O DESPREZÍVEL AÉCIO NEVES E O SUICÍDIO DOS TUCANOS

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE)Sérgio Lima/Poder360 – 8.nov.2017

Aécio, dono de desprezível prontuário, subjugou Tasso’

Derrubada de Tasso pode ser determinante para 2018

O senador Tasso Jereissati é um dos melhores homens públicos que conheço. Não concordamos em tudo, ao contrário. Mas ele tem dom, raro entre os políticos, de saber ouvir. Pondera as posições e toma o rumo que lhe pareça mais adequado.

Não é verdade que Tasso seja um coronel. Injusto reduzi-lo a isso. Em 1986 disputou um mandato pela 1ª vez para derrotar a trinca de coronéis que mandava e desmandava no Ceará desde os anos 1950 –Virgílio Távora, Adauto Bezerra e César Cals. Elegeu-se governador.

É verdade: tem o temperamento irascível e vi-o em ação 2 vezes. Uma, durante o governo FHC, contra o então presidente da Embratur Bismarck Maia. A outra, uma explosão desmedida para cima do então senador Sérgio Machado.

Tasso tem espírito público muito acima da média nacional. Em 2001 preparava-se para disputar uma prévia dentro do PSDB contra José Serra. Ambos queriam disputar a sucessão de Fernando Henrique Cardoso. Nizan Guanaes e Antônio Lavareda, numa madrugada infausta, convenceram o cearense de que Serra era o melhor candidato. Não era. Tentei convencê-lo do contrário. Ele fez ponderações adversas e tomou o rumo da acomodação partidária.

Em 2003, senador, era considerado por Lula um amigo nas fileiras da oposição. Afinal, em 1993 e até que se tornasse evidente a candidatura de FHC em 1994, o petista pernambucano e o tucano cearense sonhavam liderar uma chapa conjunta para suceder a Itamar Franco. Tasso até se tornara testemunha de Lula num caso judicial. Afastaram-se quando ficou evidente que o PT tinha um projeto de poder para muitos anos –e que Lula dificilmente perderia nas urnas. Novamente Tasso escutou os piores conselheiros e se transformou num dos porta-vozes mais raivosos contra o lulismo dentro do Congresso. Com isso, colheu a sua até aqui única derrota eleitoral: em 2010 perdeu a reeleição para o Senado.

O revés foi didático. De volta ao Ceará, Tasso retomou as rédeas do grupo empresarial e deu curso à sucessão familiar. Reciclou-se. Mudou de grupo na política local. Venceu a eleição para o Senado em 2014. Dentro do PSDB, exerceu em silêncio alguma sensatez quando Aécio Neves amarrou o destino da legenda ao do sofisticado golpe parlamentar dado em conluio com Eduardo Cunha. Mas as omissões de Tasso nos embates internos do ninho partidário, contudo, ajudaram a construir o cenário para o desfecho humilhante de ontem.

Denunciado, flagrado em diálogos impróprios desqualificando colegas de Parlamento e pedindo dinheiro para pagar suas contas pessoais, Aécio Neves mostrou ao país porque é um ser desequilibrado e inútil para o exercício da política. Ainda assim, e com a ajuda capital de Tasso, o senador mineiro restaurou a amplitude de seu mandato com 44 votos favoráveis. Escapou de um ajuste de contas com a Justiça e teve a dileta ajuda da presidente do Supremo Tribunal Federal, a também mineira Cármem Lúcia.

Pois foi Aécio, o vil, dono de tão desprezível prontuário, quem subjugou Tasso e o PSDB, surpreendendo até os crentes da impossibilidade de serem desferidos golpes ainda mais baixos a partir dele.

Ao destituir Jereissati da presidência interina da sigla nascida em 1988 com o objetivo de oxigenar a política, o ainda senador mineiro promoveu um gesto capital no jogo sucessório de 2018: desmoralizado, desfigurado, desagregado, desunido e despreparado para o exercício do poder, o PSDB pode não conseguir terminar o expurgo interno e a lavagem de roupa suja a tempo de pôr de pé o palanque de Geraldo Alckmin. Os tucanos estão a se suicidar dentro do hangar –sem sequer saírem para o voo de regresso ao Palácio do Planalto.

Ao Tasso Jereissati que conheci com razoável profundidade, com quem convivi nos bastidores do jornalismo e das campanhas políticas, só resta um caminho: tornar-se o agente revelador e detergente das idiossincrasias do tucanato, ser o protagonista da 1ª autocrítica reveladora da cena política nacional dentre os integrantes dos grupos que nos trouxeram a esse impasse vexatório do exercício da vida pública. Ele pode expor como ninguém a pequenez de seu antagonista e correligionário. Espero, sinceramente, que Tasso pondere bastante o que fará –e tome a decisão, dessa vez, escutando o lado certo.

LUIS COSTA PINTO ” BLOG PODER 360″ ( BRASIL)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s