O ESTADO QUEBROU, POR MAIS QUE TEMER E MEIRELLES FALEM EM NORMALIDADE

teme-13jul.jpg

FOTO DE SÉRGIO LIMA

Reforma da Previdência não passará; medidas econômicas falham

PIQUENIQUE À BEIRA DO VULCÃO

A aparência é de normalidade. Houve reuniões dominicais entre representantes dos Poderes da República para definir foco, velocidade e oportunidade para votação das reformas fiscal, tributária e eleitoral no Parlamento. As notícias do fim de semana eram rescaldo da batalha jurídico-legislativa onde o bom senso indignado dos justos capitulou ante a desfaçatez desavergonhada dos pragmáticos.

Mas abaixo da crosta formada pelo magma vomitado para fora da montanha nas erupções anteriores segue uma intensa atividade vulcânica. Impossível determinar quando se dará o fenômeno capaz de catalisar todas as insatisfações na caldeira subterrânea, mas a natureza é sábia: vulcões com a caldeira aberta sempre voltam à vida. Quando isso ocorre o ecossistema existente nos arredores muda sensivelmente e até que ocorra nova estabilização ambiental as mudanças são agudas.
A incapacidade do governo para honrar seus compromissos de investimento e de custeio da máquina pública trará, ainda nesse mês de agosto, a inevitável constatação de que o Estado está quebrado. E quebrou por obra de promessas irresgatáveis feitas na esteira da deposição do último governo eleito nas urnas, em 2014.

Havia erros e má gestão ali, mas havia também uma agenda pactuada com a sociedade no curso do processo eleitoral. Agora, há erros e má gestão também. A eles, contudo, alia-se a má intenção de fazer a sociedade adotar uma agenda que não debateu, que não elegeu como prioridades, cujos rumos são diametralmente àqueles determinados pela maioria dos eleitores há 3 anos.

A pior armadilha em que um governante pode cair é a da formação dos cinturões de áulicos em seu gabinete. Hoje há camadas de áulicos no Palácio do Planalto alimentadas pela soberba do chefe e dos subchefes, que se creem dotados de poder divino para conduzir o país e determinar os caminhos de dor e provação que levariam ao paraíso futuro da salvação nacional.

Reunidos em camadas, os áulicos não dialogam entre si, muitas vezes são antípodas. Digladiando-se por prestígio crescente junto ao líder, deixam de enxergar o horizonte com lentes capazes de observar os arredores em 360º. Passam a construir as bases de um universo paralelo em que todo cenário imaginado –e neles o porvir sempre será alvissareiro– revelar-se-á possível.

Faz-se necessário, portanto, anunciar aqui alguns fatos que não ocorrerão:

A Reforma da Previdência não passará. Ficará pendurada no calendário legislativo de 2017, e dificilmente chegará ao fim em 2018. É razoável que se torne tema de campanha –mas fazer isso significa inflamar as caldeiras do vulcão.

A medida provisória que corrige erros e injustiças cometidos no texto da reforma trabalhista causará uma guerra civil na Câmara dos Deputados se contiver a reinstituição da contribuição sindical obrigatória.

A maioria da base que assegurou a Michel Temer a chance de seguir sentado na cadeira palaciana se rebelará contra ela. E caso não contenha, um contingente decisivo de 25 a 30 deputados-satélites que orbitam em torno da Força Sindical passarão a criar agendas próprias de dificuldades para o governo.

Um aumento de imposto até pode ser aprovado pelo Congresso, afinal o descolamento da maioria parlamentar em relação ao conjunto da sociedade é tamanho que isso é possível. Mas dificilmente esse aumento se traduzirá em ganhos maiores e diretos para a União: em véspera de eleição geral, deputados e senadores preferem injetar recursos diretos na veia dos governos locais.

A ampliação da meta do déficit fiscal passará no Congresso com razoável facilidade, mesmo tendo oposição declarada de algumas das lideranças de maior e melhor reputação nas Casas. Mas será incompreendida pelas instituições monetárias externas e deverá motivar enxurrada de críticas especializadas à gestão econômica.

Disso decorrerá uma crise interna no Ministério da Fazenda, onde a equipe de Henrique Meirelles conserva biografias e luta para não abrir prontuários que os lancem na vala comum que já incinerou várias apostas de futuro.

A reforma eleitoral, caso se limite a aprovar o Distritão e a instituir o Fundo Eleitoral de R$ 3,5 bilhões para 2018, desenhará os contornos da tragédia: o Brasil precisa de mudanças mais profundas, mais amplas, mais inovadoras e mais ousadas na legislação eleitoral. Errar nessa reforma, dando condições para que se perpetuem erros cometidos no passado, significará acender a centelha capaz de eclodir a erupção.

Não há rosas e sobram espinhos na superfície desse mar revolto que o governo precisa atravessar até se consolidar como inevitável sua duração dentro do prazo de validade definido anteriormente: dezembro de 2018. Em tornos dos círculos áulicos do Planalto não se toca nas dificuldades da agenda nem da fraqueza que mais as alimenta: a ilegitimidade dos proponentes. Vai daí, seguem todos fazendo piqueniques dominicais à beira do vulcão.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

 

JORNALISTA AMERICANO INDEPENDENTE GLEEN GREENWALD À TV AMERICANA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s