da seção de opinião do Wall Street Journal, a iniciativa da News Media Alliance de ganhar isenções antitruste acendeu vários pavios. O presidente da Media Alliance, David Chavern (leia minha entrevista com ele aqui), apresentou um ponto singular: os jornais precisam de proteção legal para que possam negociar coletivamente com Google e Facebook, o duopólio dominante da era digital.

Em seu artigo de opinião, “Como o antitruste enfraquece a liberdade de imprensa“, Chavern convoca o Congresso a providenciar um ambiente seguro –essencialmente uma exceção– de leis opostas a trustes para que o Departamento de Justiça não acuse o grupo dos jornais diários de atividades ilegais.

A proposta reascendeu uma coleção de apelos, costumes, argumentos que já têm mais de 20 anos de idade, e até uma ou duas análises razoáveis. Na proposta da Alliance, há elementos de verdade, aparentemente exagerados na arrogância política e um anúncio que deixou fácil categorizar os donos de jornais como irmãos de outra (analógica) época. A campanha da Alliance por um “porto seguro” falhou em alcançar a urgência existencial do “Democracia morre na escuridão“, de The Washington Post, mas ambos expressam um medo similar.

As manchetes baseadas na proposta são confusas. Inflam o negócio real de busca de audiência que o Google e o Facebook realmente produzem. Ao mesmo tempo, confundem o poder de “distribuição” com a maior ênfase sobre o dinheiro do nosso tempo: o domínio crescente da publicidade digital pelas duas empresas.

O problema fundamental aqui paira por detrás do surpreendente declínio da indústria de jornais das Américas e da Europa. Esse setor está faturando US$ 30 bilhões a menos do que uma década atrás. O lucro do Google e do Facebook agora passa dos US$ 30 bilhões anuais. A reviravolta é chocante.

É por isso que esse tópico –a relação tripartite entre as plataformas, companhias de notícias e nós– vai um pouco mais fundo. Considere este texto a seguir o seu guia para as últimas guerras travadas entre Google, Facebook e os jornais.

“O FUTURO DA APURAÇÃO DE NOTÍCIAS E, SIM, DA DEMOCRACIA, DEPENDE DO RESULTADO DESSA DISPUTA”

Esperamos que não. Seria puro delírio esperar que o Congresso [o dos EUA] e esse presidente [Donald Trump] salvem a indústria do jornalismo.

A editora-executiva do Sacramento Bee, Joyce Terhaar, escreveu a perturbadora frase acima em uma coluna na 5ª feira (13.jul.2017). Seu espírito é encorajador, especialmente no momento em que sua empresa-mãe McClatchy tenta novamente se reformular para alcançar o sucesso digital.

Mas jornais diários não podem se dar ao luxo de colocar seus futuros nas mãos de outros –especialmente de um grupo de políticos que fez tão pouco para defender o papel da imprensa livre enquanto o presidente a ataca.

A News Media Alliance tem 2.000 integrantes, mas é em grande parte uma associação comercial de jornais diários, que foi reformulada e renomeada em 2016. Esse grupo de fato amaria algum benefício da legislação antitruste. Mas seu objetivo principal é uma maior atenção do público para o papel da imprensa e suas plataformas em uma sociedade livre. Se o subcomitê do Senado para Antitruste, Políticas Competitivas e Direitos do Consumidor e o subcomitê da Câmara para Reformas Regulatórias, Comércio e Lei Antitruste realizarem audiências sobre a proposta no 2º semestre, já seria uma grande vitória.

A ideia: jogar uma luz sobre o domínio do Google e do Facebook (e talvez Apple e Amazon) no que diz respeito aos negócios da indústria da mídia de forma abrangente. Isso seria uma grande vitória. Forneceria também um trunfo aos publishers. Algo que poderiam usar enquanto roem as cenouras das parcerias já existentes e em discussão com todos os grandes atores dessas plataformas.

2) ESCOLHA SUA PORCENTAGEM DE DOR

Cada número envolvido no debate conta uma parte da história. A Alliance cita a estatística de que “71% dos US$ 19,6 bilhões gastos [em publicidade digital] no 1º trimestre deste ano” foram para o Google e o Facebook. E, sim, na verdade a participação dos 2 na publicidade digital –que agora é a mais volumosa nos Estados Unidos, ultrapassando a TV– está crescendo.

No ano passado, Jason Kint do Digital Content Next (uma associação de comércio para publicações de notícias digitais premium) apontou que, no 3º trimestre de 2016, apenas 1% do crescimento da publicidade digital foi para companhias que não eram o Facebook ou o Google. O número totalizou 10% para todo o ano de 2016. Ou seja, todos os demais vendedores de publicidade conseguiram arrecadar US$ 1,4 bilhões, enquanto Google e Facebook arrecadaram juntos US$ 11,4 bilhões com o crescimento de publicidade.

Como um observador do panorama me sugeriu nesta semana, “apenas espere até que o Google e o Facebook arrecadem 101% do crescimento“. Quando se consideram as tendências, parece uma realidade possível –e apenas reafirmaria o duopólio.

3) NÃO GOSTO DESSAS PORCENTAGENS. DÊ-ME ALGUMAS MENORES

Em uma enquete entre seus integrantes, o Digital Content Next de Kint descobriu que, em média, publicações atribuíam 14% de seu lucro digital a dinheiro ganho pelas plataformas.

“O que entendo desse dado é que não havia influências econômicas suficientes vindas dessas companhias para conduzir decisões de publishers“, diz Kint. “Eles precisam conseguir mais dinheiro, especialmente se seu conteúdo está indo ao vivo para estas plataformas“.

4) O QUÃO SÉRIO É A “PLATAFORMATITI“?

Você se lembra dessa epidemia? A impressão é que começou em 2015 e se espalhou de forma agressiva em 2016. Plataformas eram os buracos negros sugadores de leitores da época. Pareciam impossíveis de serem contidas.

O medo naquele tempo era de que todos gastariam seu tempo em plataformas. O sites de notícias deveriam então desistir e apenas postar seu conteúdo onde os leitores pareciam estar se fixando.

Era uma ideia ingênua naquela época. E é uma ideia ingênua agora. Uma grande razão é o retorno de leitores. É consenso entre quase todos na indústria de jornais tradicionais que suas esperanças para atingir um futuro digital que valha a pena deve ser concentrado nas assinaturas de leitores do tipo all-access (digital + impresso). É nesse parâmetro que estão as estratégias de negócios dos veículos nacionais/globais (New York Times, Financial Times, Wall Street Journal e, no longo prazo, Washington Post). Mas é também onde baseiam seus modelos de negócio os regionais diários que são inteligentes, de Boston a Minneapolis, de Dallas a Seattle.

Este pensamento levou cada um deles a validar, estender e proteger sua própria relação com os consumidores, para quem voltou-se a atribuir a designação antiga de “assinantes” (abandonando o termo “usuário”). Você não pode ceder um relacionamento pago a uma plataforma. A “tarefa nº 1” em audiência e desenvolvimento de assinantes é esta: construa e alimente relacionamentos no site e apps com consumidores pagantes, que entregam (ou logo entregarão), mais da metade do retorno do seu negócio jornalístico.

Consequentemente, todas essas companhias –e muitas outras (Hearst, dentre outras, recentemente foi convertida)– tentaram se concentrar em transformar a plataformatiti em uma condição crônica mas controlável, ao invés de uma deficiência aguda.

O tremendo alcance de audiência do Facebook e do Google é algo a ser administrado de maneira habilidosa, mas não algo que guiará o sucesso de seu retorno fundamental de estratégias. Cada companhia fez sua própria aritmética, mas a maioria chegou a algo não muito longe dos 14% do Digital Content Next.

A conclusão é que estamos vendo uma variedade maior de formas de publicação em muitas empresas de mídia. Esses veículos estão transferindo recursos de um tipo de distribuição –que usa mão de obra de maneira intensiva– para outro modelo de geração de receita mais vantajoso. Por exemplo, a criação de newsletters e desenvolvimento de podcasts.

Nós pudemos observar um espectro de diferentes abordagens sobre como publishers trataram suas próprias plataformatiti. O Washington Post –por causa de sua estratégia de ser onipresente– ainda está imerso no Facebook e se envolve mais profundamente com a Apple News, por exemplo. O Wall Street Journal e o Financial Times, com paywalls mais rígidos, analisam seu envolvimento em plataformas com mais cuidado. O NYTimes equilibra a conversão de assinantes e o crescimento do seu alcance de maneira geral.

Essas são as melhores estratégias práticas desenhadas pelas companhias mais estruturadas. Muitas das publicações regionais –aquelas representadas pela Media Alliance– observam e parecem confusas com o contexto das plataformas e como elas funcionam. Os grandes jornais não discutem a noção de que Google e Facebook formaram de maneira efetiva um duopólio de publicidade digital, mas estão mais concentrados em seu próprio negócio. E, em particular, estimulam o seus colegas da imprensa regional a fazer o mesmo.

5) ESTAMOS FALANDO SOBRE O CONSUMIDOR DE NOTÍCIAS –OU SOBRE A INDÚSTRIA JORNALÍSTICA?

Quando entrevistei Chaver, da Alliance, na semana passada, fui surpreendido ao descobrir que a associação não incluiu outros grandes provedores de notícias como BuzzFeed ou Vox, ou emissoras de televisão em sua reclamação. O que a Alliance fez foi circunscrever o termo “notícias” aos jornais –e à ameaça que a dominação do mercado por Google e Facebook representam para quem está no negócio de produzir notícias.

Diante disso, claro, abriu-se espaço para o ridículo e a falta de noção –Mathew Ingram levou boa vantagem. Mas o problema é mais profundo. Qualquer estrago que o duopólio e sua dominação do mercado possa causar é sentido pelos consumidores de notícias –e por todos os que produzem notícias. Isso inclui as emissoras e os veículos jornalísticos nativos digitais.

Ao circunscrever essa iniciativa apenas como um plano de apoio à indústria de jornais, a Alliance reduz consideravelmente o argumento real de que consumidores de notícias norte-americanos e cidadãos estão sendo feridos.

Num universo de cerca de 1.350 jornais diários nos EUA, 90% deles pertencem a conglomerados. Três desses conglomerados são donos de ¼ de todos os veículos diários, e 2 a cada 3 pertencem ou são administrados por companhias de patrimônio privado que visam a maximização de lucro. Uma minoria tem a combinação de reinvestimento de capital, vontade e a inteligência estratégica para seguir em frente.

6) O COPO ESTÁ MEIO CHEIO, OU 15/16 VAZIO?

É esquisito, mas a indústria de jornais diários parecia estar em desacordo consigo mesma faltando um ou dois dias para o anúncio da Media Alliance.

Rusty Coats, diretor executivo do Local Media Consortium (LMC) [Consórcio de Media Local], critica chamando o movimento de protecionismo descabido, argumentando que David Chavern não falou pela indústria e que os membros do conselho da Media Alliance pareciam não entender que suas próprias companhias já estavam em parcerias com o Google e o Facebook.

Para aqueles que não conhecem o LMC, essa entidade é formada por diversas companhias de mídia locais que estão na Media Alliance. É uma companhia de otimização de publicidade digital, que usa a tecnologia (incluindo parcerias com o Google) para maximizar taxas no inventário não-premium que não é vendido de sites de mídia local.

[inventário é 1 termo usado na indústria de mídia digital. Trata-se de todas as páginas nas quais podem ser colocados anúncios. Várias empresas de publicidade digital, como o LMC, fazem acordos com sites de notícias para colocar anúncios automaticamente em páginas que de outra forma ficariam vazias e sem publicidade]

Coats me disse que em 2016 o LMC ajudou a produzir uma receita total de “mais de US$ 110 milhões” para as suas 1.600 publicações associadas.

Quando dividimos esses US$ 110 milhões entre as centenas de títulos que o LMC representa, vemos que se trata apenas de uma gota no oceano dos US$ 20 bilhões de receita anual da indústria de jornais diários. Coats e seus colegas trabalharam duro e de forma inteligente em seu território. Mas o fato é que os integrantes da News Media Alliance provavelmente olham para algo mais abrangente, preocupados com o declínio da indústria –e acabam considerando o pequeno retorno de receita oferecido pelo LMC com um grande erro dentro do contexto geral.

7) O GOOGLE ESTÁ REALMENTE “IRRITADO” COM A AÇÃO DA MEDIA ALLIANCE?

Ai, ai, ai…

A palavra “irritado” é uma escolha interessante, como relatado por Dylan Byers, da CNN. Mas quais adjetivos poderíamos aplicar para os sentimentos a respeito da destruição no atacado dos jornais locais norte-americanos –mesmo que o estrago não seja um efeito colateral e não algo intencional? Horrível, doloroso, nauseante e assustador.

De qualquer maneira, enquanto parece ser possível personificar o Google ou o Facebook, esta não é a realidade. Um executivo de notícias me disse que “lidamos com 11 diferentes partes do Google, e eles estão apenas agora conseguindo coordenar suas ações“.

Em meio a tantas relações entre plataformas e companhias de notícias, muitas pessoas honestas dessas plataformas fazem o melhor possível para alcançar o bem comum para as duas partes. Mas, de maneira geral, há a incapacidade das empresas de mídia jornalística de entender e lidar com o efeito colateral que está sendo causado por elas próprias. No momento em que a mídia tradicional tenta dar um grande salto, é necessário que também estabeleçam parcerias fortes no mercado de notícias locais que está se transformando.

8) O QUE ELES QUEREM?

David Chavern pode listar 4 ou 5 coisas que companhias de jornais gostariam de ter se pudessem negociar juntas com (ou contra?) o Google e o Facebook. A lista é familiar: dados melhores, no sentido de mais completos. Melhor branding para o conteúdo do jornal nessas plataformas. Ajuda para conseguir mais assinantes digitais. E aí tem o “revenue share” [compartilhamento de retorno nas receitas] –palavras simples que cobrem 20 anos de sofrimento.

Eu pedi a Chavern que ele definisse o que ele quis dizer com”revenue share”.

“Qualquer retorno de publicidade ligado ao nosso conteúdo. Sempre iremos falar sobre como isso é dividido, certo?“, disse ele. “Se for valioso, temos todo o direito de pedir que seja valioso“. Apesar de Chavern ser novo na indústria, tendo saído de seu trabalho da Câmara de Comércio dos EUA por volta de 2 anos atrás, ele utiliza o pensamento incipiente e perpétuo que subsiste na indústria de jornais há duas décadas.

Certamente o Google, ao compilar notícias, extrair valor dessa atividade. Certamente o Facebook ao linkar para infinitas reportagens beneficia-se enormemente.

Do lado deles (Google e Facebook), o argumento é que estão apenas fazendo o que a lei permite –um “uso justo” do conteúdo. E acrescentam, quando pressionados, que “notícias” simplesmente não monetizam tanto assim. O Google diz que notícias representam apenas de 5% a 7% das buscas e que o valor relativo desse tipo de item é baixo comparado ao de outras buscas de algo que pode ser comprável.

Por quase duas décadas, as maiores companhias de notícias conversaram sobre contestar o “uso justo” das plataformas. Nunca haviam pleiteado esse ponto –apesar de termos visto ações agressivas sobre aquele tópico e outros, episodicamente, da União Europeia.

No entanto, a questão do valor do conteúdo de fato serve como a alma do argumento da Media Alliance. Não está errado: claramente, Google, Facebook e outros derivam muito valor do conteúdo das notícias. Sua moeda movimenta o uso; o uso movimenta o hábito. O hábito é monetizado em várias maneiras. Mas podemos colocar um número nisso? Eu fiz essa pergunta a diversas pessoas ligadas ao Google ao longo dos anos e sempre recebi a mesma resposta: “Não, há muitas variáveis“.

Podemos separar um momento para saborear a ironia de a companhia que inventou a hiper-monetização do algoritmo dizer que não consegue saber o valor do conteúdo notícia. O ponto maior aqui é: há um valor, e é um grande valor.

Publicações sabem que não podem negociar efetivamente sozinhas. Também não está certo se têm peso suficiente para negociar coletivamente, no caso de Trump e o Congresso de alguma maneira resolverem conceder esse benefício à mídia tradicional.

Apesar de Jason Kint não considerar muito viável o funcionamento da iniciativa da News Alliance, ele concorda que ela traz à tona a questão básica do domínio.

“Se você não está alcançando o valor justo daqueles snippets [pedaços ou fragmentos de informação] ou o que quer que sejam, então você deveria poder sair do acordo. Você não deveria ser obrigado a fazer negócio com o Google e o Facebook ou qualquer outra companhia para poder sobreviver, e têm sido provado que não há maneira de gerir um negócio de notícias digital sem permitir que o Google coordene as buscas pelo seu site. E é também muito difícil gerir um negócio de assinaturas com o modelo de ‘o 1º clique é gratuito‘”, diz ele.

“E eu argumentaria que é difícil coordenar um negócio futuro sem participar e trabalhar em conjunto com o Facebook… Você não pode não ter uma boa relação com as duas companhias da perspectiva de uma relação de negócios“. É por isso que ouvimos tão poucas críticas públicas de publishers sobre o uso dessas plataformas. “Você acaba com caras como eu que são convenientemente os únicos que podem de fato ser ficar critica do de maneira vigorosa e estridente“, afirma Kint.

Medo, de fato, é uma boa forma de definir a dominação do mercado.

9) O FACEBOOK E O GOOGLE TÊM ALGUMA OBRIGAÇÃO CORPORATIVA OU MORAL PARA FAZER O QUE É CERTO?

Com o projeto “Iniciativa de notícias voltadas à Europa”, o Google colocou um pouco a mão no bolso e também ouviu um pouco o que os publishers tem a dizer. Mas nada do que está sendo realizado é particularmente transformador nem necessariamente para ajudar uma indústria que está indo pelo ralo.

10) O FACEBOOK PODE VENDER ASSINATURAS PARA OS PUBLISHERS?

A News Media Alliance afirmou que quer ajudar a plataforma nas vendas de assinaturas. Essa é uma área que está sendo desenvolvida, segundo o Facebook.

Leia o que Ben Thompson, da Stratechery, dissecou da ação da Alliance nesta questão:

De fato, está é a parte mais ridícula dessa proposta. Uma das questões que Chavern deseja negociar coletivamente com o Facebook e o Google é “melhor modelo para conseguir assinantes”. Em outras palavras, Chavern deseja agregar o Facebook e o Google em um único mercado –de assinaturas–, no qual os jornais possuem um modelo de vendas bastante viável.

É fácil imaginar como isso pode acontecer. As empresas criam promoções para editores e, eventualmente, criam uma carência para as mesmas no futuro. Devido a essa necessidade dos consumidores, os lucros serão postergados. Isso deixará as editoras dependentes, e fará com que elas persigam desesperadamente os números de visualizações das páginas para garantir que consigam os valores de sua receita. Isso soa familiar?

A receita do leitor oferece a única via principal plausível da atual calmaria. Isso faz algum sentido quando pensamos que pequenos editores fariam de tudo para conseguir o sucesso no número de assinaturas online dos grandes veículos (New York Times, Financial Times, Washington Post e Wall Street Journal).

Esses pequenos editores investem em diversas esferas do Facebook para alcançar esse objetivo, na esperança de que pelo menos alguns desses grupos atingidos serão convertidos em assinaturas pagas. Porém, como dito nas entrelinhas por Thompson, a última coisa que deve ser feito com o leitor é tentar inserir o Facebook ou qualquer outra plataforma em uma situação de pagamento.

Tudo o que sabemos sobre o sucesso dos modos de pagamentos dos leitores digitais é baseado em relacionamentos. Uma relação de confiança entre a marca e leitor, que resulta no aumento de assinaturas que presenciamos no ano passado.

É possível que o Facebook ou as demais plataformas pensem em um novo meio de ajudar esses editores a criar vínculos entre as assinaturas e os leitores? Eles podem prover mais dados, mas a este ponto, seria apenas uma fração. Qualquer solução que insira as plataformas em um relacionamento entre as publicações e os leitores deve ser analisada com cautela.

11) SÃO SÓ ASSINATURAS. É A ESSÊNCIA DO FACEBOOK QUE É O PROBLEMA

Kint, do Digital Content Next, apresentou sucintamente.

“A posse de bancos de dados, bons relacionamentos, negociações econômicas e consolidação da marca são as verdadeiras importâncias para as propriedades midiáticas. Essas 3 coisas são as antíteses de como o Facebook potencializou seus negócios até hoje”, disse Kint.

“Eles esmagam a marca e distribuem como o artigo no nível do conteúdo, para que possam commoditizar o valor. Eles possuem todos os dados, e não dão nada destas informações. E eles querem a menor quantidade possível de fricção para maximizar a audiência em publicidade, inventário e dados. Eles odeiam relações de assinaturas. O que está sendo requisitado pelos editores é completamente oposto à atual estratégia do Facebook”.

A relação de alinhamento entre o Google e a Apple apresenta maiores nuances.

O Google percebeu, racionalmente, que o Facebook era a maior ameaça à suas estratégias publicitárias. A rede social inovou a AMP, de modo que acelerou consideravelmente a entrega de conteúdos na internet aberta. Isso foi um “empurrão” para novos editores, alguns dos quais relataram aumento de mais de dois dígitos no número de acessos, devido ao carregamento mais rápido das páginas. Por outro lado, a política do “1º clique gratuito” do Google, a qual estabelece que sites de assinatura não acessíveis ofereçam um ou mais acessos gratuitos aos visitantes que usam a pesquisa do Google, tem sido 1 ponto crítico. O Wall Street Journal retirou-se desse acordo no início de 2017.

A Apple irrita os editores com a divisão de receita generosa nas assinaturas vendidas através do iTunes que, no entanto, compartilham poucos dados dos leitores. Os editores gostam do fato de a Apple não competir com eles nas vendas de anúncios.

12) EXISTE ANTITRUSTE… ENTÃO, EXISTE ANTITRUSTE

Enquanto a indústria jornalística procura uma isenção ao antitruste, o próprio antitruste começa a incomodar os proprietários da mídia.

A atual lei dos Estados Unidos, geralmente, proíbe uma empresa de possuir 2 periódicos em um mesmo mercado. Em Chicago, neste mês (jul.), a companhia jornalística Tronc foi impedida de oferecer uma oferta vitoriosa ao Sun-Times por já possuir o Chicago Tribune. O ocorrido seguiu uma linha parecida com a ação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos no ano passado, que impediu a Tronc de comprar o Orange County Register devido à política antitruste.

As indústrias jornalística e de radiofusão se uniram no ano passado, logo após a vitória de Donald Trump, para pedir à Comissão Federal de Comunicações o fim das rigorosas regras de empresas com atividade comercial relacionada. Essas regras da instituição proíbem amplamente a propriedade conjunta de uma grande emissora de televisão e um grande jornal em um mesmo mercado.

O que significa “domínio de mercado” com a substituição digital por empresas de notícias analógicas e com a Era Trump?

“Pensamos que ambos (2 periódicos sobre a política antitruste e a atividade comercial relacionada), são ilógicos e antiquados neste momento“, disse Mike Klingensmith, presidente do conselho da Alliance e editor do Star Tribune. “Essa iniciativa sobre o duopólio ajuda a criar 1 debate sobre esse assunto”.

“Qual é a conexão?“, perguntei.

“Se você pode permitir que duas empresas controlem 70% da publicidade digital (nos Estados Unidos como um todo), como você pode proibir que 2 jornais controlem 15% dos anúncios em um metrô“?

Durante duas décadas, vimos que a tecnologia analógica proveniente do século XX parece meio boba em comparação à surgimento digital do século XXI. Essa discrepância resultante foi suficientemente ampla para conduzir uma “caravana de anúncios digitais, quase infinita de riquezas”. As empresas que “jogam limpo”, como a Google e seu método de pesquisa e o Facebook com a interação social, estiveram livres para contratar os melhores advogados e se livrar de desafios na justiça.

Perder-se em um redemoinho de conversa sobre antitruste é um reconhecimento dos valores sociais para o negocio local e nacional de notícias. Isso é o que realmente está em jogo. No entanto, nesse exato momento, os políticos e analistas de mercado ainda não começaram a pensar em resoluções para isso.

13) SE ELES SE CHAMAM “GOOGLE NEWS” E FACEBOOK NEWS FEED”, ISSO QUER DIZER QUE É APRESENTAM NOTÍCIAS?

A cumplicidade do Facebook em uma época de ignorância eleitoral e informações omitidas não deveria ser esquecida. Mark Zuckerberg, e o Facebook, desejaram tornar-se o centro da vida dos seus usuários e fingir que as horas gastas mensalmente em “notícias” realmente fariam a diferença na vida de alguém. Até quando uma das promessas da Google Digital News Initiative de criar “jornalismo” por meio da inteligência artificiaI, o Google e o Facebook não enfrentaram a verdade como acontece com uma empresa de notícias.

Essas empresas são distribuidoras de informações que poderiam criar um mundo melhor se não fingissem ser fontes de notícia. Ambas estão em uma posição que poderia desenhar uma linha forte para seus usuários. Eles podem lembrar seus usuários que a verdadeira notícia é criada por verdadeiros jornalistas –e incentivar o apoio a tais profissionais, sem entrar no meio e no fluxo de retorno.

14) PODE UM ANTIGO MONOPÓLIO AGORA CRITICAR UM DUOPÓLIO?

Jornais já foram monopólios e dominaram as cidades norte-americanas, colocando tarifas publicitárias altas para todos, desde grandes lojas de departamento até pequenas mercearias que colocavam anúncios classificados (pagos!) nas suas páginas.

Agora fragilizados, esses jornais gritam para o Congresso: “Duopólio!”.

Isso é justo? Provavelmente não. É apenas um daqueles acidentes da história que vemos acumulados ao longo da estrada. A forma como juntamos tudo isso pode ser atraente para os historiadores, mas o trabalho a frente de todos nós é de esclarecer tudo isso.
__

*Ken Doctor é analista da indústria de notícias e autor do livro “Newsonomics: 12 novas tendências que moldarão como você recebe notícias” (St. Martin’s Press). Também coordena o site do livro, newsonomics.com. É um analista para a firma de pesquisa Outsell, e, regularmente, consultor e palestrante. Passou 21 anos com a Knight Ridder em diversos cargos, incluindo editor administrativo do St. Paul Pioneer Press e vice-presidente do Knight Ridder Digital. Leia este texto original, em inglês.

KEN DOCTOR ” NIEMAN LAB” ( EUA) / ” PODER 360″ ( BRASIL)
__
O Poder360 tem uma parceria com o Nieman Lab para publicar semanalmente no Brasil os textos desse centro de estudos da Fundação Nieman, de Harvard. Para ler todos os artigos do Nieman Lab já traduzidos pelo Poder360, clique aqui.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s