A NOVELA TEMER TEVE O FINAL QUE INTERESSAVA AO PT

Lula_Michel_Temer.jpg

Temer fraco ajuda Lula

Dilma forte atrapalhava

Pela primeira vez na história 1 presidente da República foi formalmente denunciado por crime de corrupção no exercício do mandato.

Diferentemente de outras votações importantes e polêmicas, a manifestação em frente ao Congresso não reuniu uma multidão. Até o início da contagem de votos nesta 4ª (2 de agosto), não havia mais do que 1000 gatos pingados com faixas de protesto ao longo de toda a Esplanada dos Ministérios. No resto do país, o quadro não era diferente.

Mas eis os dados da última pesquisa DataPoder360:

Temer é considerado corrupto por 80% dos entrevistados; a avaliação do governo é negativa para 76% das pessoas ouvidas; 85% querem que Câmara autorize o processo; 75% dizem que não elegerão os deputados que votarem para salvar o presidente.

O que houve? Onde estavam o Movimento dos Sem Terra e a CUT? Tomaram as ruas? Programaram uma grande manifestação na frente ao Congresso Nacional para o dia da votação?

Nada.

As duas entidades, como se sabe, são ligadas ao PT. E o partido não estava interessado, de fato, em afastar o presidente Michel Temer do cargo.

O líder petista na Câmara, Carlos Zaratini (SP), defendeu durante dias a fio que a bancada desse quórum para a votação, mesmo avaliando que não teriam votos suficientes para abrir o processo.

Zaratini foi convencido pelos demais partidos de oposição a negar, pelo menos na manhã desta 4ª, o quórum. Mas convenceu o PSOL, a Rede, o PDT e os demais oposicionistas a reavaliarem, no início da tarde, a possibilidade de marcar presença em plenário.

Mais. O governador da Bahia, Rui Costa (PT), mandou de volta à Câmara dois de seus secretários que foram eleitos deputados. Assumiram o lugar dos suplentes que haviam se manifestado contra Temer. O ex-governador petista Jaques Wagner já havia declarado publicamente que é contra o “Fora Temer” defendido da boca pra fora pelo PT.

E qual foi a lógica disso tudo? É simples: o PT sonha com a volta de Lula à Presidência. E um Michel Temer fraco em 2018 pode fortalecer a candidatura oposicionista.

Daí o partido ter se juntado nos bastidores ao PMDB, que evidentemente não quer a saída do presidente, e ao PSDB do governador Geraldo Alckmin —também 1 possível candidato à Presidência— e do senador Aécio Neves (MG), delatado na Lava Jato.

A operação Lava Jato foi outro bom motivo para o PT torcer por Michel Temer —junto com todos os outros partidos cujos caciques políticos também se viram arrolados, como PMDB, PSDB, DEM, PP, PSD, PTB e PR.

Temer já deu mostras de que está disposto a enfrentar e tentar desacreditar as denúncias, delações e apurações de Sérgio Moro, Rodrigo Janot, Edson Fachin et cetera.

Explorando as falhas e exageros processuais da Lava Jato, o presidente tem sobrevivido com a ajuda dos caciques de quase todos os partidos tradicionais, incluindo o PT.

Na verdade, a aliança entre Temer e o establishment petista vem de longe. Vem desde o governo do ex-presidente Lula, mentor da chapa Dilma-Temer à Presidência em 2010.

E há quem diga que esta aliança perdurou mesmo durante o impeachment de Dilma.

O partido não morria de amores pela ex-presidente. A começar pelo fato de Dilma ter iniciado seu primeiro mandato afastando ministros e burocratas indicados por Lula a cada denuncia contra 1 deles na imprensa.

A nova presidente lançou mão de 1 bordão para se explicar que irritou profundamente Lula e os petistas: estava promovendo “uma faxina no governo”. Ou seja, insinuou que o antecessor deixará 1 lixo para trás.

A relação do PT com Dilma foi deteriorando ao longo do tempo, graças ao mau humor da presidente. E afundou de vez quando a então presidente decidiu ser candidata à reeleição e barrou uma esperada recandidatura de Lula em 2014.

Ali os caciques petistas passaram a bater palmas nos bastidores a cada movimentação do PMDB e do PSDB pelo impeachment.

Desde então, por incrível que pareça, tudo tem ocorrido como o PT tem planejado.

TALES FARIA ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)
Editor do Poder360. Foi vice-presidente, publisher, diretor, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Defende o jornalismo crítico, mas sem preconceitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s