MEIRELLES TERÁ QUE PROVAR QUE NÃO PENSA APENAS EM SI E NAQUILO

Meirelles.jpg

Ministro da Fazenda “arrisca-se a tisnar sua reputação”, diz autor

Meirelles aparece nos Paradise Papers, revelados pelo Poder360

 Com suas idas e vindas retóricas sobre a condição de presidenciável, e mal explicados detalhes de sua vida profissional e financeira, Henrique Meirelles arrisca-se a tisnar, a um só tempo, sua reputação de político e de ministro da Fazenda.

Conceda-se a ele, de partida, o benefício da solidariedade: não é fácil equilibrar-se no posto de timoneiro da economia e da agenda de reformas de um governo impopular, queridinho do “mercado” e presidenciável.

Uma máxima cunhada pelo ex-presidente Janio Quadros informa que “política é como fotografia. Se a pessoa mexe muito, não sai”. Expor-se em demasia, falar em excesso, dar um passo maior que a sensatez recomendaria, movimentar-se obstinadamente entre seus pares, interlocutores de outros partidos e possíveis eleitores pode matar ao mesmo tempo um projeto de governo e uma candidatura. Que o diga o afoito tucano João Doria em sua apressada tentativa de se tornar o candidato do PSDB em 2018.

Por outro lado, quem se mexe pouco pode perder o bonde da história e ser engolfado por articuladores mais incisivos e audaciosos. Que o diga o comedido tucano Tasso Jereissati, engolido em 2001/2002 por um astucioso José Serra na disputa por quem tentaria suceder Fernando Henrique Cardoso na Presidência da República.

Reconhecida a estreita e frágil ponte pela qual atravessa o ministro, convém concordar: por mais que tente lustrar sua imagem pública, difundindo-se como um liberal reformista, antipopulista e não-político, Meirelles exibe um verniz de político tradicional que desabona suas possíveis pretensões modernizadoras.

TRÊS HISTÓRIAS, TRÊS PROBLEMAS À VISTA

No jornalismo político, aprendi com Janio de Freitas, notícia é tudo aquilo que alguém quer informar e outro quer esconder. Como personagem da notícia, Meirelles segue a tradição, seja na sua forma de se mostrar um presidencial, sem admiti-lo (ou admitindo ser um presidenciável, mas negando assim se mostrar); seja no contorcionismo com que trata o passado com o empresário Joesley Batista e a ruidosa JBS; seja no recém-informado trust em paraíso fiscal, no Brasil brilhantemente noticiado por este Poder360.

Ao constatar o mal-estar em torno de sua admissão à revista Veja de condição de presidenciável, Meirelles saiu-se com uma pérola divulgada por sua assessoria de imprensa, numa nota em que nega o que disse, mas reafirma o que afirmou: “O ministro da Fazenda não afirmou que é presidenciável. Ao ser perguntado se ele tinha consciência de que era um presidenciável, o ministro disse que sim porque muitas pessoas o procuram e dizem que o apoiam ou que consideram que ele poderia concorrer”. Então fica combinado: “Ok, não sou presidenciável, mas tenho consciência de que sou presidenciável”.

As relações com a JBS são mais complexas e delicadas, e deste tema ele não poderá escapar numa eventual disputa presidencial – apesar do cuidado extremo e o quase silêncio obsequioso de boa parte da chamada grande imprensa brasileira. No sensacional perfil escrito pela repórter Malu Gaspar, publicado na última edição da revista Piauí (n. 134, de novembro), fica evidente, entre outras coisas, a areia movediça de suas relações com a JBS e seu papel como consultor.

Como Malu conta na revista, a contratação do ex-presidente do Banco Central como conselheiro da J&F, a holding dos Batista, deu-se em fevereiro de 2012. Só de luvas, recebeu no mês seguinte R$ 32,8 milhões. A missão: criar um banco do zero. No caso, o primeiro banco digital do país, o Original. Para os seus advogados, informa a matéria, o contrato de trabalho o blindaria de riscos. O contrato limitaria a ingerência dos Batista sobre o trabalho de Meirelles e restringiria o hoje ministro à condição de consultor, sem acesso a informações que não dissessem respeito ao Original.

Meirelles integrou um conselho consultivo da J&F criado especialmente para ele. A partir de 2014, no entanto, ele passou a presidente do conselho de administração da holding, cargo que ocupou até virar ministro de Michel Temer. Aqui o segundo espanto: Meirelles admite à repórter que nunca fez nada como presidente do conselho, pois “o conselho nunca se reuniu”. Mas entre 2014 e 2016, o mesmo conselho registrou cinco atas assinadas por Meirelles na Junta Comercial de São Paulo.

Duas zonas sombrias: primeiro, as boas práticas de governança corporativa sugerem a estranheza de ser consultor e presidente do conselho de administração ao mesmo tempo; segundo, alguém assinar atas de reuniões que, segundo ele diz, não ocorreram; terceiro, ser presidente de uma holding encalacrada por uma compra generalizada de políticos e empréstimos submetidos à suspeição.

No cálculo de Malu Gaspar a partir de outros contratos da empresa de consultoria de Meirelles, o hoje ministro presidenciável teria recebido R$ 180 milhões entre 2012 e 2016. No levantamento do repórter Filipe Coutinho, no site BuzzFeed Brasil, os contratos feitos por Meirelles ao sair do Banco Central renderam R$ 217 milhões em dividendos para a sua empresa naqueles 4 anos financeiramente auspiciosos. Em 2011, o mundo quase desabou quando se revelou que Antonio Palocci faturara R$ 20 milhões com sua empresa de consultoria, num só ano. Mas a história recente mostra que, no Brasil, o espanto e a indignação são seletivos.

Como escreveu Elio Gaspari há pouco tempo, “estranho personagem o doutor Henrique Meirelles”: presidiu o conselho da holding dos irmãos Batista, mas nada tinha a ver com eles ou com as empresas. Disse que achava boa a ideia de ser vice-presidente e em seguida informou que estava brincando. Anunciou-se presidenciável e esclareceu que não disse o que disse.

A divulgação dos documentos obtidos pela investigação Paradise Papers, conduzida no Brasil pelo Poder360, completa o cenário de dificuldades em formação no horizonte de Meirelles.

Ele só pensa naquilo?

O ministro terá ainda de convencer o mundo político de que escapa de um atributo mortal nesse tipo de jogo: a de que, mesmo diante da desgraça de quem está a seu redor, só pensa em si e no seu projeto de se tornar presidente, sonho cultivado há quase duas décadas.

Logo depois de vir a público a notícia de que o presidente Michel Temer fora gravado pelo dono da JBS, dentro do Palácio Jaburu, chamou a atenção a declaração de Meirelles ao jornal Folha de S.Paulo: “Meirelles diz que fica mesmo se Temer sair e reafirma seguir com reformas”, dizia a Folha na madrugada seguinte à divulgação de denúncia. Na hora em que mais precisava demonstrar capacidade de reação ao bombardeio, Temer viu seu principal ministro tentar se distanciar dele.

Anos antes, diante da informação de que Dilma Rousseff estava com câncer e isso poderia impedir sua candidatura à Presidência, Meirelles sugeriu ao ex-presidente Lula que estava ali, à disposição, pronto para a missão de substituir a candidata doente. Dilma se recuperou, venceu a eleição e não perdoou Meirelles.

Dois fatos evidentemente negados pelo ministro.

RODRIGO ALMEIDA ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s