O LIVRO QUE VIROU O MANUAL DE AUTO-AJUDA PARA QUEM VAI PARA O PRESÍDIO DA PAPUDA

mario-rosa-UOL-divulgacao

Mario Rosa, autor de “Entre a glória e a vergonha – Memórias de um consultor de crises”

Opinião é do editor da obra, Luiz Emediato

“Glória e Vergonha” será lançado 4ª feira

O EPITÁFIO DA POLÍTICA BRASILEIRA

Quarta feira, dia 2 de agosto de 2017, o Congresso viverá uma situação bastante inusitada. O plenário da Câmara dos Deputados estará provavelmente decidindo o destino do presidente Michel Temer. Ao mesmo tempo, no Salão Nobre, aquilo que deveria ser uma prosaica noite de autógrafos será com certeza um evento digno do teatro de absurdo: o ex-jornalista e consultor de crises Mario Rosa, citado na Operação Acrônimo da Polícia Federal, terá diante de si uma fila de políticos igualmente citados nas mais diversas operações, investigados, tornados réus e eventualmente a caminho de uma temporada na penitenciária da Papuda.

Todos esses personagens –nem todos, claro, culpados, embora acusados– estarão em volta do livro “Entre a glória e a vergonha – Memórias de um consultor de crises”, no qual Mario Rosa discorre sem pudor sobre como atuou para clientes e “pacientes” poderosos. Alguns do mencionados já são criminosos condenados, prisioneiros em cadeias ou em suas próprias casas, investigados, delatores e delatados por seus negócios bilionários que, além de trazerem prejuízos para o país, paralisaram a 6ª ou 7ª economia do planeta.

Eu, editor desse livro –e igualmente citado, óbvio que indevidamente, na delação de um desinformado diretor da JBS– também estarei ali. Ficarei observando entre a glória e a vergonha esse cenário que visito desde 1978, quando, jovem jornalista, fui pela primeira vez a Brasília fazer uma reportagem especial sobre a “ilha da fantasia”, a capital federal que vivia seu teatro de vaidades, já naqueles tempos, sem considerar que existia, mais além, um país chamado Brasil, com seu povo, seus cidadãos com seus nunca realizados sonhos de prosperidade.

O que terá acontecido neste país que teve políticos como Joaquim Nabuco, Getúlio Vargas, Gustavo Capanema, Tancredo Neves, Carlos Lacerda, João Goulart, Afonso Arinos de Mello Franco, Pedro Aleixo, Juscelino Kubitschek e acabou dominada pelos atuais “próceres” da Nação, que circulam no Congresso de olhos esbugalhados, em pânico, à espera da próxima delação da Lava Jato? No que se transformou afinal a política brasileira?

Há 2.400 anos, Platão escreveu na velha Grécia democrática (mas ali também havia escravos, nada é perfeito…) que o castigo dos homens capazes que se recusam a participar da política é viver sob o domínio dos incapazes. Entre nós, acredito que o abandono da política por gente do calibre de Juscelino Kubitscheck e Paulo Brossard, pela morte, pela cassação ou pelo desânimo, abriu espaço não digo para os “incapazes” a que se referia Platão, mas para os “espertos”, os representantes de corporações, os políticos na prática “contratados” pelas empreiteiras, pelo agronegócio, pelas igrejas e pelos bancos para garantir seus negócios e elevar ao máximo os seus lucros com menos esforços.

A busca do poder pela justa vaidade, pela glória, pelo gosto de servir ao público, pela nobreza, vá lá, foi substituída pelo gosto de se fazer dinheiro. Aqui, o que se mistura é a velha fórmula de sempre, dinheiro, poder e sexo –como o desatino que levou um poderoso presidente de banco estatal a se jogar nos braços de uma socialite de cabelos oxigenados e falas vulgares, sem temor e sem pudor, e é fato que não foi só por isso que ele acabou na cadeia.

Como editor dos livros de Mario Rosa –editei outros 2 antes do atual, “A era do escândalo” e “Reputação” (premonitório, este…)–, pensei em descrever neste texto como as relações de poder tinham chegado, em nosso país, a esta situação em que grandes personagens da economia, das artes, da política, precisam recorrer a um “consultor de crises” para ajudá-los sair das enrascadas em que se metem. Ou a como infernizar a vida dos concorrentes, obrigando-os, por sua vez, a recorrerem a outros consultores de crises, para resolver a confusão criada.

O tempora, o mores! [“Ó tempos! Ó costumes!”], bradou Cícero chocado com a depravação de seus contemporâneos. Que se pode bradar hoje diante desses fatos espantosos?

Houve um tempo, no Brasil, em que os empresários faziam seus negócios mais ao longe, com certa ética, e os políticos –menos acionados por eles– faziam leis, discursos e projetos, enquanto, claro, se digladiavam para ver quem melhor tocava o país. Não que estivesse dando certo. Certo, nunca deu. Mas sem dúvida havia menos vulgaridade na cena –ainda que um senador Arnon de Mello, pai do Fernando, pudesse sacar seu revólver no plenário, mirar num desafeto, matar outro e não ser preso.

Como o espaço já chega ao fim e pouco falei do indigitado livro do espertíssimo consultor de crises, obrigo-me a concluir dizendo apenas que, já lido pelo presidente Michel Temer a caminho do G-20, e por seu possível sucessor Rodrigo Maia a caminho sabe-se lá de onde, tornou-se esse livro, por uma fatalidade e pelas circunstâncias, uma obra que nasceu como memórias e está a caminho de se transformar, não tenham dúvidas, numa espécie de manual de autoajuda da Papuda. Não redime, mas consola.

LUIZ FERNANDO EMEDIATO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

= = = = = =

Leia o livro “Entre a glória e a vergonha”, de Mario Rosa, também aqui no Poder360.
Luiz Fernando Emediato, 65 anos, é escritor, jornalista, cineasta, editor de livros e consultor de comunicação e políticas públicas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s