POR ENQUANTO, SÓ HÁ UM TIME PRONTO PARA ENTRAR EM CAMPO

temer_20jul-1.jpg

FOTO DE SÉRGIO LIMA

Desmobilização de opositores é decepcionante surpresa

A ESQUERDA VENCIDA E IMPOTENTE

A não ser que um revés de proporções épicas se abata sobre as hostes governistas, o Palácio do Planalto deverá celebrar como vitória o resultado da votação da admissibilidade, ou não, da denúncia do Ministério Público contra Michel Temer.

É pouco provável que mais de 250 deputados votem contra o pedido do procurador-geral, Rodrigo Janot, para que o Supremo Tribunal Federal transforme Temer em réu por corrupção passiva. Mas é razoável crer que ele terá mais de 200 votos, o que inviabiliza o andamento da denúncia: nesta 4ª feira 2 de agosto serão necessários 172 votos “sim” (a favor do relatório de Paulo Abi-Ackel, PSDB-MG) para que o Planalto celebre a glória imolada na vergonha de se ter um chefe de Executivo processado por corrupção no curso do mandato (mesmo que não tenha colhido um voto sequer, para si, nas urnas de 2014, legitimando-o no posto que ocupa). À oposição caberia a hercúlea tarefa de arregimentar 342 votos “não”, o que seus líderes assumiram como missão impossível.

A vitória de Temer espelhada na decepção e na derrota dos anseios da sociedade brasileira –na última segunda-feira, 31 de julho, a plataforma Avaaz divulgou pesquisa encomendada ao Ibope na qual 81% dos brasileiros diziam esperar que a Câmara dos Deputados concedesse licença para o processo– dá a dimensão da tragédia que se abateu sobre a esquerda brasileira.

Incapazes de barrar a escalada do impeachment canalha e ilegítimo tocado como vendeta pelo ex-presidente da Câmara, atual presidiário, Eduardo Cunha, o Partido dos Trabalhadores e seus sócios no governo no período de 2003 a 2016, PCdoB, PSB, PDT e facções minoritárias de outras siglas abrigadas na intersecção entre o centro, a centro-direita e a centro-esquerda de nosso abecedário partidário, revelaram-se incompetentes quando a fortuna lhes apresentou uma chance clara de revanche.

Tonificada pelo Psol e pela atuação determinada de alguns bravos parlamentares que tomaram de Marina Silva o protagonismo parlamentar da Rede, mas abalada pela divisão de socialistas, a oposição congressual formada após a deposição de Dilma Rousseff resignou-se cedo demais ante o incansável trabalho de artífice do fisiologismo encarnado por Michel Temer.

Os oposicionistas não lograram êxito em unir a sociedade civil. Não souberam se beneficiar da clara adesão do maior conglomerado nacional de mídia –as Organizações Globo– a favor do afastamento de Temer de suas funções de chefe de governo e não seduziram as ruas.

A esquerda brasileira assiste impotente, e de bandeiras arriadas, a destruição de políticas icônicas dos seus tempos de comando sobre a agenda nacional: o Bolsa Família, o ProUni, o Fies, o Mais Médicos, o Minha Casa Minha Vida, o vigoroso combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil, além de tantos outros programas que compunham a rede de proteção social do Brasil e que permitiram uma incontestável e inigualável redução da população que vivia em condições miseráveis, são hoje letras mortas em meio à tecnocracia pragmática de um governo que troca migalhas do Orçamento da União por votos necessários a salvar o pescoço de Temer.

Urge saber, à esquerda e à direita, o que será do Brasil a partir da alvorada do dia 3 de agosto, que deverá ser o dia seguinte à acachapante vitória da minoria ante a queda impotente da maioria do Parlamento e da sociedade civil.

Diante da incapacidade de resgatar as promessas de assalto às arcas do Tesouro, por absoluta falta de fundos, haverá no governo quem advogue ao raiar desse dia a ampliação da meta de déficit fiscal –assumindo de pronto a falência das juras de austeridade e executando os primeiros golpes de machado aos cofres públicos.

Na sequência, apresentar-se-ão opções de prioridades excludentes aos cidadãos: ou se conservará algum investimento, ou se pagará funcionários terceirizados; seguir-se-á com as obras de transposição do Rio São Francisco, ou se autorizará o Governo Federal a continuar cobrindo os custos da incúria administrativa de um Rio de Janeiro saqueado por gerações seguidas de maus governadores e de governadores ladrões. E por uma série infindável e pornográfica de seleções na base do “ou isso, ou aquilo” o país descobrirá que faliu. Que quebrou. Que ruiu.

O cinismo, a hipocrisia e os interesses subalternos quase confessos da camarilha que nos trouxe até aqui –a mesma turma que aguarda o desfecho da votação (e iminente rejeição) da admissibilidade do processo contra Temer para declarar abertos os trabalhos do bufê do “baile da Ilha Fiscal” que certamente promoverão no Palácio do Jaburu– era esperado.

A desmobilização da oposição, a inexistência de vozes vigorosas em seu núcleo de comando –aliás, a dificuldade que temos de divisar na oposição um núcleo de comando– e a escassez de apoio popular àquelas que foram teses tão caras aos movimentos que lutaram pela redemocratização do Brasil durante a ditadura militar são uma decepcionante surpresa.

Hoje, só há um movimento que parece se organizar de forma orgânica –e o faz do centro à direita, da direita ao centro: é a tentativa, correta, do DEM e de políticos insatisfeitos com suas filiações ao PSDB, ao PSB, ao PSD e mesmo ao PMDB, de dar contornos programáticos mais sólidos às suas gasosas divergências e criar um ciclo virtuoso de união que aglutine suas ideias e as consolide sem que se tergiverse ante os compromissos com a democracia e com o liberalismo.

Num cenário em que uma piada pronta como Jair Bolsonaro, à solta na cena política, pode se converter em alternativa viável para uma horda de desmiolados que identifica nele uma criatura apta a ocupar a Presidência da República, a mobilização organizada do centro à direita, fundada em um programa de médio e longo prazo e detentor de teses sólidas, é legítimo e alvissareiro.

Roga-se, agora, que a esquerda brasileira reúna os cacos, descubra que há nomes em suas hostes (e há), e construa a antítese daquilo que se orquestra do outro lado. Necessário fazer isso já, antes que um aventureiro lance mão e desfralde velas nesse mar de oportunidade.

A derrota da oposição na votação dessa 1ª autorização para processar Temer precisa se converter em vitória da sociedade. Todo o país ganhará com o ressurgimento de uma luta política fundada em teses razoáveis e responsáveis dos dois lados do espectro ideológico. Por enquanto, só há um time em campo e o jogo está desequilibrado à direita.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s