O AMOR EM TEMPOS DE TINDER

ILUSTRAmw-860.jpg

ILUSTRAÇÃO: GONÇALO VIANNA

Numa era em que o sexo é tão acessível como um hambúrguer do McDonald’s, as aplicações móveis de encontros estão a revolucionar a forma como nos relacionamos. Viagem ao amor e ao sexo nos tempos modernos

Na véspera de falar para esta reportagem, Gabriela Costa, 32 anos, estava no último dia de uma viagem pelo Alentejo. À noite, estacionada no meio de nenhures, pegou no telemóvel para matar o tédio. Ali não havia nada para fazer, mas a vendedora numa loja de produtos de luxo não demorou a encontrar o que procurava.

A confissão sai-lhe sem lirismos: “Fui ter com um puto de 26 anos, forcado. Fomos foder para os campos de trigo, na parte de trás do carro dele, com as minhas pernas apoiadas uma em cada janela”. Era a primeira vez que se encontravam. Tinham começado a trocar mensagens de telemóvel no dia anterior.

A confissão poderá chocar as mentes mais conservadoras, mas não quem conhece o Tinder, uma aplicação para smartphone que está a revolucionar a vida afetiva e sexual de mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo. É precisamente esta a linguagem utilizada entre os seus utilizadores, em permanente busca pelo par perfeito.

A chave do sucesso está na forma simples e intuitiva como funciona: basta registar-se com o perfil do Facebook, escolher umas quantas fotos, definir o raio de procura (até 160 quilómetros), o sexo e a faixa etária de quem quer conhecer, e abre-se uma janela para um mundo de possibilidades românticas. É como se levasse no bolso “um bar de solteiros aberto 24 horas por dia”, na feliz expressão de Aziz Ansari, autor de “O Amor nos Tempos Modernos”, vencedor do prémio Goodreads para Melhor Livro de Não-Ficção de 2015.

À medida que os rostos vão aparecendo no ecrã, quase como uma caderneta de cromos virtual, é possível clicar para ver mais fotos e as informações do perfil. Depois é só deslizar o dedo para fazer a escolha, um gesto que em Portugal é repetido mais de 200 milhões de vezes por mês: para a direita se a pessoa lhe agrada, para a esquerda se não é o que procura.

Tu sim, tu não, tu definitivamente sim, tu não, não, não! É como ir ao supermercado: vê, compara, escolhe. Se o interesse for recíproco, dá-se aquilo a que no Tinder se chama match e ambos podem falar numa janela de chat. Daí para um copo a dois, uma qualquer cama ou o banco de trás de um carro num campo de trigo pode ser uma questão de horas.

Gabriela é lesta na advertência: “Não preciso de apps para ter sexo.” Olhando para ela, ninguém ousaria duvidar. É o tipo de mulher que vira cabeças no trânsito: loira, curvilínea, parece uma musa saída de um filme de Fellini. Ouviu falar da aplicação numa noite de verão há três anos.

“Estava num jantar e toda a gente falava do Tinder. Claro que tive de entrar. Inicialmente, era um misto de excitação e curiosidade para saber quem estava lá do outro lado e quem nos escolhia também. Sempre brinquei que parecia um talho, onde vais e escolhes o melhor ‘naco’, mas dei muitas quecas, a maior parte delas muito bem dadas.”

Se a app é ou não um veículo de sexo fácil, como muitos a acusam, depende da predisposição de cada um, defende. “Às vezes, depende também muito da quantidade de álcool que ingeriste”, ri-se, admitindo que, num mesmo dia, chegou a ter sexo com dois homens em ocasiões diferentes.

“Um era um filme antigo do Tinder, o outro um filme novo e fresco do Tinder.” Usa-o muito em viagem para conhecer pessoas e fazer programas diferentes, como explorar Santorini numa moto-4 ou ir a um concerto de uma banda alternativa. “Não tem necessariamente de haver uma componente sexual. Encontras gente bem interessante, pessoas que ficam para sempre na tua vida, pessoas que te fazem pensar no porquê de estares ali a perder o teu tempo. Não me lembro de nenhuma história má, talvez tenha tido sorte.”

Miguel, um engenheiro de 35 anos, concorda que o Tinder é “perfeito para usar em viagem”. Horas antes desta conversa, tinha-se encontrado com uma islandesa que conhecera no ano passado e que estava agora de visita a Portugal. “Sempre tive mais facilidade em conhecer mulheres na app quando estou a viajar do que cá em Portugal.

As estrangeiras estão mais abertas a conhecer-te, talvez por seres novidade, alguém diferente.” Recorda, por exemplo, a vietnamita que gritava muito e lhe dizia “não tenhas medo de me magoar”; a polaca que lhe apareceu à porta do hotel numa gabardina, “como num filme”, depois de meia dúzia de frase trocadas; ou a libanesa que passava férias num hotel chique em Lisboa e que o levou a jantar e depois o convidou a subir para o quarto.

Começou a usar a aplicação “há três ou quatro anos”, no meio de uma relação tremida que acabou meses depois. A primeira pessoa que conheceu foi “como uma lufada de ar fresco”. Passaram a noite juntos, mas não voltaram a ver-se, porque ela, chilena, estava apenas de passagem por Lisboa.

No Tinder, encontrou de tudo: mulheres solteiras e outras comprometidas “à procura de algo diferente”, casais que queriam “novas experiências”, pessoas “mais ou menos famosas” que nunca pensou que ali andassem. Estudantes, diretoras de empresas, turistas, locais. Mulheres que desejavam um relacionamento e outras que apenas queriam sexo. Dos 20 aos 40 anos. “A dada altura, conhecer pessoas novas torna-se quase um jogo. Cheguei a ter três e quatro encontros por semana, ou mesmo mais. Se não tivermos cuidado, pode tornar-se extremamente viciante e desorganizar-nos um pouco a vida.”

Para o engenheiro, a app é um meio “fácil e rápido” de encontrar um parceiro sexual, mas também de alimentar uma fantasia ou mesmo o ego. Já para começar uma relação não acredita que seja o local ideal. “Só o facto de conhecer alguém nesse ambiente faria com que demorasse bastante tempo para que isso deixasse de ser um pormenor importante.”

mw-768.jpg

Catarina Beato e Pedro Góis conheceram-se por causa do Tinder, que ambos usavam, mas nunca chegaram a conversar na aplicação. Estão juntos há dois anos e há um foram pais de uma menina FOTO : LUIS BARRA

O LUXO DA FELICIDADE

Ainda que o fundador do Tinder, Sean Rad, repita em todas as oportunidades que é frequentemente convidado para o casamento de pessoas que se conheceram na aplicação, vários investigadores sugerem que Miguel poderá ter razão. “Parem de usar o Tinder, está a destruir a vossa vida amorosa”, alerta o psicólogo Barry Schwartz, do Swarthmore College, uma das mais prestigiadas universidades dos Estados Unidos.

A sua tese é simples: o facto de termos tanta possibilidade de escolha não se traduz necessariamente em maior probabilidade de nos apaixonarmos. Pelo contrário, torna-nos peritos na incapacidade de assumir as nossas decisões. De escolher. E porque haveríamos de fazê-lo? Alguém mais bonito, mais inteligente, mais rico, pode estar a apenas um clique de distância. Bem-vindos ao “paradoxo da eleição”, um conceito popularizado pelo psicólogo americano há cerca de uma década.

“O mesmo bloqueio que sentimos quando compramos uns jeans aplica-se aos relacionamentos: não importa o quão atrativa uma opção parece, há sempre a possibilidade de encontrarmos uma melhor se continuarmos à procura”, explica Schwartz ao Expresso. Quando por fim decidimos acabamos geralmente por tomar piores decisões. E mesmo quando escolhemos a melhor opção, ficamos menos satisfeitos quando tivemos de optar entre muitas hipóteses do que se só tivéssemos algumas. “Criámos um mundo onde muitas pessoas assumem uma relação, mas estão sempre a olhar por cima do ombro do parceiro a ver se alguém ‘melhor’ aparece.”

Por isso, defende Schwartz, é muito mais difícil ‘assentar’ agora do que quando as opções eram limitadas. Basta olhar para as estatísticas: o matrimónio e a natalidade estão em declínio, casa-se muito mais tarde, há cada vez mais solteiros. Para quê apressar as coisas, pensamos. O melhor pode estar para vir.

“As pessoas estão à procura de almas gémeas e não se contentam com algo menos do que isso”, afirma ao Expresso o sociólogo Eric Klinenberg, coautor de “O Amor nos Tempos Modernos”. “Isso faz sentido, de certa forma, porque hoje as pessoas não precisam realmente de se casar. É legítimo ficarem solteiros durante muito tempo, ou simplesmente coabitar sem um anel de casamento. E como há tantos solteiros por aí, podem viver a sós sem nunca se sentirem sozinhos.”

A procura da “alma gémea” é um fenómeno relativamente recente. Tem origem nos anos 70 e, segundo a socióloga Emília Araújo, da Universidade do Minho, relaciona-se com a afirmação da autonomia e da individualização do homem moderno, que “procura superar a sua condição humana, o peso das suas limitações, o peso das frustrações e dos medos na ‘autenticidade’ dos seus relacionamentos”.

Esta “fragilidade”, nota a socióloga, é excessivamente mediatizada, sublinhando a procura do “viver feliz para sempre”, e cria duas ideias: a de que há uma pessoa à nossa espera ou à nossa procura tal como acontece nos filmes, nas séries e nas novelas; e a de que o caminho “é fácil e rápido” através da tecnologia, como as redes sociais e as aplicações de smartphone. “Há um deslumbramento com a oferta da tecnologia, tanto naquilo que ela possibilita (como meio), como naquilo que ela dá a mostrar (o mundo dos outros, estável, feliz, embora virtual e irreal).”

Casar passou a ser uma opção e não uma obrigação social. Se antes o amor era algo que se ia cozinhando em banho-maria, com alguém que vivia perto e era ‘suficientemente bom’, agora quer-se que ferva desde o início. Procura-se alguém ‘perfeito’, que supra todas as nossas necessidades, o que pode tornar-se um stresse tremendo, mesmo numa época em que temos mais ferramentas do que nunca para o conseguir.

A ERA DOS AMORES FAST-FOOD

Helena Magalhães, 31 anos, é autora de “Diz-lhe Que Não”, uma espécie de guia para mulheres “moderadamente românticas que acreditam que o amor é outra coisa”. O retrato que a jornalista e blogger, colaboradora do “Observador”, pinta da geração Tinder é quase apocalíptico: “Bem-vindos à era dos amores fast-food. Das não-relações. Das conversas noite dentro pelo WhatsApp.

Dos amigos coloridos. Das relações casuais.” Um mundo onde se grita sexo, sexo, sexo e falar de amor se tornou um pecado capital. Onde abunda a luxúria, mas já não há romance. “Estamos sempre à procura de uma pessoa melhor, porque temos a falsa sensação que há muita gente disponível à nossa volta. Isso faz com que não nos consigamos contentar, é como estar a preencher uma caderneta.”

Um dos capítulos do livro é dedicado aos pesadelos do Tinder. A autora instalou a app para escrever uma crónica sobre o tema, mas, como estava solteira há algum tempo, decidiu dar-lhe uma oportunidade. “Estava a passar por uma daquelas fases da vida em que parece que nada bate certo, ninguém nos quer, ninguém gosta de nós, não nos apetece sair de casa nem temos vontade de fazer nada. E ficar pela noite dentro a falar com tipos do Tinder tornou-se viciante. E esta é mesmo a doença dos tempos modernos. Todos ludibriamos a nossa solidão com um pouco de amor virtual.”

Depois de muitas “abordagens ridículas”, a começar pelas fotografias — “numa aplicação em que temos segundos para decidir se aquela pessoa nos interessa ou não, devia haver um curso para ensinar os homens” — aceitou ter três encontros: conheceu um músico que parecia “normalíssimo e virtualmente engraçado” mas que se revelou um artista amargurado, egoísta e egocêntrico; um jornalista que não tinha dinheiro para pagar o jantar e que usava meias rotas em casa; e um tipo “muito interessante” mas 20 centímetros mais baixo do que ela. Nenhum passou do primeiro encontro. Desinstalou a app. “Estas aplicações acabam por mostrar o pior lado das pessoas, são uma breve destruição do amor, uma coisa muito superficial, muito focada na imagem. Para mim, que sou completamente a favor dos cheiros e dos toques, é impossível querer conhecer alguém com base numa fotografia. Isso não vale nada.”

A AGULHA NO PALHEIRO

Apesar do pessimismo de Helena, não faltam histórias felizes, como a de Filipe, um investigador na área das ciências sociais que conheceu a atual namorada no Tinder. Estava solteiro há três anos e decidiu instalar a app em outubro de 2015, movido pela curiosidade. “Achei que não havia muito a perder. Era apenas algo para passar tempo, não me parecia que fosse encontrar alguém para uma relação séria, mas acabou por me trocar as voltas.”

No final do ano passado, fez match com uma rapariga que como foto de perfil tinha apenas uma imagem que ele usara como fundo de ambiente de trabalho do PC. Começaram a falar, encontraram-se uma semana depois e o que inicialmente era “apenas sexo” acabou por se tornar algo mais sério.

Encontrar a agulha no grande palheiro do Tinder é “difícil, mas possível”, comprova também Catarina Mira. A viver em Londres há cinco anos, a atriz — que fez parte do elenco de “Morangos com Açúcar” e participou no filme “The Rezort”, que estreou este ano no Netflix — decidiu experimentar a app no início de 2015, para escrever uma crónica sobre relacionamentos virtuais que nunca chegou a acabar.

“Fui tomar chá ao café de uma amiga em Brick Lane e ela estava na companhia de um rapaz muito jeitoso. Perguntei-lhe onde se tinham conhecido e ela disse-me que tinha sido no Tinder. Nesse dia instalei a app. Numa cidade grande, como Londres, há pouco tempo para conhecer novas pessoas.”

Usou-a menos de 24 horas. Não porque não tenha gostado da experiência, mas porque se apaixonou logo. “Saí com duas pessoas e ao segundo encontro acertei no jackpot.” Uma semana depois de se conhecerem, Martin, um publicitário escocês de 31 anos, apanhou-a em casa sem lhe revelar o destino e levou-a para “um hotel incrível” em Sommerset onde a pediu em namoro.

“Encontrei o amor da minha vida, o tronco da minha raiz”, confessa a atriz, que até então achava “inconcebível” a ideia de se apaixonar por alguém que conhecera virtualmente. “Achava que era uma coisa muito perversa e que só pessoas muito desesperadas em encontrar amor, sexo ou o que for recorreriam a isso. Mas há lá de tudo, como na vida real.”

Mais extraordinária é a história de Catarina Beato, blogger e autora, de 39 anos. Ela e o marido, Pedro Góis, um operador de câmara de 42 anos, conheceram-se por causa do Tinder, que ambos usavam, mas nunca chegaram a conversar na aplicação. Ele viu a foto dela, deslizou o dedo para a direita em sinal de aprovação, mas ela nunca chegou a ver o perfil dele, porque definira que apenas queria conhecer homens entre os 19 e os 29 anos. “Sim, gosto deles mais jovens”, confessa Catarina, rindo-se. “Se algum dia me divorciar vou procurar um cabo-verdiano de 19 anos.”

Se hoje estão juntos é porque um amigo de Pedro viu a foto dela e disse-lhe que sabia quem ela era. Nesse mesmo dia, Pedro adicionou-a no Facebook. Começaram a conversar e encontraram-se horas depois. “Ele chegou de calções, em alças e não me tocou com um dedo. Achei que era gay e queria fazer uma amiga. Fiquei triste e frustrada, porque ele era giro e interessante.”

Voltaram a combinar no dia seguinte e mês e meio depois estavam casados. “Eu já tinha dois filhos e ele tinha um, então meio a brincar dissemos que não queríamos ser namorados. Achámos que [casar] seria uma forma diferente de celebrar a nossa união. Quando fomos ao registo ainda nem sequer estávamos a viver na mesma casa.” Estão juntos há dois anos e há cerca de um foram pais de uma menina, Maria Luísa, o primeiro caso conhecido de um “Tinder baby” português.

mw-768 (1).jpg

Catarina Mira, atriz que fez parte do elenco de “Morangos com Açúcar” e recentemente participou no filme “The Rezort”, que estreou este ano no Netflix, encontrou a sua alma gémea ao segundo encontro no Tinder FOTO: DAVID PIEDADE

QUE FUTURO PARA A MONOGAMIA?

Se há muitas mulheres que se sentem frustradas pela banalização do sexo que estas apps promovem, para outras essa perda de pudor foi libertadora. “Joana” [o nome foi alterado para lhe preservar a identidade], uma artista de trinta e poucos anos, casou-se no tempo em que ainda não havia smartphones e os sites de encontros eram um universo algo sombrio e muito pouco sedutor.

Durante quase uma década foi uma mulher “exemplar e muito fiel”, comprometida no seu papel de esposa e sem nunca ter vontade ou curiosidade de conhecer outro homem. Há pouco mais de um ano, apaixonou-se por um colega de trabalho e o amor acabou numa cama de hotel. Literalmente. “Só estivemos juntos dessa vez. Depois de acontecer, perdeu a magia. Acabou logo ali, percebi que era só sexo. Senti-me usada.”

Porém, do ponto de vista criativo, aquela aventura tinha tido um efeito “fabuloso”. Sentia-se mais inspirada do que nunca. “Não sabia o que o tinha provocado. Se tinha sido o amor, o desejo, o segredo, se tinha sido uma combinação de tudo.” Procurou uma sexóloga e percebeu que a monogamia não era para ela, criava-lhe frustração.

Foi um choque. “Sou superfã da ideia do casamento, do ficar com o nome do marido, ser possessão de um homem, isso é uma coisa que me mete nas nuvens. De repente, assumir que sou de alguém mas quero ser de três ou quatro, foi um pouco estranho. Ao mesmo tempo, foi muito libertador. Descobri que não queria viver segundo aquelas ideias vitorianas do ‘casaram-se e foram felizes para sempre’”.

Percebeu que para conhecer outras pessoas tinha de sair da sua esfera pessoal, que estava “contaminada pela presença do marido”. Decidiu instalar o Happn, uma app semelhante ao Tinder mas que apresenta perfis de pessoas com quem o utilizador poderá ter-se cruzado durante o dia. Aos poucos, foi criando um alter ego que se alimentava de relações fugazes: no espaço de um ano, envolveu-se sexualmente com cerca de 30 homens, a maioria dos quais casados ou comprometidos como ela.

Num só dia chegou a estar com quatro, em ocasiões diferentes. Quase precisa de uma folha Excel para se lembrar dos detalhes básicos de cada um deles. Tinha um problema: a adrenalina de uma nova conquista tornara-se viciante, andava compulsivamente “numa atitude quase predatória”. Não conseguia parar. “As mulheres também podem ser caçadoras. E este género de apps dá-lhes imenso poder.”

“Joana” abrandou o ritmo dos encontros, mas não pensa parar. “Parar é morrer. Não vou voltar àquele estado de inconsciência em que tenho vergonha do que sou ou de dizer que quero sexo. Mas também sei que tenho pessoas à minha volta que sei que quero proteger.” Não sente que esteja a trair o marido. “Às vezes, para me desculpar, para fazer festinhas à minha culpa, penso que não escolhi outro homem para ter filhos, é para a casa dele que vou ao fim do dia, é no colo dele que choro quando tenho problemas, é o primeiro a quem conto uma alegria. Nunca conheci ninguém através da aplicação por quem fosse capaz de largar tudo.”

TINDER SURPRESA

Esta experimentação sexual, sem grandes amarras, começa cada vez mais cedo. Inês, uma estudante de 19 anos, percebeu depressa que a monogamia era uma espécie “quase extinta”. Começou com 15 anos a usar apps de encontros como forma de “procurar atenção masculina”, mas teve sempre a noção que o objetivo principal de quem as usava era a procura de sexo fácil. “Sendo uma rapariga nova e bonita, não era complicado estar com quem queria.

No Tinder, devo ter-me encontrado com três ou quatro rapazes, mas através de outras redes devo ter tido encontros com cerca de 20. Desses, tive relacionamentos sérios com dois e com 11 outros tive apenas relações sexuais. Alguns ficaram ‘amigos coloridos’. Por vezes, não chegávamos sequer a tomar café, íamos diretos ao assunto. A única questão era: carro ou casa?”

Procurava sobretudo rapazes um pouco mais velhos do que ela, de 20 e alguns anos, mas encontrou de tudo na app. “Conheci pessoas que apenas queriam falar um pouco, que queriam namorar, que só queriam sexo e alguns até davam a entender isso logo na primeira frase, que apenas queriam fazer sexting, que queriam experimentar algo, que procuravam alguém para uma orgia ou para fazer swing, pessoas na casa dos 40/50 anos que, mesmo estando conscientes que eu tinha 16, 17 anos na altura, faziam propostas sexuais, pessoas comprometidas dispostas a trair o companheiro(a)…”

Consciente da ameaça dos predadores online, considera que, apesar disso, estas apps são um meio “mais simples e seguro” de ter sexo. “Acho muito mais perigoso conhecer alguém num bar ou numa discoteca, onde não sabes nada sobre essa pessoa nem sobre as suas intenções, e não há tempo para teres uma conversa. Nunca fui muito de sair à noite e sempre tive interesse em rapazes mais velhos, logo conhecer pessoas novas nem sempre foi muito fácil para mim, e sexo então nem se fala. Esta era uma forma fácil de resolver isso.”

A jovem estudante considera que, além de colocarem o sexo a um clique de distância, estas apps têm um outro grande apelo: ajudam a “elevar o ego” de quem as usa. “No fundo, é o que toda a gente quer: atenção, sentirmo-nos desejados. E numa app como o Tinder isso é quase um dado adquirido”. A imagem, assegura, tornou-se o centro de tudo. Garante que se tornou muito exigente com o aspeto físico das pessoas com quem se relaciona por ter começado cedo a avaliá-las através de fotografias. “A personalidade é quase completamente posta de lado.”

Estarão este tipo de apps a fomentar a superficialidade e um ambiente desumanizado dominado pela ditadura da imagem? Didier Rappaport, o fundador do Happn, defende-se. “O que tentamos fazer é replicar o que acontece na vida real. Quando nos cruzamos com alguém na rua, é na aparência que reparamos primeiro. Algumas pessoas ficarão pela aparência. Outras veem mais além e têm interesse em conhecer essa pessoa.

No mundo digital é igual. Quando alguém nos agrada, muito rapidamente passamos para lá da imagem, tentamos saber os seus interesses, conversar com ela”, explica ao Expresso o diretor-geral da app, que é usada por 33 milhões de pessoas em todo o mundo, 250 mil das quais em Portugal (130 mil na região de Lisboa) — 42% têm entre 25 e 34 anos.

Para o psicólogo Miguel Ricou, investigador do CINTESIS — Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, o facto de a imagem se ter tornado cada vez mais importante é uma consequência não da internet, mas do facto de os relacionamentos serem hoje mais rápidos e menos baseados em características que visem a estabilidade.

“O prazer e a felicidade são valores máximos, a estabilidade e o investimento são menos importantes. Logo, não é necessário um conhecimento tão profundo que aumente a probabilidade da relação ser durável.” Para este especialista, vivemos na sociedade da escolha e este tipo de apps veio apenas aumentar o leque de hipóteses, respondendo a essa necessidade. “Podemos conhecer mais pessoas num ano do que em toda a vida dos nossos antepassados. As pessoas ainda procuram a escolha certa, e esta cada vez menos existe. Isso pode tornar-se difícil e angustiante, mas não tem de ser uma coisa má num mundo onde podemos com maior facilidade fazer mudanças.”

Nesse ambiente, a abordagem casual do Tinder pode até ser uma grande vantagem, defende Eli J. Finkel, psicólogo da Universidade de Northwestern e estudioso da evolução dos encontros online. “As pessoas assumem que as relações são a curto ou a longo prazo. Se isso fosse verdade, a abordagem casual que o Tinder fomenta seria problemática para pessoas que procuram relacionamentos mais profundos. Mas essa suposição é falsa.

À medida que qualquer relação nova se desenvolve — ao longo de minutos, dias e meses — estamos a avaliar se a queremos manter ou não. Se a resposta continuar a ser sim ao longo do tempo, então a relação torna-se duradoura, mesmo que, inicialmente, ambos os parceiros pensassem que iam ter um one night stand. A maior parte das pessoas não decide à partida o que querem. Mantém uma mente aberta.”

Até porque, muitas vezes, a vida troca-nos as voltas. Quando, há cinco anos, começou a usar o Grindr — uma app de encontros dirigida a um público homossexual —, “Ricardo” [nome fictício], 37 anos, sabia bem o que queria: sexo anónimo, de uma noite, preferencialmente com estrangeiros, sem direito a repetição. Acabado de sair de um relacionamento de cinco anos, não queria prender-se a nada. Só trocar umas palavras rápidas e marcar um encontro. Gratificação imediata.

Era também isso que procurava quando há dois anos fez uma viagem à Madeira. Mais um engate. Deixou os amigos a beber um copo num bar e foi ter com “Pedro”, 38 anos. “Não conversámos quase nada. Cheguei, fodemos e vim-me embora, mas antes trocámos números.” Antes de regressar ao continente, tomaram um copo, depois jantaram com dois amigos.

Passado duas semanas, “Pedro” comprou um bilhete de avião e veio passar o fim de semana com ele. Três meses depois alugou uma casa em Lisboa e mudou-se. Vivem juntos há quase dois anos, nunca mais ligaram a aplicação. “Foi como um amor de verão que perdurou. Sem a app não o teria conhecido. A aplicação veio facilitar muito a vida aos gays, aumentar a rede de pessoas que podem conhecer. Permite que procures a pessoa que encaixa contigo.”

Lançada por Joel Simkhai, em 2009, três anos antes do Tinder, o Grindr foi pioneiro nas aplicações de encontros. Hoje, é utilizada por cerca de dois milhões de homens em todo o mundo, dos Estados Unidos ao Iraque, que encontram nela um porto seguro para perseguir os seus interesses românticos e sexuais. “Se me cruzo com um homem na rua e olho mais para ele, posso levar um murro ou ele pode gozar-me. Na aplicação, sabemos porque é que as pessoas estão ali, é por isso que tem sucesso. É como um bar ou uma discoteca para gays, sabes que não vais ser julgado”, afirma “Ricardo”.

João, 31 anos, instalou o Grindr no telemóvel mal este chegou a Portugal. “Na altura ainda estava a estudar e a viver em casa dos meus pais”, conta. Admite que a app e outras do género é muito usada para “sexo rápido sem ser necessário grandes conversas”, mas confessa que essa nunca foi a sua principal motivação. “Usei-a porque queria conhecer pessoas novas. É óbvio que um encontro casual para tomar um copo ou um café pode acabar em sexo, não vou dizer que isso nunca aconteceu, mas, no geral, não era isso que me movia.”

O jovem, funcionário de uma loja de pronto a vestir, está solteiro há dois anos. A última relação amorosa teve início numa app semelhante ao Grindr, chamada Scruff. “Começámos a falar, sem qualquer conotação sexual, e quando demos por isso já não passávamos um dia sem trocar mensagens ou falar pelo Skype. Até que nos encontrámos pessoalmente e a coisa foi evoluindo.”

Estarão aplicações como o Tinder, o Happn e o Grindr a tornar o sexo mais acessível e fácil do que nunca? É provável que sim. Estarão realmente a matar o amor? É pouco provável. Se conhecemos hoje mais pessoas do que nunca e, mesmo assim, não estamos satisfeitos, a culpa não será certamente de uma app. Não é preciso ser um cientista para percebê-lo.

NELSON MARQUES ” EXPRESSO” ( PORTUGAL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s